WeChat: aplicativo de mídia social com bilhões de usuários da China censura sites de mídia nos Estados Unidos

Por Nicole Hao

A censura no aplicativo de mídia social mais popular da China, o WeChat, se estende a usuários fora da China, de acordo com testes realizados pelo Epoch Times, destacando o alcance da censura chinesa no exterior.

Embora o controle rígido do WeChat sobre as informações de seu aplicativo na China seja bem conhecido, ele também bloqueia conteúdo para usuários estrangeiros que normalmente não estão sujeitos às práticas de censura do regime.

Testes do Epoch Times revelam que o WeChat barrou vários meios de comunicação de língua chinesa com sede nos Estados Unidos conhecidos por sua cobertura dos abusos do regime comunista, incluindo a edição em chinês do Epoch Times, a New Tang Dynasty Television (NTDTV), mídia irmã do Epoch Times, Voice of America e Radio Free Asia.

O aplicativo desenvolvido pela gigante de tecnologia chinesa, Tencent Holdings Ltd, possui mais de 1,1 bilhão de usuários ativos mensais. Ele tem atraído o escrutínio nos últimos anos diante de suas falhas de segurança, falta de proteção à privacidade e seu uso como ferramenta para influenciar as eleições ocidentais.

O aplicativo

Lançado em 2011 como um aplicativo de mensagens instantâneas, o WeChat expandiu-se rapidamente como uma plataforma de mídia social multifuncional. Além das mensagens, os usuários podem postar imagens ou vídeos em um recurso social semelhante ao Timeline do Facebook chamado “momentos”, pagar por compras diárias na China, jogar e usar outros aplicativos no WeChat.

O WeChat cooperou com o Ministério de Segurança Pública da China para criar um sistema de identificação digital, lançado em janeiro de 2018. Os cartões de identificação eletrônicos emitidos pelo aplicativo, que podem ser usados no lugar de cartões de identificação físicos, são vinculados ao rosto e à impressão digital do usuário.

Mais ou menos na mesma época, o aplicativo, em colaboração com o Ministério de Recursos Humanos e Segurança Social da China, também introduziu cartões eletrônicos de previdência social, permitindo que os usuários acessassem os esquemas de seguro do setor público.

Testes

Para descobrir como o WeChat censura as contas criadas nos Estados Unidos, a equipe americana da edição chinesa do Epoch Times criou duas contas no WeChat, uma em um smartphone Samsung comprado nos Estados Unidos e outra em um tablet Samsung comprado nos Estados Unidos.

Com essas contas, os verificadores compartilhavam os links dos sites de vários meios de comunicação entre si usando o recurso de mensagens pessoais do aplicativo. O receptor tentou abrir os links no dispositivo.

Quando os verificadores compartilharam o link da página inicial da edição em chinês do Epoch Times, a mensagem foi enviada, mas o destinatário não pôde abrir o link.

Quando os verificadores tentaram enviar um link para a página inicial da edição em chinês do Epoch Times, o destinatário pôde ver a mensagem, mas não abrir o link.

Depois que o receptor clicou no link, o aplicativo abriu uma página que dizia: “A visita à página foi interrompida. Com base nas reclamações dos usuários e na detecção segura de URLs do Tencent, a página da Web que você está tentando abrir inclui conteúdo que viola as leis ou as regras”.

Quando os verificadores enviavam os links da página para os grupos de bate-papo e os publicavam no Wechat, o resultado era o mesmo: os links podiam ser enviados e postados, mas não podiam ser abertos por nenhuma conta, nem mesmo pela conta que compartilhava os links.

Além do Epoch Times em língua chinesa, os verificadores descobriram que o WeChat bloqueia outras mídias chinesas baseadas no exterior, incluindo NTDTV, Weiquan Net, China Digital Times, Voz da América, Radio Free Asia e Radio France Internationale.

Os sites da BBC em chinês e do New York Times, em contraste, foram encontrados bloqueados em algumas ocasiões, mas acessíveis em outras. Além disso, em outras ocasiões, os verificadores descobriram que sua página da Web poderia ser aberta, mas nenhum dos links da página estava ativo – eles eram simplesmente texto. Isso também ocorreu quando foram enviados links para a página inicial da edição em inglês do Epoch Times.

Os verificadores não tiveram nenhum problema em compartilhar e abrir links de agências de notícias pró-Pequim no exterior, incluindo sinovision.net, singtaousa.com e worldjournal.com.

Após cerca de cinco horas de testes, durante as quais dezenas de links foram compartilhados, o WeChat encerrou ambas as contas. O aplicativo notificou os usuários de que os números de telefone haviam sido bloqueados e foram impedidos de se registrar no WeChat no futuro.

A Tencent não respondeu a um pedido de comentário do Epoch Times.

Ferramenta de propaganda

A censura do WeChat a tópicos considerados inadequados pelo regime comunista chinês está bem documentada.

No ano passado, os pesquisadores que analisaram 1.04 milhões de artigos publicados em 4.000 contas públicas cobrindo notícias diárias no aplicativo, descobriram que 11.000 foram removidas pela censura.

Os tópicos mais censurados de 2018, segundo o estudo, incluíram a guerra comercial Estados Unidos-China, a prisão da diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, no Canadá, e a controvérsia em torno de um cientista chinês por trás dos primeiros bebês geneticamente modificados no mundo.

Estudos recentes também revelaram como o aplicativo usa vários algoritmos para censurar automaticamente imagens em tempo real.

Heng He, comentarista de assuntos da China, disse ao Epoch Times em língua chinesa que as táticas de propaganda do regime chinês fora da China eram duas: promover notícias favoráveis a Pequim e suprimir informações que colocam o regime sob uma luz negativa.

Dado que a maioria dos chineses que vivem no exterior usam o WeChat para se comunicar com amigos e parentes chineses, o aplicativo é uma ferramenta de propaganda útil para o regime, disse Heng.

“O WeChat usa padrões estabelecidos pelo Partido Comunista Chinês (PCC) para bloquear sites específicos em chinês nos Estados Unidos. Isso prova que é um agente do PCC ”, disse Heng.

Um empresário de Nova Iorque de sobrenome Wang, que conduz seus negócios principalmente no WeChat, disse ao Epoch Times em chinês que o aplicativo não permite que ele compartilhe informações censuradas.

“Na verdade, só podemos postar coisas relacionadas a comida, entretenimento, jogos e informações que beneficiam o regime chinês no WeChat, então o aplicativo está cheio de lixo”, disse Wang.

Wang disse que para garantir que sua conta não seja bloqueada, ele não compartilha nenhuma informação relacionada à disputa comercial Estados Unidos-China ou outros problemas políticos.

 
 
 

Jornal Epoch Times é removido de cadeia de lojas em Hong Kong, gerando preocupação sobre a pressão de Pequim

Jornal Epoch Times é removido de cadeia de lojas em Hong Kong, gerando preocupação sobre a pressão de Pequim
Os moradores de Hong Kong estão expressando suas preocupações depois que uma franquia local da popular cadeia de ...
Leia Mais >
 

Governo e empresários planejam campanha para estimular economia

Governo e empresários planejam campanha para estimular economia
Com o objetivo de movimentar a economia e estimular o turismo interno e o varejo, o governo brasileiro ...
Leia Mais >
 

EUA: Comitê Nacional Republicano aprova resolução contra extração forçada de órgãos na China

EUA: Comitê Nacional Republicano aprova resolução contra extração forçada de órgãos na China
O Comitê Nacional Republicano (RNC) dos Estados Unidos aprovou por unanimidade uma resolução em 2 de agosto de ...
Leia Mais >
 

Câmara aprova urgência para projeto que autoriza porte de arma para novas categorias profissionais

Câmara aprova urgência para projeto que autoriza porte de arma para novas categorias profissionais
O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta quarta-feira (14) o regime de urgência para o ...
Leia Mais >