Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin – Capítulo 22

Os dias de Jiang Zemin estão contados. É apenas uma questão de quando, e não se, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês será preso. Jiang governou oficialmente o regime chinês por mais de uma década, e por outra década ele foi o mestre das marionetes nos bastidores que freqüentemente controlava os eventos. Durante essas décadas, Jiang causou danos incalculáveis à China. Neste momento, quando a era de Jiang está prestes a terminar, o Epoch Times republica em forma de série “Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin”, publicado pela primeira vez em inglês em 2011. O leitor pode vir a compreender melhor a carreira desta figura central na China de hoje.

Capítulo 22:  Sob fogo de todos os lados, Jiang publica uma biografia enganosa enquanto os nove comentários provocam uma tempestade (2004-2005)

1. Sob fogo de todos os lados

Uma investigação sobre a história de Jiang e relações suspeitas

Era a véspera do Ano Novo Chinês em 2004. O Festival de Gala do Festival da Primavera da CCTV estava acontecendo como de costume, com os anfitriões falando a plenos pulmões e os artistas se preparando para fazer o público rir. No entanto, Jiang Zemin não gostou. Embora nos anos anteriores o ato de Song Zuying sempre tivesse liderado o show, naquele ano ele foi relegado ao final do programa; isso era um sinal de que Jiang, que supostamente teve um caso com a cantora, estava perdendo sua influência.

Para piorar as coisas, até mesmo o público em geral estava começando a desafiar abertamente a autoridade de Jiang.

Em 21 de fevereiro de 2004, o Sr. Lu Jiaping, um acadêmico de Pequim, que também era membro da Sociedade de Pesquisa Chinesa sobre a História da Segunda Guerra Mundial, escreveu uma carta aos membros do Comitê Central do PCC, ao Congresso Nacional do Povo (NPC) e à Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC). Ele os incentivou a investigar algumas histórias sobre Jiang que ele tinha ouvido. Em sua carta, Lu descreveu em detalhes vários escândalos relacionados ao relacionamento entre Jiang e Song Zuying. Por exemplo, ele descreveu como Jiang certa vez colocou um bilhete nas mãos de Song, como ele disse a Song para se divorciar, como ele havia cometido adultério com Song secretamente, como ele havia usado fundos do estado para realizar concertos para Song em Viena e Sydney, como ele desviou dinheiro das despesas da Marinha para realizar um concerto dramático para Song, e como Jiang havia usado três bilhões de yuans para construir o Grande Teatro para agradar a Song.

Lu não discutiu apenas a vida privada de Jiang, no entanto. Já em 26 de março de 2003, Lu endereçou uma carta a Hu Jintao e os outros oito membros do Comitê Permanente do Politburo do PCC, com cópias de carbono enviadas aos principais ministérios e comissões diretamente sob o Conselho de Estado. Em sua carta, Lu pediu aos líderes que investigassem oficialmente a história política de Jiang. Coincidentemente, meio ano depois, Wu Jiang, presidente do ramo francês do Partido Democrático da China, escreveu um relatório de pesquisa de cinco páginas no qual citava as memórias de um ex-oficial da agência de inteligência soviética e apontou que Jiang tinha sido um espião sênior da KGB. Quando estudou em Moscou na década de 1950, Jiang secretamente ingressou no KGB Far-East Bureau depois que a agência de inteligência soviética ameaçou tornar pública sua história de traição e o tentou com mulheres e dinheiro. Jiang foi responsável por coletar informações sobre estudantes chineses na União Soviética e na China.

Depois que Lu Jiaping enviou a carta acima, Jiang retaliou contra ele e ele desapareceu por três dias. Mais tarde, um ultimato apareceu em um quadro de avisos da Internet. Alegando que, se Lu Jiaping não fosse solto, um vídeo mostrando a promiscuidade de Jiang e Song Zuying seria publicado online. Surpreendentemente, Lu foi libertado um dia após a postagem desta mensagem anônima, indicando que a postagem atingiu Jiang. Independentemente disso, a postagem em si levanta a questão de como alguém foi capaz de gravar o encontro clandestino de Jiang com Song com qualidade “absolutamente profissional” se eles tivessem se encontrado em um local secreto, que eles tinham certeza de que era absolutamente seguro. Quem eram essas pessoas que ousaram desafiar Jiang quando ele ainda não havia renunciado totalmente?

Em maio de 2004, um novo fenômeno chamado “Pisando em Jiang” apareceu no exterior. Isso envolveu pisar em uma foto do rosto de Jiang como uma forma de expressar descontentamento e frustração com suas políticas. Em 1º de julho, meio milhão de pessoas desfilaram em Hong Kong para defender a democracia e a liberdade no território e protestar contra as tentativas de alterar a Lei Básica. Entre os banners e cartazes que carregavam, havia alguns que mostravam pessoas “pisando em Jiang”. Durante e após o desfile, muitos transeuntes juntaram-se às atividades de “pisar em Jiang”. Zeng Qinghong relatou esta notícia a Hu Jintao, esperando que ele a considerasse uma informação significativa e tomasse medidas para impedi-la. No entanto, Hu respondeu: “Deixe que as pessoas cuidem de seus problemas sozinhas!” Ao ouvir a resposta de Hu, Zeng ficou sem palavras.

Carta aberta de Jiang Yanyong e o “VCD do Massacre de Tiananmen”

Em fevereiro de 2004, o Dr. Jiang Yanyong, que era bem conhecido por ter tornado pública a disseminação da SARS no ano anterior, escreveu uma carta aberta ao NPC e à CCPPC. Na carta, ele pediu a esses órgãos que abordassem e investigassem o fim calamitoso do movimento estudantil pró-democracia de 1989. A carta foi posteriormente espalhada amplamente pela Internet.

Em sua carta, o Dr. Jiang relembrou o que testemunhou durante o verão de 1989. Na época, o Dr. Jiang era o chefe do departamento de cirurgia geral do Hospital do Exército de Libertação do Povo número 301. Como resultado, ele tratou pessoalmente dos feridos no Massacre na Praça Tiananmen. Em sua carta, ele descreveu em detalhes várias mortes que testemunhou. Ele também confirmou que o exército realmente havia disparado projéteis com altos explosivos (algo proibido pela Convenção de Genebra) para matar estudantes e residentes em Pequim em 4 de junho de 1989.

O Massacre na Praça Tiananmen foi o calcanhar de Aquiles de Jiang Zemin, então ele rapidamente sequestrou e deteve o Dr. Jiang Yanyong. No entanto, Jiang Zemin não era mais tão poderoso quanto antes. Oficiais do alto escalão do PCC e do exército estavam muito descontentes com Jiang por ter prendido Jiang Yanyong, dada a reputação internacional deste último após a exposição à SARS. Assim, Jiang logo teve que liberar o médico.

O massacre no Tiananmen continuou a preocupar Jiang Zemin. Quanto menos poder ele tinha, mais preocupado ele ficava. Antes do 15º aniversário do massacre no verão de 2004, o Departamento Central de Propaganda fez um VCD sobre o incidente de acordo com as instruções de Jiang. Todos os funcionários acima do nível de ‘diretor’ no Partido, o governo e os militares foram obrigados a assistir ao VCD a fim de se familiarizar com a “Perturbação de 4 de junho” e “unificar seus pensamentos”. Todas as cópias do vídeo deveriam ser “assistidas no local e levadas de volta ao local” e “era proibido salvar [cópias] para os indivíduos”. Li Peng queria escrever um livro de memórias, mas não foi permitido. Portanto, era bastante incomum que Jiang publicasse um vídeo sobre o massacre naquela época.

Alguns analistas explicaram que Jiang sabia que tinha uma história inglória e subiu ao poder, o que o deixou especialmente temeroso de que outros expusessem seu papel no massacre. Assim, seu objetivo ao fazer o vídeo pode ter sido o de encobrir o papel que desempenhou no massacre. A produção do vídeo “4 de junho” indicou a difícil situação de Jiang quando seu poder diminuiu. Ele teve que se preocupar em cavar seu próprio caminho para fora e, portanto, tentou ganhar a vantagem circulando uma versão censurada do evento logo no início.

Veteranos das Forças Armadas invadem Zhongnanhai

Em 26 de agosto de 2004, mais de 300 veteranos do 39º Corpo do Exército romperam os portões de Zhongnanhai e entraram no complexo governamental rigidamente vigiado. Eles usavam suas medalhas e carregavam uma coroa de flores, que disseram ter sido feita para Jiang Zemin.

Invadir Zhongnanhai teria sido inconcebível no passado. Qualquer um que tentasse fazer isso teria sido executado no local. Nesse caso, entretanto, muitos dos veteranos haviam sido comandantes famosos da Segunda Coluna do Exército de Campo do Nordeste. Os guardas do complexo reconheceram alguns de seus rostos e não ousaram usar força imprudente para impedir sua entrada.

Os veteranos pediram que fosse resolvida a questão de saber se o Partido deveria liderar o exército ou vice-versa. Aparentemente, eles queriam que Jiang renunciasse ao comando das Forças Armadas. O secretário de Hu Jintao, Wang Wei, saiu pessoalmente para se encontrar com eles e cuidadosamente os acalmou.

O fato de que mais de 300 ilustres veteranos iriam e poderiam invadir Zhongnanhai para entregar uma coroa de flores a Jiang, que na época ocupava o cargo de presidente da Comissão Militar do Partido Comunista, mostrava que Jiang estava perdendo seu poder e status entre os militares. O fato de Hu Jintao enviar seu secretário para encontrar os veteranos e aceitar a coroa mostrava que Hu não era mais tão dócil como antes e estava disposto a afirmar sua autoridade como chefe do Partido.

Um trem especial com segurança rígida

Jiang nunca confiou totalmente nas pessoas ao seu redor. Cada vez que ele promovia um grupo de pessoas, ele logo começava a duvidar de sua lealdade e a procurar o próximo grupo de pessoas para nomear em seu lugar. Como resultado, Jiang promoveu um grande número de generais: certa vez, ele promoveu 152 generais em um dia e 500 generais em um único ano. Apesar de haver tantos generais em dívida com ele por suas posições, Jiang não sentiu nenhuma sensação de segurança durante os momentos críticos em que precisava de proteção.

Jiang não se atreveu a viajar de avião porque temia que alguém colocasse uma bomba em sua aeronave. Assim, a partir do início de 2004, Jiang viajava em um trem particular sempre que ia inspecionar atividades ou bases em outras cidades. Seu trem particular foi feito sob medida com dois motores de combustão interna. Os compartimentos foram importados da Alemanha e posteriormente reformados e reforçados. Um dos compartimentos estava equipado com o sistema de comunicações eletrônicas mais avançado disponível para que Jiang pudesse dar ordens em caso de uma “guerra inesperada”. Cada vez que Jiang pegava o trem, ele insistia em que fosse inspecionado minuciosamente por dentro e por fora antes de embarcar. A inspeção era conduzida sob os olhos vigilantes de seu assessor de maior confiança e, após sua conclusão, todo o veículo foi lacrado e guardado por soldados.

Jiang foi para a cidade de Kaifeng, na província de Henan, no início de julho de 2004. Temendo uma tentativa de assassinato, Jiang instruiu sua equipe a espalhar o boato de que era Hu Jintao quem estava chegando. Depois que Jiang chegou a Kaifeng, ele não se hospedou nos luxuosos hotéis locais, mas decidiu dormir na casa de hóspedes do remoto complexo do 20º Corpo de Exército. Em meados de julho, Jiang viajou do Comando da Área Militar de Jinan para a cidade de Wuhan, a fim de inspecionar estabelecimentos militares na China central. No entanto, quando seus assessores de confiança relataram que a unidade do exército estacionada na área havia se movido inesperadamente, Jiang saiu apressado.

Naquele mesmo mês, Jiang seguiu para o sul no trem para Hanzhou, passando por Nanjing e Xangai ao longo do caminho. Ele temia uma explosão semelhante à que ocorreu em uma estação de trem na Coreia do Norte após a visita secreta do governante Kim Jong-il à China. [1] Assim, a fim de se proteger contra qualquer pessoa que tente colocar algo ao longo da rota ou afrouxar os trilhos da pista, Jiang ordenou que os policiais fossem posicionados a cada 20 metros (aproximadamente 66 pés) ao longo da linha em que ele deveria viajar. Os guardas cobriam os turnos noturno e diurno para que pudesse haver alguém de plantão 24 horas por dia, desde o dia anterior à viagem de Jiang até três horas após a passagem do trem.

Família de Deng Xiaoping revela um grande segredo

Hu Jintao foi nomeado pessoalmente por Deng Xiaoping [para ser o sucessor de Jiang]. Depois que ele assumiu os cargos de Secretário Geral do PCC e Presidente do estado, ele gradualmente consolidou seu poder. A rivalidade entre Jiang e Hu tornou-se cada vez mais conflituosa a cada dia que passava.

À medida que se aproximava a 4ª Reunião Plenária do 16º Congresso Nacional do Partido, agendada para setembro de 2004, Jiang promoveu um grande número de oficiais nas forças armadas. Ele também viajou a muitos lugares para supervisionar manobras e exercícios militares em grande escala, afirmando assim sua autoridade e demonstrando sua relutância em abrir mão de seu poder sobre os assuntos militares.

Além da reunião plenária que se aproximava, 22 de agosto foi o 100º aniversário do nascimento de Deng Xiaoping. Durante esse tempo, várias facções da elite governamental começaram a divulgar suas posições em relação à rivalidade entre Hu-Jiang.

Em 28 de julho de 2004, a CCTV transmitiu uma entrevista especial com membros da família de Deng Xiaoping, que comentaram que Deng Xiaoping não havia interferido na administração dos negócios da geração mais jovem. O comportamento de Deng foi, portanto, contrastado com a recusa de Jiang em desistir de seu poder e seu desejo de manter sua posição nas forças armadas. Os altos funcionários da China estão muito relutantes em realizar atos abertos que levem a confrontos públicos. A declaração sutil, mas ousada da família de Deng mostrou como eles, assim como muitos outros anciãos e oficiais de alta patente do Partido, não gostavam de Jiang por seu envolvimento contínuo nos assuntos de Estado.

Outro exemplo da perda de status de Jiang entre altos oficiais chineses ocorreu durante uma recepção para o “Dia do Exército”, realizada em 31 de julho. Em um discurso proferido no evento, Cao Gangchuan, Ministro da Defesa Nacional, enfatizou seu apoio a Hu Jintao, mas não mencionou Jiang, embora este também fosse seu superior. Isso indicava que o status de Hu estava aumentando não apenas entre as autoridades civis, mas também nos círculos militares.

Indice – Introdução

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 
 
 

Trump considera “seriamente” candidatura em 2024 e planeja ajudar Partido Republicano em 2022

Trump considera “seriamente” candidatura em 2024 e planeja ajudar Partido Republicano em 2022
O ex-presidente Donald Trump está focado em ajudar os republicanos a se tornarem maioria na Câmara dos Representantes ...
Leia Mais >
 

Os EUA mudam seu foco do Afeganistão para a China e retiram tropas da região

Os EUA mudam seu foco do Afeganistão para a China e retiram tropas da região
Por NTD Notícias Os EUA mudam seu foco do Afeganistão para a China e retiram tropas da região. ...
Leia Mais >
 

O que está por trás do ataque ao Epoch Times em Hong Kong? – Guo Jun | American Thought Leaders

O que está por trás do ataque ao Epoch Times em Hong Kong? – Guo Jun | American Thought Leaders
Por NTD Notícias Entrevista com Guo Jun, uma das co-fundadoras do Epoch Times e a diretora da edição ...
Leia Mais >
 

O que está por trás do ataque ao Epoch Times em Hong Kong? – Guo Jun | American Thought Leaders

O que está por trás do ataque ao Epoch Times em Hong Kong? – Guo Jun | American Thought Leaders
Por NTD Notícias Entrevista com Guo Jun, uma das co-fundadoras do Epoch Times e a diretora da edição ...
Leia Mais >