Taiwan agradece aos líderes do G-7 pelo apoio, apesar da agressão da China

Por Frank Fang

TAIWAN – O governo de Taiwan agradeceu na segunda-feira os líderes do Grupo dos Sete (G-7) por clamarem pela paz e estabilidade no Estreito de Taiwan.

No domingo, os líderes do G-7 emitiram uma declaração altamente crítica ao regime chinês, incluindo seus abusos de direitos humanos na região remota de Xinjiang na China e em Hong Kong, e suas práticas comerciais injustas. Os líderes também enfatizaram “a importância da paz e estabilidade em todo o Estreito de Taiwan e encorajam a resolução pacífica das questões através do Estreito.”

“Continuamos seriamente preocupados com a situação nos mares do leste e do sul da China e nos opomos fortemente a qualquer tentativa unilateral de mudar o status quo e aumentar as tensões”, acrescentaram.

Em 14 de junho, a Presidente da ROC Tsai Ing-wen acessou o Twitter para expressar sua gratidão aos líderes do G-7 e sua declaração sobre Taiwan.

“Taiwan se dedica a manter um Indo-Pacífico livre e aberto e continuará a trabalhar com nossos parceiros globais para garantir a segurança regional”, acrescentou Tsai.

O vice-presidente de Taiwan, Lai Ching-te, também foi ao Twitter para dizer que foi encorajado pela declaração do G-7.

“Saudamos os esforços multilaterais de paz. Taiwan está disposta a cooperar com o G-7 e além”, escreveu Lai.

De acordo com o porta-voz do gabinete presidencial de Taiwan, Xavier Chang, foi a primeira vez que uma declaração do G-7 destacou a importância da paz e da estabilidade no Estreito de Taiwan. O grupo governamental – que tem como membros Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido – foi fundado em 1975.

China e Taiwan são separados pelo Estreito de Taiwan, que tem cerca de 80 milhas de largura em seu ponto mais estreito.

O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan saudou a declaração do G-7 em um comunicado à imprensa. Ele afirmou que Taiwan continuará a trabalhar com as nações do G-7 e países com interesses semelhantes, incluindo os da União Europeia, para manter a paz, estabilidade, prosperidade e desenvolvimento sustentável na região do Indo-Pacífico.

A relação entre Pequim e Taipei tem sido instável, principalmente porque o regime chinês considera a ilha autônoma como parte de seu território. Consequentemente, o regime comunista tentou isolar Taiwan da comunidade internacional e impedir a ilha de participar de organizações internacionais, incluindo a Organização Mundial de Saúde.

Taiwan é uma nação independente de fato com seu próprio governo, exército, constituição e moeda. Atualmente, Washington não tem laços diplomáticos oficiais com Taipei.

O regime chinês também ameaçou declarar guerra para “reunificar” a China continental e Taiwan. Diante de uma possível invasão chinesa, Taiwan tem comprado equipamentos militares de seu principal fornecedor de armas, os Estados Unidos, para sua autodefesa.

Na semana passada, o general do Exército Mark Milley, presidente da Junta de Chefes de Estado-Maior, disse em uma audiência no Senado que os Estados Unidos poderiam defender Taiwan no caso de uma invasão pelos militares chineses.

“Posso assegurar-lhes que temos as capacidades se as decisões políticas forem tomadas de acordo com a Lei de Relações de Taiwan”, explicou Milley.

Em março, o almirante Philip Davidson, então chefe do Comando Indo-Pacífico dos Estados Unidos, advertiu durante uma audiência no Senado que o regime comunista poderia invadir Taiwan nos “próximos seis anos”.

Em resposta à declaração do G-7, um porta-voz da embaixada chinesa no Reino Unido disse que outros países deveriam parar de “interferir nos assuntos internos da China” com relação a Taiwan.

Lo Chih-cheng, legislador do Partido Progressista Democrático de Taiwan, disse na segunda-feira que a China tem sido a fonte de instabilidade na região e um desafio para a paz regional, quando questionado pela imprensa local sobre o comunicado do G-7, de acordo com a Agência Central de Notícias de Taiwan, administrada pelo governo.

O legislador exortou a comunidade internacional a adotar medidas concretas para garantir a paz no Estreito de Taiwan, como o envio de frotas militares para as águas do oeste do Oceano Pacífico.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >
 

Enchentes mortíferas na China

Enchentes mortíferas na China
Por NTD Notícias O senador Marco Rubio na terça-feira disse em tuite que o fechamento do instituto Confúcio ...
Leia Mais >