Suprimindo a fé: China condena 674 praticantes do Falun Gong no primeiro semestre de 2021

A China condenou 674 praticantes do Falun Gong no primeiro semestre de 2021. A pena mais longa é de 14 anos e a vítima mais velha tem 88 anos, de acordo com estatísticas do Minghui.org.

O regime deteve os praticantes por causa de suas crenças, e os promotores os acusaram de “sabotagem da aplicação da lei”. No entanto, os tribunais não foram capazes de estabelecer uma ofensa substantiva.

Alguns juízes e promotores chineses, que sabem que os praticantes do Falun Gong são inocentes, libertaram 13 praticantes sem sentença entre janeiro e junho.

No século passado, o regime chinês mostrou pouca tolerância com a prática, e o próximo dia 20 de julho marca o 22º aniversário do início da perseguição que o regime impôs aos praticantes do Falun Gong na China.

Falun Gong é uma prática espiritual que inclui exercícios de meditação e ensinamentos morais centrados nos valores da verdade, benevolência e tolerância. De acordo com o Centro de Informações do Falun Dafa – um site com informações relacionadas ao Falun Gong – milhões de praticantes foram demitidos de seus empregos, expulsos da escola, presos, torturados ou simplesmente mortos porque se recusaram a renunciar à sua crença.

Os praticantes do Falun Gong realizam uma vigília para comemorar o 21º aniversário da perseguição ao Falun Gong na China em Taipei, Taiwan, em 18 de julho de 2020 (Minghui)

674 vítimas inocentes

674 praticantes do Falun Gong foram condenados na China apenas por suas crenças, de acordo com o Minghui.org, um site dos Estados Unidos que acompanha a perseguição ao Falun Gong.

Dentre esses praticantes, 114 têm mais de 65 anos e 16 deles têm mais de 80 anos. As sentenças de prisão são longas: 137 dos praticantes foram condenados a mais de cinco anos de prisão e outros 247 foram condenados a entre três e cinco anos de prisão.

O regime também extorquiu e multou esses praticantes condenados, totalizando quase 3,8 milhões de yuans (US$ 586.400).

Em alguns casos, os juízes não permitiram que os praticantes contratassem um advogado de defesa ou mesmo permitiram que eles se defendessem. Em outros casos, os promotores não puderam argumentar com os advogados de defesa, mas os juízes continuaram a condenar os praticantes à prisão.

Cui Ren e Li Nan, dois juízes do condado de Lishu, cidade de Siping, no nordeste da província de Jilin da China , não permitiram que advogados de defesa representassem os praticantes do Falun Gong. Eles disseram aos advogados: “Vocês podem abrir processos contra nós em qualquer tribunal ou governo. A Comissão de Assuntos Políticos e Jurídicos [CAPL] é o chefão [que me apoia] ”.

O CAPL é uma organização semelhante à Gestapo na China. Supervisiona e orienta o funcionamento dos tribunais, procuradores, segurança pública, segurança nacional e administrações judiciais.

Os praticantes do Falun Gong participam de um desfile para comemorar o 20º aniversário da perseguição ao Falun Gong na China, em Washington em 18 de julho de 2019 (Samira Bouaou / The Epoch Times)

Sete membros de uma família

Cui e Li são os juízes que sentenciaram secretamente sete membros de uma família à prisão em setembro de 2020, foram libertados em março.

Fu Guihua, 55, tinha uma família harmoniosa em Lishu. Ela e suas duas filhas, dois genros e parentes praticam o Falun Gong. Por terem a mesma crença, os membros da família podem se entender.

Em 15 de agosto de 2019, os policiais lançaram uma campanha de perseguição em grande escala visando todos os praticantes do Falun Gong no condado. Fu e seus outros 10 parentes foram detidos. Seu marido, que não pratica o Falun Gong, também foi detido no centro de detenção. A filha mais nova de Fu, Yu Jianping, e o bebê de 3 meses de Jianping foram detidos em sua casa.

Depois de pagar as taxas de detenção, o marido de Fu e a sogra de Jianping foram libertados.

Em março, o Minghui.org recebeu informações de fontes confiáveis ​​de que os outros sete membros da família de Fu foram condenados à prisão. Especificamente, Fu e Meng Xiangqi, marido de Jianping, 37, foram condenados a sete anos e meio de prisão. A filha mais velha de Fu, Yu Jianli, 30, o marido de Jianli, Wang Dongji, os pais de Dongji, Wang Kemin e Wang Fengzhi, e o sogro de Jianping, Meng Fanjun, 59, foram condenados a sete anos de prisão.

Praticantes da disciplina espiritual Falun Gong realizam um desfile em Nova Iorque para celebrar o Dia Mundial do Falun Dafa e protestar contra a perseguição ao grupo pelo Partido Comunista Chinês na China em 13 de maio de 2020 (Larry Dai / Epoch Times)

Um homem de 82 anos perde sua propriedade e sua liberdade

Li Dengchen é um professor aposentado que mora na cidade de Baishu, cidade de Shenzhou, província de Hebei no norte da China. Ele tem 82 anos, goza de ótima saúde depois de praticar o Falun Gong por décadas e mantém um bom relacionamento com seus vizinhos.

No entanto, Li, conhecido pelos vizinhos como uma “pessoa simpática”, foi condenado a 10 anos de prisão em janeiro depois de ser retirado de sua casa.

Policiais invadiram a casa de Li sem permissão em 22 de outubro de 2018. Eles invadiram a casa, levaram cerca de 150.000 yuans (US$ 23.200) em bens pessoais e detiveram Li apenas porque ele se recusou a renunciar à sua crença, de acordo com o Minghui.org .

Um médico da prisão diagnosticou hipertensão em Li e o liberou porque o médico temia que ele pudesse morrer na prisão.

Em 23 de novembro de 2018, os policiais detiveram Li novamente e o torturaram no centro de detenção até abril de 2019, quando Li ficou muito doente e foi enviado para uma unidade de terapia intensiva em um hospital local.

Em janeiro, quando Li se recuperou totalmente da tortura, os policiais o detiveram novamente e o prenderam na prisão de Baoding.

Policiais pedem a jornalistas que fiquem longe do Segundo Tribunal Popular Intermediário de Pequim, em Pequim, China, em 22 de março de 2021 (Nicolas Asfouri / AFP via Getty Images)

Motorista inocente

Ma Zhiwu, 50, mora na província de Ningxia, no noroeste da China. Ele era motorista da agência ferroviária local, mas perdeu o emprego depois que o regime chinês começou a perseguir o Falun Gong em 20 de julho de 1999.

Em 2 de janeiro, Ma foi condenado a 14 anos de prisão com uma multa de 30.000 yuans (US$ 4.630) por se recusar a renunciar à sua crença, mesmo depois de ter sido torturado na prisão por 12 anos, informou o  Minghui.org. O advogado de defesa de Ma disse à fonte do Minghui que o regime decidiu condenar Ma a mais de dez anos, independentemente de ele ter cometido algum crime.

Ma foi enviado para um campo de trabalhos forçados por três anos quando sua esposa estava grávida de sua filha, apenas porque ela insistiu em sua crença. Dois anos depois, sua esposa foi presa e sua filha de dois anos foi levada à custódia da polícia. Quando Ma fez uma greve de fome para protestar contra a detenção ilegal, o tribunal local o sentenciou a seis anos de prisão nos dois anos seguintes à sua prisão no campo de trabalho forçado.

Em 2010, Ma foi detido novamente e condenado a três anos e meio de prisão. Após sua libertação em 2014, os policiais não pararam de tentar forçar Ma a renunciar à sua fé e continuaram a tentar prendê-lo.

Durante sua detenção, Ma sofreu torturas brutais, incluindo espancamentos, sentar em um banquinho por longas horas todos os dias durante um ano e meio, agressões sexuais e congelamento. Ele tinha um rim esquerdo ferido, uma costela quebrada, sangue na urina, suas pernas estavam muito inchadas e machucadas e ele não conseguiu ficar de pé por meses.

Os praticantes do Falun Gong participam de um desfile em Flushing, Nova York, em 18 de abril de 2021, para comemorar o 22º aniversário do apelo pacífico de 25 de abril de 10.000 praticantes do Falun Gong em Pequim (Larry Dye / The Epoch Times)

Nos últimos 22 anos, a perseguição que o regime chinês impôs aos praticantes do Falun Gong resultou em muitas vítimas para serem expostas aqui e tem sido muito brutal para ser mencionada.

Em 2019, um tribunal popular independente em Londres confirmou que o regime havia realizado a extração forçada de órgãos “em uma escala significativa” e que os praticantes do Falun Gong presos eram “provavelmente a principal fonte”.

 
 
 

Pequim prendeu pelo menos 100 praticantes do Falun Gong em setembro

Pequim prendeu pelo menos 100 praticantes do Falun Gong em setembro
O Partido Comunista Chinês (PCC) condenou pelo menos 100 praticantes do Falun Gong à prisão em setembro, de ...
Leia Mais >
 

“Round 6” na vida real; comércio de órgãos do PCC

“Round 6” na vida real; comércio de órgãos do PCC
Uma sociedade na qual todos competem por dinheiro e pela chance de mudar seus destinos; Onde excluídos têm ...
Leia Mais >
 

Pais que defendem seus filhos são tratados como terroristas domésticos por conselhos escolares

Pais que defendem seus filhos são tratados como terroristas domésticos por conselhos escolares
À medida que mais e mais pais vão aos conselhos escolares locais para reclamar sobre a teoria crítica ...
Leia Mais >
 

46 mortos e 41 feridos em incêndio em Taiwan

46 mortos e 41 feridos em incêndio em Taiwan
Pelo menos 46 morreram após um incêndio “extremamente severo” em Taiwan. Ocorrido dentro de um prédio de 13 ...
Leia Mais >