Uso agressivo do comércio por Pequim prejudicará a China no longo prazo

Por Milton Ezrati 

Análise de notícias

Como a China cresceu a um tamanho gigantesco, sua abordagem de cima para baixo, de comando da economia, especialmente em sua política comercial, desestabilizou e começou a alienar vários parceiros comerciais.

Esses países, especialmente as nações asiáticas menores, têm apenas uma resposta racional: suportar os males econômicos impostos por Pequim enquanto encontram maneiras de se desvincular do comércio da China.

Embora todos os países manipulem a política comercial em seu próprio benefício, a China comunista mostrou uma abordagem especialmente implacável e agressiva. Em outros países, duas considerações moderam esse comportamento. Um deles é o risco de alienar parceiros comerciais importantes. O ex-presidente Donald Trump ousou com a China na “guerra comercial” de 2019 porque ele e sua equipe achavam que Pequim já era tão hostil quanto provavelmente se tornaria. A China, em contraste, parece despreocupada em alienar os outros.

Para a maioria dos outros países, a pressão doméstica apresenta outro mitigador que parece não existir na China. Cada tarifa, cada cota e cada restrição de qualquer tipo cria vencedores e perdedores domésticos. Uma tarifa de aço, por exemplo, beneficia os produtores de aço em detrimento dos usuários de aço. As pressões desses perdedores limitam o uso de comportamento agressivo pela maioria das nações na política comercial. Mas a economia planejada de cima para baixo da China enfrenta pouca pressão, permitindo que Pequim altere a política comercial sem essas considerações e frequentemente para atender até mesmo às necessidades transitórias.

Há, no entanto, um preço para o comportamento de Pequim. Três exemplos recentes ilustram como Pequim se comporta e como isso acabará prejudicando a economia chinesa.

No início de 2021, o aumento nos preços da energia elevou o preço dos fertilizantes na China. Em uma economia verdadeiramente baseada no mercado, o aumento de preços traria um aumento da oferta e uma busca por substitutos. Mas os planejadores das principais cidades da China são menos sensíveis ao preço. Em vez de permitir que os produtores se ajustem, a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma de Pequim decidiu aliviar uma escassez momentânea ordenando a suspensão de qualquer exportação de fertilizantes.

O redirecionamento da oferta moderou as pressões de preços na China, mas deixou os parceiros comerciais da China aquém e intensificou as pressões de preços sobre eles. Sem substitutos imediatos, a falta de fertilizantes e os altos preços forçaram esses parceiros comerciais a retirar áreas da produção.

A escassez de alimentos se desenvolveu e se intensificou em 2022 com a perda do fornecimento de grãos russos e ucranianos. Enquanto isso, a perda das exportações russas de fertilizantes deixou todos, incluindo a China, novamente enfrentando escassez de fertilizantes e preços altos, algo que não seria o caso se a China tivesse permitido que os produtores aumentassem a produção em primeiro lugar.

Trabalhadores carregam fertilizante de potássio importado da Bielorrússia pela estatal Sino-Agri de um navio em um porto em Yantai, na província de Shandong, na China, em 9 de março de 2022 (Tang Ke/Future Publishing via Getty Images)
Trabalhadores carregam fertilizante de potássio importado da Bielorrússia pela estatal Sino-Agri de um navio em um porto em Yantai, na província de Shandong, na China, em 9 de março de 2022 (Tang Ke/Future Publishing via Getty Images)

A ​​manipulação do aço fornece outro exemplo. Após décadas de excesso de produção de aço chinês e preços predatórios para promover as exportações, grande parte da produção de aço na Europa, Japão e Estados Unidos foi fechada.

Em 2020, a China produziu cerca de metade do aço do mundo. Naquele ano, os estrategistas de Pequim decidiram repentinamente reduzir a produção, principalmente por causa da pandemia, mas ostensivamente por razões ambientais. Os preços subiram em todos os lugares. Enquanto os parceiros comerciais da China lutavam para restabelecer a produção, os planejadores em Pequim decidiram que a maneira de aliviar as pressões sobre os preços domésticos não era reempregar a capacidade ociosa, mas restringir as exportações aumentando os impostos de exportação de produtos siderúrgicos e aliviando as restrições anteriores às importações de sucata de aço.

Esses movimentos estabilizaram os preços na China, mas intensificaram a escassez e as pressões de preços em outros lugares. A China não fez amigos fazendo isso, seja no Ocidente ou em outros lugares. Em vez disso, adquiriu a reputação de fonte não confiável. Se Pequim voltasse a buscar um aumento nas exportações por qualquer motivo, poderia encontrar compradores menos entusiasmados do que se tivesse ignorado seus planejadores e, seguindo os sinais do mercado, tivesse aumentado a produção.

A história da carne suína chinesa começa um pouco antes. Em 2018, a China consumiu cerca de metade da carne suína do mundo, um alimento básico da dieta chinesa. Além de sua própria produção, a China importou cerca de 17% da oferta global. Quando a peste suína asiática forçou a China a abater cerca de 40% de seu rebanho suíno, os preços dispararam em todo o mundo. Outras economias responderam mudando para outros alimentos e iniciando o processo de crescimento de seus rebanhos.

A China voltou-se novamente para a política comercial. O país cortou suas tarifas de importação de carne suína de 12% para 8%, dobrando suas importações, mas no processo retardou a reconstrução da produção doméstica. Eventualmente, a China reconstruiu seu rebanho, quando Pequim retornou as tarifas de carne suína para 12%.

Qualquer um que tenha respondido à necessidade imediata da China ficou com carne de porco da qual ela não poderia se livrar, exceto a preços com desconto e um desejo intenso de repensar qualquer compromisso renovado com a China.

Se a China fosse uma economia baseada no mercado, seus líderes empresariais tomariam decisões de longo prazo sobre o que querem com seus parceiros comerciais. Se a China fosse uma nação menos orientada para o comando, Pequim consideraria os interesses domésticos ao tomar decisões políticas. Mas é uma economia planejada de cima para baixo que não aceita reclamações de ninguém. Seus líderes e estrategistas não dão atenção às relações comerciais nem consideram as queixas de interesses domésticos.

Se a China fosse uma economia pequena, como já foi, a ausência de tais moderadores na política comercial teria pouco efeito sobre seus parceiros comerciais. Mas a China não é uma economia de mercado, nem pequena.

As mudanças repentinas em que Pequim se envolve têm um impacto profundo sobre os outros. Reconhecendo tudo isso, os líderes da maioria dos outros países reconsiderariam seu envolvimento no comércio chinês se dessem atenção às consequências de longo prazo. A abordagem de Pequim está prejudicando as perspectivas econômicas de longo prazo da China.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva
David Stillwell, é um general de brigada americano reformado. De 2011 a 2013 ele foi diplomata na embaixada ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >