Trump: Estados Unidos está pronto para fazer um “acordo real” com o Irã

Por Petr Svab, Epoch Times

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, expressou disposição em se envolver com a liderança iraniana dois dias depois de pressionar contra a retórica ameaçadora do presidente iraniano.

“Eu retirei os Estados Unidos do horrível acordo nuclear iraniano. E o Irã não é mais o mesmo país, isso eu posso dizer. E nós vamos ver o que acontece. Mas estamos prontos para fazer um acordo real, não o acordo que foi feito pelo governo anterior, que foi um desastre ”, disse Trump em 24 de julho na convenção nacional dos Veteranos de Guerra Estrangeira em Kansas City.

A observação vem depois que o presidente iraniano, Hassan Rouhani, disse no domingo que Trump não deveria “brincar com a cauda do leão” ou “se arrependerá”. Trump respondeu no Twitter dizendo que Rouhani deveria “nunca, jamais ameaçar os Estados Unidos novamente” ele “sofrerá consequências como as que poucos ao longo da história já sofreram antes”.

Rouhani não respondeu, embora seu secretário de Relações Exteriores, Javad Zarif, tenha chamado o comentário de Trump de “arrogância” no Twitter e o porta-voz de Zarif chamou de “guerra psicológica”, informou a agência de notícias ISNA, patrocinada pelo governo iraniano.

A administração Trump aumentou sua pressão sobre o regime islâmico do Irã nos últimos meses.

Em maio, Trump abandonou o acordo com o Irã, que foi assinado pelo ex-presidente Barack Obama, pelos quatro membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – Rússia, China, Reino Unido, França – pela Alemanha e pela União Européia.

Sob o acordo, oficialmente conhecido como Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA), o Irã recebeu até US $150 bilhões em alívio de sanções, bem como pagamentos em dinheiro.

As duas principais preocupações que o governo Trump teve com o JCPOA foram que este incluiu as cláusulas do pôr-do-sol, que teriam permitido que o Irã instalasse centenas de centrífugas de urânio até 2026. Outra preocupação era o fato de o desenvolvimento do míssil balístico do Irã não estar coberto nos termos do acordo.

A retirada do acordo veio depois que o Irã recebeu meses de oportunidade para renegociar essas partes do acordo.

Trump desde então ordenou a imposição do “nível mais alto” de sanções, parte das quais entrará em vigor em 6 de agosto e o restante, incluindo as mais importantes sobre petróleo, energia e serviços bancários, em 4 de novembro.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, dissecou a ladainha de abusos do regime iraniano em um discurso de 22 de julho, chamando várias autoridades iranianas por nome pela corrupção, incluindo o líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei.

O Irã tem tentado salvar o acordo nuclear com os signatários remanescentes e convencê-los a manter laços comerciais, mas a violação das sanções colocaria as entidades em risco de perder o acesso ao sistema bancário dos Estados Unidos.

O presidente do Banco Europeu de Investimento, Werner Hoyer, disse na semana passada que o banco não poderá fazer negócios no Irã, já que “arriscaria o modelo de negócios do banco”.

Mais de 50 empresas internacionais já deixaram o Irã, disse Brian Hook, diretor de planejamento de políticas para o Departamento de Estado dos Estados Unidos, em um briefing de 2 de julho.

Pompeo disse anteriormente que os Estados Unidos estão dispostos a suspender novamente as sanções, mas listou 12 exigências que o regime iraniano terá que seguir primeiro, incluindo o fim de seu programa de mísseis balísticos, libertar americanos detidos e parar seu apoio a grupos e milícias terroristas, incluindo o Hezbollah, o Hamas e os Houthis, bem como retirar suas forças da Síria.

“É hora do Irã se moldar e mostrar responsabilidade como nação responsável”, disse o secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, na terça-feira, comentando o tweet de Trump. “Não pode continuar a mostrar irresponsabilidade como uma organização revolucionária que pretende exportar o terrorismo, espalhando rupturas em toda a região. Então, acho que o presidente deixou bem claro que o Iran está no caminho errado. ”

Ao mesmo tempo, a administração Trump mantém que não persegue uma mudança de regime no Irã, ou pelo menos não necessariamente.

“A única mudança que queremos é uma mudança de comportamento”, disse a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, durante a coletiva de imprensa de terça-feira.

A Human Rights Watch divulgou seu “Relatório Mundial” de 2018 na segunda-feira, criticando o Irã por abusos generalizados.

“As autoridades do aparato de segurança e o judiciário iraniano continuaram a atacar jornalistas, ativistas de mídia online e defensores dos direitos humanos em uma ofensiva que mostrava descarada desconsideração pelos padrões legais internacionais e domésticos”, afirmou o relatório, listando mais transgressões contra religiosos e outras minorias. 

Pompeo publicou um artigo na terça-feira nos Estados Unidos, pedindo o fim da perseguição religiosa em vários países, listando o Irã primeiro.

“Centenas de muçulmanos sufis no Irã continuam presos por conta de suas crenças, com relatos de morte de vários nas mãos das brutais forças de segurança do Irã”, escreveu Pompeo. “A intolerância religiosa do regime no Irã também se aplica a cristãos, judeus, sunitas, baha’is, zoroastrianos e outros grupos religiosos minoritários que simplesmente tentam praticar sua fé”.

Os iranianos vêm protestando em massa contra seu governo nos últimos meses, gritando slogans como “nosso governo incompetente é responsável pela pobreza de nossa nação” e “morte ao ditador”.

Entre suas queixas estão a falta de água potável e a queda do preço da moeda iraniana, o rial, que antes chegava a menos de 10 mil dólares há uma década, e atualmente é avaliado em mais de 43 mil dólares. Enquanto isso, muitos iranianos compram dólares no mercado não oficial no valor de 80.000 riais.

Algumas mulheres no Irã também têm desafiado o regime ao aparecer em público sem o cabelo coberto por um hijab, o que representa um risco de punição que vai de multa até prisão.

O regime iraniano começou com uma mistura de subversão soviética e influências de Sayyid Qutb – um dos fundadores da Irmandade Muçulmana – que combinaram o socialismo com o islamismo para criar as teocracias totalitárias que desde então arrasaram o mundo muçulmano.

O Dr. Zuhdi Jasser, presidente do Fórum Islâmico Americano pela Democracia, disse ao Epoch Times, em 14 de dezembro de 2017, que o islamismo socialista de Qutb criou a idéia de “islamismo” que distorcia o conceito de sharia (lei islâmica), e defendia “Jihad ofensiva”, que deu início a muitos movimentos terroristas.

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Trump: FBI invadiu sua casa na Flórida, propriedade está ‘sob cerco’

Trump: FBI invadiu sua casa na Flórida, propriedade está ‘sob cerco’
O ex-presidente Donald Trump disse que sua casa em Mar-a-Lago na Flórida está "sob cerco" e "ocupada por ...
Leia Mais >
 

DONALD TRUMP SOBRE TENSÕES ENTRE CHINA E RÚSSIA; SEN. DOS EUA SE OPÕE A NOVOS MEMBROS DA OTAN

DONALD TRUMP SOBRE TENSÕES ENTRE CHINA E RÚSSIA; SEN. DOS EUA SE OPÕE A NOVOS MEMBROS DA OTAN
O ex-presidente dos EUA Donald Trump discursou esse final de semana na CPAC do Texas. A sede americana ...
Leia Mais >
 

Biden se diz “preocupado” com manobras da China, mas não crê em passo além

Biden se diz “preocupado” com manobras da China, mas não crê em passo além
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta segunda-feira estar "preocupado" com o uso de armas pela ...
Leia Mais >