Vítimas silenciosas: um mundo oculto onde meninos são traficados

Por Bowen Xiao

NOVA IORQUE – Um menino foi traficado juntamente com sua mãe pelo marido e mantido em cativeiro durante a maior parte de sua vida. Outro foi atraído através de videogames para uma família que o forçou a ter relações sexuais com eles e seus amigos. Outro que havia fugido, foi capturado na rua e ofereceram um lugar para ele ficar – em troca de sexo.

Esses casos apontam apenas para uma gota no oceano do que muitos meninos passam nos Estados Unidos. O tráfico humano, ou “escravidão moderna”, é um termo amplo usado para descrever vítimas de trabalho forçado, exploração sexual ou servidão, e casamentos forçados, entre inúmeros outros abusos. O tráfego é um problema que afeta ambos os sexos, mas muitos argumentam que, entre as vítimas, nem todos recebem  igual atenção.

Meninos vítimas do tráfico de seres humanos nos Estados Unidos chegam a 40 a 45% da população total de vítimas em algumas cidades, indicaram estudos. Apesar disso, os homens são severamente negligenciados em um problema já oculto quando se trata de recursos, serviços e campanhas de conscientização pública – que se concentram predominantemente nas mulheres.

Meninos e homens constituem uma “porção significativa” de vítimas de tráfico humano, tanto nos Estados Unidos quanto internacionalmente, de acordo com um relatório anual de 2019 do Conselho Consultivo dos Estados Unidos sobre Tráfico Humano. Mas, devido a eles serem negligenciados, “muitos homens e meninos não se identificam como vítimas nem solicitam serviços”, constatou o relatório.

O conselho consultivo referiu-se a uma peça de 2010 que acompanhou 222 instituições na época que recebiam financiamento do governo. Destas, apenas duas se dedicaram ao combate ao tráfico masculino.

Entrevistas do Epoch Times com especialistas em tráfico – uma delas vítima – revelam um forte desequilíbrio de atenção de cada setor da sociedade. Especialistas dizem que vítimas do sexo masculino são ignoradas não apenas pelos meios de comunicação, mas também pelas autoridades, contribuindo para a falta geral de atendimento. Muitos expressaram indignação com a apatia.

Existem também grandes diferenças em como lidar com casos. Por exemplo, as meninas geralmente desenvolvem a síndrome de Estocolmo – um vínculo de trauma em que elas se apaixonam por seus agressores – algo que geralmente não acontece com os meninos.

Silhouette of little boy.
Silhueta de um menino (Unsplash)

De vítima a juiz

Em entrevista exclusiva ao Epoch Times, o juiz Robert Lung, nomeado em 2018 pelo presidente Donald Trump para atuar no Conselho Consultivo sobre Tráfico de Seres Humanos dos Estados Unidos, explicou como é improvável que meninos e homens denunciem seus próprios abusos.

O próprio Lung foi traficado por seu pai entre 1976 e 1980, dos 6 aos 10 anos de idade. Mas foi apenas aos 30 anos que ele aceitou ter sido vítima de tráfico.

O juiz, agora com 48 anos – tendo sido nomeado em 2016 para servir no 18º Distrito Judicial do Colorado pelo governador John Hickenlooper – disse que não havia nenhum termo como tráfico de pessoas na época, apenas “rede de prostituição infantil”, que ele considerou ofensivo – “Não existe sexo infantil”, disse ele.

“Os meninos são muito mais relutantes” em revelar seus abusos, disse Lung. “Não é para acontecer com a gente, acredita-se que somos capazes de evitá-los, ou que devemos dizer não, ou que devemos ser mais fortes do que as meninas – e isso é absurdo”.

“Quando a mensagem é: ‘São apenas garotas’, essa mensagem é recebida pela polícia, essa mensagem é recebida pelo público, essa mensagem é recebida pelos serviços humanos, essa mensagem é recebida pelas vítimas que são informadas ‘Oh não, são apenas garotas, “então as vítimas nem acreditam que são vítimas”.

Lung soube que estava sendo negociado quando seu pai saiu do quarto para agredir outra criança que havia sido levada para o local do encontro. Lung foi abusado exclusivamente por outros homens.

“Ele estava me trocando por outro menino”, disse ele.

Lung disse que seu pai começou a cuidar dele antes do tráfico, quando ele tinha entre 2 e 3 anos de idade. O tráfico parou quando ele atingiu 10 anos de idade, por causa da descoberta da AIDS. Lung disse que seu pai sabia que se ele contraísse a AIDS, não haveria como explicar. Mas não parou por aí.

Seu pai continuou a abusar dele e depois começou a torturá-lo. Seu pai parou tudo por volta dos 13 anos de idade, mas, a essa altura, outra pessoa começou a abusar dele. Quando chegou aos 16 anos, o abuso finalmente terminou definitivamente.

A infância de Lung centrou-se em torno de um tema principal: desamparo. Seu pai, a quem ele não nomeou, manteve uma sensação de caos em sua família que incluía sua mãe e seu irmão mais velho. Ele descreveu como seu pai cometeu violência doméstica contra sua mãe e abusou fisicamente de seu irmão mais velho. Ninguém poderia confiar um no outro.

Olhando para trás, Lung disse que seu pai usou uma tática comum usada por traficantes intrafamiliares, cafetões e traficantes relacionados a gangues: manter a vítima em um ambiente de caos e desordem, sem senso de controle.

Essa sensação de caos é especialmente comum entre as vítimas de tráfico de mão-de-obra, que são frequentemente informadas: “Você não pode confiar no governo”, “Você será deportado” ou “Você não pode chamar a polícia porque será preso. Uma “porcentagem significativa” de todos os casos de tráfico são vítimas de tráfico de mão-de-obra que inclui homens e meninos, de acordo com o relatório do Conselho Consultivo dos Estados Unidos.

Lung disse que seu pai até ameaçou matá-lo se ele contasse a alguém sobre o tráfico. Seu pai, um médico, tinha acesso a drogas e ele acreditava em suas ameaças.

“Este é meu pai. Ele é o homem mais forte e poderoso do universo, de acordo com minhas percepções ”, disse ele. “Então eu não questionava isso. Eu temia isso, mas eu não questionava”.

Sem apoio

Em seus 20 anos, Lung começou a receber terapia, e mais tarde se casou, adotou dois filhos e fez carreira como oficial de justiça. Ele chegou à conclusão de que havia passado por uma experiência notável de resiliência, recuperação e esperança. Lung sentiu que era um dever dele compartilhar com outros sobreviventes que é possível vivenciar eventos traumáticos e, depois de muita ajuda, recuperar sua vida.

“Percebi, depois que comecei a falar que não havia ninguém lá fora falando de sobreviventes do sexo masculino”, disse ele. “Isso é o que realmente me incomodou muito. Apenas não foi enviada nenhuma mensagem. Não havia mensagem da mídia de que meninos fossem vítimas”.

Lung relembrou seu terapeuta dizendo a ele sobre a ausência de livros sobre vítimas masculinas em seus 20 anos e o instruiu a ler um romance chamado “A coragem de curar”, escrito por mulheres para mulheres. O livro que ele disse, retratou os homens como o único perpetrador.

“Foi incrivelmente difícil aceitar que o único material lá fora é para mulheres vítimas”, disse ele. No momento de sua recuperação, Lung disse que quase não havia materiais para os meninos, no entanto, alguns livros mais tarde começaram a ser lançados. Lung está atualmente no processo de escrever uma biografia sobre suas experiências.

Tanto meninos como meninas precisam ser tratados por seus traumas, explicou, mas ignorar os homens como vítimas envia uma mensagem aos traficantes de que há um segmento inteiro da população que a sociedade irá ignorar.

Depois visitar todo o país, Lung ficou sabendo que existe apenas uma única organização nos Estados Unidos que fornece moradia para meninos que são traficados. Somente no estado do Colorado, ele poderia nomear meia dúzia de organizações exclusivamente para meninas.

“Por que o público não está exigindo que haja mais serviços para os meninos está além de minha compreensão”, disse ele. “Não há como definir, nem explicar, mas é exatamente o que está acontecendo.”

Lung disse que o que lhe dava forças era a esperança. Ele a tinha quando criança e ainda tem como adulto.

Tratando traumas

A organização do US Against Human Trafficking (USIAHT) criou uma das primeiras casas seguras exclusivamente para meninos que são traficados com menos de 18 anos. Ela abriu seu primeiro local na Flórida, havendo planos para mais planejadas em todo o país. De acordo com seu site, a casa oferece uma abordagem de cuidados com base em traumas desenvolvida em um programa de seis a nove meses, mas também permite que as crianças permaneçam o tempo que for necessário para o cuidado adequado.

Geoffrey Rogers, co-fundador e CEO da USIAHT, disse ao Epoch Times que os meninos são frequentemente forçados a traficar em uma idade mais jovem que as meninas, em média por cerca de 11 meses, com a maioria ocorrendo por volta dos 10 a 12 anos de idade. Ele descreveu como as meninas vítimas eram predominantemente atraídas por um traficante ou um cafetão habilidoso em atacar garotas com baixa auto-estima, preparando-as ao agir como o namorado da vítima e promovendo um sentimento de amor.

Para os meninos, Rogers disse que os casos eram todos diferentes uns dos outros, e os métodos para atraí-los raramente se assemelham aos usados nas meninas. Ele disse que é improvável que uma relação tipo síndrome de Estocolmo se desenvolva entre os meninos e seus traficantes, acrescentando que também houve casos em que os perpetradores eram mulheres.

Mas havia uma coisa em comum entre muitas das vítimas de tráfico de meninos e meninas – elas haviam passado pelo sistema de assistência social dos Estados Unidos.

“Vimos estudos que dizem que cerca de 70% das crianças que são traficadas nos Estados Unidos saem do sistema de adoção temporária… mas a maneira como elas são trazidas varia significativamente, por criança, individualmente”, disse Rogers, referindo-se aos casos de meninos.

Um estudo encomendado pelo Departamento de Justiça em 2016 constatou que os meninos representavam cerca de 36% de todas as crianças capturadas na indústria de tráfico dos Estados Unidos. Um entrevistado disse ao estudo que a narrativa de que a maioria dos jovens no comércio de tráfico são meninas é “problemática”.

Rogers disse que eles criaram o lar seguro por necessidade e tiveram a ideia há quatro anos, enquanto viajavam pelo país aprendendo sobre o tráfico. Ele não viu serviços e nem lares seguros para garotos, e pouquíssimas organizações falam sobre garotos. O programa de residência segura na Flórida está atualmente operando em sua máxima capacidade e a organização está procurando construir mais em outros estados que poderiam se beneficiar.

“Nosso objetivo é ter um lar seguro que pareça uma casa porque, basicamente, a maioria dessas crianças nunca experimentou o que eu consideraria ser uma casa normal com amor e carinho”, disse ele.

No geral, cerca de 1 em 800 pessoas nos Estados Unidos vive na escravidão moderna, de acordo com o Global Slavery Index 2018 (GSI). O índice identificou cerca de 403 mil vítimas no país.

Rogers disse que uma das razões pelas quais parece haver uma falta de reconhecimento e conscientização das vítimas do sexo masculino, se deve à diferença entre os casos daqueles que envolvem meninas. Ao longo dos anos, organizações e agências individuais de aplicação da lei foram treinadas para identificar possíveis criminosos que traficam meninas. O mesmo não pode ser dito para os meninos.

A outra razão é que os meninos “quase nunca se identificam como vítimas do tráfico humano”, o que dificulta para as organizações ou policiais identificarem um menino que acreditam ser uma vítima.

“Eu diria que quase 100% das crianças em nosso lar seguro nunca se identificaram como vítimas”, disse Rogers. “E eles provavelmente nunca irão.”

Ele disse que a USIAHT reconhece que, para combater o problema do tráfico, deveria haver mais foco em reduzir a demanda. Rogers disse que são necessárias casas seguras para cuidar dessas crianças, mas elas não param a demanda.

Para os traficantes, tudo se trata de uma operação de negócios.

“Eles não se importam com as crianças, elas são uma mercadoria. Eles às estão vendendo por dinheiro”, disse ele. “Isso é tudo para eles. Então, é uma equação comercial de oferta versus demanda”.

Rogers criou outra iniciativa, apelidada de “Trafficking Free Zone” (Zona Livre de Tráfico), que emprega um método de engajamento de serviços baseado na comunidade, utilizando os diferentes setores dentro dessa comunidade para combater a demanda. Isso poderia envolver o trabalho com o governo local, a comissão do condado, o conselho da cidade, os negócios, as autoridades policiais, o sistema educacional, as igrejas e muito mais.

Rogers, ex-vice-presidente da IBM, deixou o mundo corporativo para lutar pelas crianças do país. Ele descreveu o problema do tráfico de crianças nos Estados Unidos como uma “epidemia que continua a sair do controle”.

“Estou indignado com o fato de que há mais de 100.000 crianças nos Estados Unidos que são vendidas por sexo todos os dias”, disse ele. “O que também nos deixa indignados é: onde está o ultraje?”

Como a pornografia envenena as crianças 

Um especialista em tráfico de pessoas abordou o que ela chamou de “outra epidemia oculta” nos Estados Unidos – como meninos e meninas estão sendo expostos à pornografia em uma idade jovem.

Lisa L. Thompson, vice-presidente de política e pesquisa do Centro Nacional de Exploração Sexual, disse ao Epoch Times que há uma série de abusos que não estão no radar popular, sendo o abuso de exposição à pornografia um dos principais.

Thompson explicou como os meninos, em particular, estão expostos à pornografia cada vez mais jovens, citando a prevalência da internet e dos dispositivos conectados. A pornografia, além de retratar atos sexuais explícitos, pode incluir abuso, violência e até mesmo estupro em alguns casos.

“Os meninos estão vendo isso antes mesmo da adolescência em alguns casos e estão crescendo praticamente usando isso como sua forma de educação sexual”, disse ela. “Isso perturba o desenvolvimento natural da criança”.

Thompson disse que sua organização está trabalhando com grupos em todo o país para conscientizar que a exposição à pornografia é um problema de saúde pública.

“Para nós, é uma forma de higiene”, disse ela. “É uma forma de reduzir as inibições das crianças antes que elas realmente tenham idade para participar e se envolver em atos sexuais”.

O conteúdo extremo pode servir basicamente para preparar as crianças para exploração e abuso em potencial mais tarde em suas vidas.

Um relatório de 2019 elaborado pelo centro realizou uma meta-análise de 59 estudos diferentes, comparando 3.855 criminosos sexuais masculinos com 13.393 criminosos não sexuais, todos com idades entre 12 e 18 anos. O relatório, “Confrontando a ascensão do comportamento sexual prejudicial de criança contra criança”, descobriu que a exposição à pornografia tinha algumas ligações com criminosos sexuais.

“Adolescentes que tinham cometido abusos sexuais foram significativamente mais expostos precocemente à pornografia, relataram taxas mais altas de exposição à pornografia, tiveram fantasias sexuais, comportamentos ou interesses significativamente mais atípicos e foram mais frequentemente diagnosticados com uma parafilia do que infratores não sexuais”, apontou o relatório.

Thompson acrescentou que, quando as crianças são expostas, é provável que elas possam atuar em outras crianças.

“Estamos vendo uma conexão real com o abuso sexual entre crianças”, disse ela. “Particularmente, quando uma criança mais velha age de acordo com algo que viu, talvez com um irmão ou talvez brincando com outras crianças”.

A atual lei federal proíbe a distribuição de material obsceno (pornografia pesada) através da internet ou da televisão, ou por meio de transportadoras comuns como a FedEx e varejistas, mas o Departamento de Justiça não aplica leis federais de obscenidade contra grandes distribuidores de obscenidades de adultos há quase uma década de acordo com uma ficha informativa do centro nacional.

Alasca, Maine, Novo México, Vermont e Virgínia Ocidental não possuem leis de obscenidade em todo o estado, enquanto Montana e Dakota do Sul têm leis estaduais deficientes, de acordo com a ficha informativa. O centro pediu que novas leis de obscenidade fossem adicionadas nos estados mencionados.

Siga Bowen no Twitter: @ BowenXiao3

 
 
 

Brian May, Guitarrista do Queen, diz que Shen Yun é ‘encantador e esclarecedor’

Brian May, Guitarrista do Queen, diz que Shen Yun é ‘encantador e esclarecedor’
LONDRES - Para o lendário guitarrista e compositor do Queen, Brian May, Shen Yun foi uma noite “encantadora”. ...
Leia Mais >
 

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong
Os Estados Unidos e as autoridades europeias manifestaram alarme ao saber das detenções de vários ativistas pró-democracia de ...
Leia Mais >
 

Esconderijos na fronteira: um fenômeno oculto e deplorável

Esconderijos na fronteira: um fenômeno oculto e deplorável
As casas esconderijo são usadas há décadas para manter humanos e contrabando nos dois lados da fronteira sudoeste, ...
Leia Mais >
 

EUA anunciam medida para manter imigrantes ilegais detidos por mais tempo

EUA anunciam medida para manter imigrantes ilegais detidos por mais tempo
O governo dos Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira (21) um plano destinado a permitir a detenção das famílias ...
Leia Mais >