Trump afirma que China não comprou produtos agrícolas dos EUA conforme prometido

Por Frank Fang, Epoch Times

A China, mais uma vez, não conseguiu cumprir a sua parte no acordo, frustrando as negociações comerciais em curso com os Estados Unidos.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, escreveu em seu Twitter em 11 de julho que a China está “nos decepcionando” por não comprar imediatamente mais produtos agrícolas americanos como havia sido prometido.

“Eles não estão comprando os produtos agrícolas dos nossos grandes fazendeiros que eles disseram que fariam. Espero que eles comecem em breve! ”, escreveu o presidente.

Trump e o líder chinês Xi Jinping, se encontraram em Osaka, no Japão, para a cúpula do G-20 no final de junho. Após uma reunião bilateral, Trump anunciou que uma nova rodada de tarifas seria suspensa depois que a China concordasse em fazer novas compras de produtos agrícolas nos Estados Unidos, quando os dois lados retornassem à mesa de negociações.

“A China vai comprar uma enorme quantidade de alimentos e produtos agrícolas, e eles vão começar isso muito em breve, quase que imediatamente. Vamos dar a eles listas de coisas que gostaríamos que comprassem”, disse Trump durante uma coletiva de imprensa em Osaka, no dia 29 de junho.

Trump and Xi
O presidente Donald Trump posa para uma foto com o líder chinês Xi Jinping durante uma reunião nos bastidores da cúpula do G-20 em Osaka, no Japão, em 29 de junho de 2019 (AP Photo / Susan Walsh)

Naquela época, a mídia estatal da China não informou que estaria comprando mais produtos agrícolas dos Estados Unidos. Um comunicado chinês disse apenas que: “O lado dos Estados Unidos espera que a China possa importar mais deles”.

Antes do cessar-fogo da guerra comercial, Trump ameaçou impor tarifas sobre um adicional de US$ 325 bilhões de bens manufaturados na China.

Houve um precedente da China recuar em suas promessas comerciais durante as negociações.

Em 10 de maio, US$ 200 bilhões em mercadorias chinesas ficaram sujeitas a uma nova tarifa de 25% – uma alta de 10% – depois que Trump anunciou a mudança inesperada cinco dias antes no Twitter. Em comentários subsequentes, funcionários dos Estados Unidos disseram que a China havia renegado os compromissos assumidos durante as rodadas anteriores de negociações.

Em março de 2018, uma investigação da Seção 301, conduzida pelo escritório do Representante de Comércio dos Estados Unidos, concluiu que Pequim estava envolvida em roubo patrocinado pelo Estado e na transferência forçada de propriedade intelectual dos Estados Unidos. Essa investigação levou o governo dos Estados Unidos a impor tarifas punitivas de US$ 250 bilhões em importações chinesas, precipitando a atual guerra comercial.

Na manhã de 11 de julho, o conselheiro econômico de Trump, Larry Kudlow, disse a repórteres na Casa Branca que “nossa parte espera que a China comece a comprar produtos agrícolas, commodities, produtos e serviços norte-americanos”.

Dois dias antes, Kudlow disse à CNBC que Trump queria um acordo comercial com a China, mas os problemas restantes não resolvidos entre os dois lados apresentavam uma situação “dura”.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

 
 
 

Rússia é banida da Olimpíada de 2020 e de campeonatos mundiais por esquema de doping

Rússia é banida da Olimpíada de 2020 e de campeonatos mundiais por esquema de doping
Agência Mundial Antidopagem (AMA) suspendeu a Rússia por quatro em provas internacionais como os Jogos Olímpicos ou os ...
Leia Mais >
 

Finalmente uma boa política em relação à China

Finalmente uma boa política em relação à China
Comentário Em fevereiro de 1947, o presidente dos Estados Unidos, Harry Truman, decidiu ajudar o governo grego em ...
Leia Mais >
 

Projeto de lei uigur sobre direitos humanos desencadeia outra reação de Pequim

Projeto de lei uigur sobre direitos humanos desencadeia outra reação de Pequim
A adoção de um projeto de lei que se opõe à supressão dos direitos humanos dos uigures e ...
Leia Mais >
 

Efeitos da exposição ao gás lacrimogêneo aumentam tensão em Hong Kong

Efeitos da exposição ao gás lacrimogêneo aumentam tensão em Hong Kong
Por Annie Wu, Epoch Times HONG KONG - Em um domingo de novembro, Chau saiu com sua família ...
Leia Mais >