Twitter e Facebook expõem campanha de influência chinesa contra manifestantes de Hong Kong

Por Cathy He, The Epoch Times

O Twitter e o Facebook disseram que desmantelaram uma operação de informação chinesa apoiada pelo Estado em suas plataformas, que procurava minar os protestos em Hong Kong, em 19 de agosto.

O Twitter disse em um post no blog que suspendeu 936 contas originárias da China continental que estavam “intencionalmente e especificamente tentando semear a discórdia política em Hong Kong, incluindo minar a legitimidade e as posições políticas do movimento de protesto no local”.

No fim de semana, mais de 1,7 milhão de moradores de Hong Kong protestaram pacificamente contra a crescente influência do regime chinês na cidade. Os protestos em massa começaram há quase três meses em oposição a uma lei de extradição, agora suspensa, que permitiria que as pessoas fossem transferidas para o continente para julgamento em tribunais controlados pelo Partido Comunista Chinês. Desde então, os protestos expandiram-se para incluir pedidos mais amplos de democracia e uma investigação sobre o uso da força policial durante as manifestações.

“Com base em nossas investigações intensivas, temos evidências confiáveis para sustentar que essa é uma operação coordenada pelo Estado. Especificamente, identificamos grandes grupos de contas se comportando de maneira coordenada para amplificar mensagens relacionadas aos protestos de Hong Kong”, afirmou o Twitter.

O regime chinês, através de declarações oficiais e meios de comunicação estatais, tem consistentemente procurado difamar os manifestantes em Hong Kong, descrevendo-os como criminosos que precisam de punição, enquanto aplaudem as ações da polícia de Hong Kong.

O Twitter disse que muitas das contas que espalham as informações enganosas foram acessadas pelo Twitter através de redes virtuais privadas – programas comumente usados para contornar o bloqueio da internet na China, fazendo parecer que um usuário está localizado fora da China. Na China, todos os usuários on-line só podem acessar uma versão censurada da internet, um conteúdo “sensível” é considerado pelo regime chinês como uma ameaça à sua autoridade.

A empresa acrescentou que algumas contas usavam “endereços IP específicos desbloqueados” originários da China continental para acessar o Twitter.

Além das 936 contas ativas, o Twitter também segmentou uma “rede de spam” maior, de cerca de 200.000 contas que foram suspensas antes de se tornarem ativas na plataforma.

Ao mesmo tempo, o Twitter anunciou que não permitiria mais publicidade de todos os meios de comunicação controlados pelo Estado.

A empresa não especificou nenhum canal de notícias, mas disse que a política se aplica a equipamentos “controlados financeira ou editorialmente pelo Estado”. O Twitter esclareceu que a política não se aplica a entidades financiadas por contribuintes, como emissoras públicas independentes.

No mesmo dia, o Facebook disse em um post que removeu várias páginas, grupos e contas de uma pequena rede originária da China que usava “táticas enganosas” para postar sobre os protestos em Hong Kong.

“As pessoas por trás dessa campanha se envolveram com o uso de contas falsas – algumas das quais já haviam sido desativadas por nossos sistemas automatizados – para gerenciar páginas que se apresentam como organizações de notícias, publicar em grupos, divulgar seu conteúdo e também direcionar pessoas para sites de notícias fora da plataforma”, de acordo com o comunicado, atribuído a Nathaniel Gleicher, chefe de política de segurança cibernética do Facebook.

Gleicher acrescentou que, embora “as pessoas por trás dessa atividade tentassem esconder suas identidades, nossa investigação encontrou conexões com  indivíduos associados ao governo chinês”.

A empresa informou que realizou a investigação interna após receber uma denúncia do Twitter.

A postagem do blog incluiu exemplos de conteúdo publicado no Facebook que violaram suas políticas.

Uma publicação do Facebook revela uma imagem justapondo os manifestantes de Hong Kong com os combatentes do ISIS, com o texto em chinês “Qual é a diferença?”

Outra publicação mostra uma imagem de manifestantes alteradas por photoshop para se parecerem com baratas, com o texto chinês “Soldados Baratas”. O líder de um grande sindicato de polícia de Hong Kong rotulou os manifestantes de “baratas”, um apelido depreciativo que tem sido repetido pela mídia do regime chinês para difamar os manifestantes.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

 
 
 

Em meio a protestos, Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia

Em meio a protestos, Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia
O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou hoje (10), em um pronunciamento transmitido a partir da cidade de Cochabamba, sua ...
Leia Mais >
 

Itamaraty apoia novas eleições na Bolívia e expõe profunda preocupação com fraude

Itamaraty apoia novas eleições na Bolívia e expõe profunda preocupação com fraude
Por Davi Soares, Diário do Poder Antes do anúncio da renúncia de Evo Morales ao cargo de presidente ...
Leia Mais >
 

MTur abre credenciamento para agências receberem turistas chineses

MTur abre credenciamento para agências receberem turistas chineses
As inscrições para agências de viagens brasileiras receberem turistas chineses começa nesta terça-feira (5), segundo informações do Ministério ...
Leia Mais >
 

Câmara Legislativa do DF instala sistema de energia fotovoltaica

Câmara Legislativa do DF instala sistema de energia fotovoltaica
A Câmara Legislativa do Distrito Federal finaliza a instalação de um parque de geração de energia solar. Com ...
Leia Mais >