Tudo pronto para a desvalorização do peso mexicano

Por Fergus Hodgson, Epoch Times

Quando Gloria Álvarez é paga em pesos mexicanos, ela converte tudo o que pode em quetzales guatemaltecos. Co-autora de “O engano populista“, ela conhece a história da América Latina e a vê repetir-se no México sob a presidência de Andrés Manuel López Obrador (AMLO).

Dentro de uma nação mergulhada na corrupção e no crime, o Banco do México tem sido relativamente responsável e estável nos últimos anos, pelo menos para os padrões regionais. O México sofreu severas crises cambiais nas décadas de 1980 e 1990. No entanto, o Índice de Preços ao Consumidor mostra uma inflação abaixo de 10% para todo o século XXI.

Isso vai mudar, já que AMLO prometeu a lua em sua coalizão eleitoral socialista. O banco central estará sob enorme pressão para financiar sua ampla e destrutiva agenda, que já está cobrando seu preço.

Rodas em movimento de um trem em colisão

Mesmo antes de assumir o cargo em 1º de dezembro de 2018, AMLO cancelou um projeto de US$ 13 bilhões para a construção de um aeroporto para a capital do país, do qual um terço já havia sido construído. Ele acentuou a incerteza do governo e levou os investidores a fugir e votar com os pés, de acordo com a Bloomberg.

Ele tentou reprimir o roubo de combustível, como já se imaginava que faria, fechando as linhas de distribuição em todo o país. Sem pensar muito sobre a prática, isso gerou escassez e longas filas. A falta de gasolina disponível também paralisou os aeroportos.

Em vez de se desculpar e recuar, AMLO culpou os motoristas por encher demais seus tanques, algo que qualquer pessoa racional faz quando faltam suprimentos. Com as nuances do venezuelano Hugo Chávez, sua atitude é de alguém que pode dizer e fazer o que quiser e simplesmente transferir a responsabilidade.

O fiasco do gasoduto foi apenas um aquecimento para o analfabetismo econômico e seus instintos autoritários. Se ele cumprir a promessa de campanha e congelar os preços da gasolina por três anos, podemos esperar o caos no México.

Álvarez não é a única que percebeu o perigo ameaçador, para a livre iniciativa, que representa AMLO. O banco central reduziu as previsões de crescimento para os próximos dois anos e expressou preocupação com os ratings da dívida pública.

Na segunda-feira, a petrolífera estatal Pemex sofreu um rebaixamento no rating de crédito da agência Standard and Poor’s de B- para BB-, o que significa que está apenas um nível acima do 17º das “grandes incertezas no futuro”. Isso ocorreu depois de uma queda dupla no rating da Fitch para BBB- e uma mudança na perspectiva nacional que passou de negativo para estável. A Pemex perdeu 7,6 bilhões de dólares em 2018, o que elevou sua dívida para 106 bilhões de dólares e sugere que um resgate pode ser necessário.

Enquanto isso, AMLO afirma que as agências de classificação de risco estão punindo o México por causa das políticas “neoliberais” de seu antecessor. Este vácuo pejorativo é um grito de guerra dos socialistas na América Latina, e espera-se que AMLO o use cada vez mais. Sua administração está ameaçando as tarifas aplicadas aos Estados Unidos e dando prioridade aos direitos trabalhistas dos sindicatos sobre a conclusão do acordo comercial T-MEC.

O Banco Central assumirá a responsabilidade

Em geral, há três maneiras de financiar um governo, como explica o economista do Instituto Cato, George Selgin: impostos, dívida e expansão monetária. Quando não há vontade política suficiente para tributar diretamente as pessoas, os funcionários do governo podem tentar compensar o resto emitindo títulos. Se poucos credores estiverem dispostos, o banco central pode assumir a compra dos títulos e expandir a oferta monetária.

Este último curso leva previsivelmente à inflação — um maior custo nominal de vida — e à desvalorização da moeda. Portadores de dinheiro e trabalhadores com renda fixa sofrem uma diminuição em seu poder de compra real e pagam o que equivale a um imposto disfarçado.

Aqui encontramos um padrão familiar, que levou à atual crise monetária na Argentina. O peso perdeu mais da metade de seu valor no ano passado em relação ao dólar norte-americano.

Ingredientes específicos contribuem para o recurso de expansão monetária. Estes incluem (1) um Estado inchado que requer maiores gastos, (2) uma economia mais fraca e menores receitas fiscais, e (3) uma diminuição da confiança internacional.

O segundo e o terceiro agravam-se mutuamente em uma espiral descendente e pressionam os governos a depender cada vez mais do imposto inflacionário. Perturbações externas, como a queda na demanda de exportação, também podem ampliar uma situação por si só vulnerável. Uma estudante de economia e blogueira da Irlanda do Norte, Louise Burke, aponta que o aumento nos preços do petróleo provocou a inadimplência do México em 1982, ao mesmo tempo em que outros países latino-americanos entraram em recessão. No entanto, os mexicanos sofreram mais do que os outros graças aos gastos insustentáveis e à manipulação comercial, conhecidos como substituição de importações.

Evitar que a história se repita

Steve Hanke, da Universidade Johns Hopkins, acredita que a tentação de imprimir déficits é grande demais para os bancos centrais da América Latina. Na maioria dos casos, favorece a abolição de suas moedas e a adoção de uma outra, relativamente mais sólida, como fizeram o Equador e o Panamá com o dólar norte-americano.

A próxima melhor alternativa é um sistema de conselhos monetários, que sujeita as atividades dos bancos centrais à estabilidade de preços ao se vincular a uma moeda estrangeira. A Guatemala também tomou a sábia decisão de banir todos os empréstimos do banco central para o Estado. Dá para imaginar como essas estratégias são populares entre os políticos com projetos preferenciais. AMLO, por exemplo, quer um trem maia de 8.000 milhões de dólares que percorra sítios arqueológicos.

Revelando sua capacidade de fantasiar, ele não prometeu mais dívidas ou mais impostos. A dívida nacional do México cresceu 400% entre 2007 e 2017, e continua sua trajetória ascendente rumo a US$ 1 trilhão, de modo que ainda é preciso ver como ele planeja reverter essa situação. O aumento do salário mínimo e a entrega de 2,6 milhões de bolsas universitárias para jovens desempregados pressionam na direção oposta.

A economia e o peso mexicano estão pendurados por um fio, agora só resta saber se AMLO vai concretizar ou não sua plataforma. Os primeiros sinais sugerem que sim, e os mexicanos já estão sentindo a destruição.

Fergus Hodgson é fundador e editor executivo da publicação de inteligência latino-americana Antigua Report. Também é editor itinerante da Gold Newsletter e pesquisador associado do Frontier Center for Public Policy

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Epoch Times

 
 
 

Bolsonaro comemora entrada de empresa aérea europeia no Brasil

Bolsonaro comemora entrada de empresa aérea europeia no Brasil
O presidente Jair Bolsonaro retuitou neste sábado (18) um post do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. No texto, ...
Leia Mais >
 

Debate sobre projeto que tipifica “crime de ódio” gera polêmica em comissão

Debate sobre projeto que tipifica “crime de ódio” gera polêmica em comissão
O deputado Carlos Veras (PT-PE) anunciou, nesta terça-feira (14), que buscará o consenso em seu relatório sobre o ...
Leia Mais >
 

O negócio multibilionário de contrabando de pessoas e drogas para os EUA na fronteira com o México

O negócio multibilionário de contrabando de pessoas e drogas para os EUA na fronteira com o México
Enormes quantias de dinheiro estão fluindo diretamente para os cofres dos cartéis mexicanos e para as organizações de ...
Leia Mais >
 

Anatel confirma licitação para tecnologia 5G no primeiro trimestre de 2020

Anatel confirma licitação para tecnologia 5G no primeiro trimestre de 2020
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) confirmou a licitação para a quinta geração de telefonia móvel, o chamado ...
Leia Mais >