YouTube não está sujeito à Primeira Emenda e pode censurar vídeos da PragerU, afirma Tribunal

Por GQ PAN

O Tribunal de Apelações do Nono Circuito julgou improcedente o processo da Primeira Emenda contra o YouTube, declarando que a plataforma de hospedagem de vídeo é uma entidade privada e, portanto, não está sujeita à Cláusula de Liberdade de Expressão.

O processo foi aberto em outubro de 2017 pela organização conservadora Prager University (PragerU), que administra um canal no YouTube com mais de 2 milhões de assinantes.

Dirigida pelo colunista conservador e apresentador de rádio Dennis Prager, a PragerU acusou o YouTube, de propriedade do Google, de violar sua liberdade de expressão garantida pela constituição, colocando mais de 200 de seus vídeos no “modo restrito”. Esses vídeos marcados pelo YouTube como “inapropriados” abrangem uma ampla variedade de tópicos, desde a Guerra da Coreia até o perfil racial na aplicação da lei.

PragerU disse que o YouTube o escolheu como alvo por causa de sua “identidade política e ponto de vista como uma organização sem fins lucrativos que defende visões conservadoras sobre eventos atuais e históricos”. Em um breve clipe feito para explicar o processo, o PragerU argumentou que o YouTube, que não é uma agência governamental, desempenha a função de um “fórum público” e, portanto, deve estar sujeito às mesmas regras que as agências financiadas pelo governo com fundos públicos.

No entanto, em uma decisão publicada na quarta-feira, um painel de três juízes do Nono Circuito confirmou por unanimidade uma decisão de um tribunal inferior, negando provimento ao processo da organização sem fins lucrativos conservadora contra o site de compartilhamento de vídeos.

“A alegação da PragerU de que o YouTube censurou o discurso da PragerU enfrenta um obstáculo no limiar: o YouTube é uma entidade privada. A cláusula de liberdade de expressão da Primeira Emenda proíbe o governo, e não uma parte privada, de restringir o discurso”, escreveu a juíza de circuito M. Margaret McKeown, nomeada por Clinton, em uma opinião do tribunal (pdf).

“Apesar da onipresença do YouTube e de seu papel como plataforma pública, ele permanece um fórum privado, não um fórum público sujeito a escrutínio judicial sob a Primeira Emenda”, escreveu McKeown.

A CEO da PragerU, Marissa Streit, disse em um comunicado após a decisão do Nono Circuito que eles continuarão a procurar uma batalha legal nos tribunais da Califórnia.

“Como temíamos, o Nono Circuito estava errado e a importante questão da censura on-line não recebeu um parecer justo no tribunal”, disse Streit. “Infelizmente, parece que até o Nono Circuito tem medo de Golias: Google. Ainda não terminamos de lutar pela liberdade de expressão e continuaremos avançando”.

Nos últimos anos, o Google enfrentou acusações de censura ideológica. Em 2018, o presidente Donald Trump acusou o Google de manipular os resultados da pesquisa. “Os resultados de pesquisa do Google para ‘Trump News’ mostram apenas visualizações / relatórios de mídia falsos”, escreveu Trump no Twitter. “Em outras palavras, eles têm MANIPULADO, tanto para mim quanto para os outros, pois quase todas as histórias e notícias são RUINS.”

 
 
 

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong
Dois jornalistas da edição de Hong Kong do The Epoch Times disseram que estavam sendo seguidos por supostos ...
Leia Mais >
 

Prisão de pró-democratas

Prisão de pró-democratas
Por NTS Notícias A Famosa Torre de TV de Shanghai, que acidentalmente recebeu o mesmo nome da cidade ...
Leia Mais >
 

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais
A Colômbia tornou-se o primeiro país da América Latina a proibir os testes cosméticos em animais por meio ...
Leia Mais >
 

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata
Por NTD News A polícia de Hong Kong prendeu um total de dez pessoas, incluindo o magnata da ...
Leia Mais >