Starlink de Elon Musk deixa China ‘muito assustada’: especialista

Por Gary Bai 

Enquanto os americanos experimentam a mais nova internet Starlink em seus trailers, um especialista em espaço diz que Elon Musk deixa o Partido Comunista Chinês (PCCh) “nervoso” como o “único” jogador em campo agora quando se trata da corrida espacial estratégica dos EUA com a China.

“É importante entender que a SpaceX é a única coisa que mantém os EUA na corrida espacial com a China”, disse Brandon Weichert, especialista em espaço e autor de “Winning Space: How America Remains a Superpower” (Ganhando o Espaço: Como a América se Mantém uma Superpotência, em tradução livre), disse ao Epoch Times em uma entrevista no final de maio.

O especialista diz que a Starlink, que agora é “possivelmente um componente vital da guerra”, está deixando os rivais americanos “nervosos”, mas Elon Musk está sob um duplo “ataque” da Casa Branca e da estrutura militar.

A Starlink, uma constelação de internet por satélite operada pela SpaceX, a empresa espacial de Musk, atualmente consiste em mais de 2.400 satélites que orbitam a Terra a uma altitude mais de 60 vezes menor do que os satélites que transportam a maior parte da internet do mundo hoje.

O PCCh está ‘nervoso’

A razão pela qual os adversários dos EUA estão nervosos com a Starlink, segundo o especialista em espaço, é que o sistema de satélites é resistente a ataques em grande escala de que os adversários dos EUA são atualmente capazes e, portanto, torna muito mais difícil “destruir” a infraestrutura espacial dos EUA. 

“A Starlink é um ótimo exemplo da motivação por lucro do setor privado, fornecendo um exemplo chave de como as constelações de satélites vitais, ainda que vulneráveis, podem ser protegidas”, disse Weichert.

“A força do Starlink é sua redundância. Então, basicamente, como vimos no verão passado, uma explosão solar derrubou em torno de 20, ou talvez até 40, satélites Starlink, e Musk nem piscou por um dia. Esses sistemas foram substituídos porque são pequenos e baratos”, observou.

Como Weichert detalha em seu livro, a Rússia e a China anteriormente tinham a capacidade de impedir que os militares dos EUA acessassem as redes de comunicação atacando satélites dos EUA usando, por exemplo, ataques de pulso eletromagnético.

Agora, diz ele, a Starlink ameaça os adversários dos EUA porque a capacidade de substituição da rede de satélites os priva de manter uma vantagem sobre os EUA na guerra espacial.

“A Rússia e a China estão ameaçadas por essa capacidade porque sabem como os americanos podem usar isso como vantagem”, acrescentou. “E é por isso que esses dois países estão pálidos agora e tentando desesperadamente descobrir contramedidas para manter o que eles acham que é sua vantagem, com capacidades contra espaciais e a capacidade de negar aos americanos o uso do espaço em caso de conflito”.

Segundo o especialista, um sinal indicando que o PCCh está ameaçado pela Starlink é quando o PCCh reclamou às Nações Unidas que a Estação Espacial Chinesa “Tiangong” teve que manobrar para evitar a colisão com os satélites Starlink em duas incidências separadas.

“A China saiu e eles estavam gritando sobre como um de seus satélites Starlink de Elon Musk quase colidiu com sua nova estação espacial modular, o que é claro que foi um exagero … este novo sistema de comunicação”, disse Weichert.

Os EUA refutaram as alegações do PCCh em uma nota verbal de resposta. A SpaceX emitiu um comunicado reconhecendo o encontro e dizendo que monitora a trajetória de voo de seus satélites para manter uma distância segura de Tiangong.

O especialista acrescentou que a Starlink possui recursos de defesa cibernética que parecem impressionantes até mesmo para especialistas em defesa do Pentágono.

“O especialista em guerra eletrônica (EW) do Pentágono estava testemunhando em tempo real os operadores Starlink, na SpaceX, defenderem o sistema de bordo do satélite Starlink dos ataques cibernéticos russos, ataques cibernéticos incessantes”, disse Weichert, citando Dave Tremper, diretor de guerra eletrônica do Pentágono, que disse à Breaking Defense que as capacidades da SpaceX são “de dar água nos olhos” para ele.

Portanto, se os militares da China tentassem um ataque cibernético aos sistemas operacionais de bordo da Starlink, diz Weichert, “eles teriam um despertar muito rude”.

Único jogador na corrida espacial

Weichert diz que a SpaceX é agora a “única coisa que mantém os EUA na corrida espacial com a China” e que precisa manobrar através de forças institucionais dentro dos EUA para ter sucesso.

“O problema agora é que nosso próprio governo parece não reconhecer ou se importar muito com o fato de que a SpaceX é a única propriedade no momento que está mantendo a América na nova corrida espacial, nos mantendo competitivos”, disse Weichert, “a NASA está dormindo no interruptor e a Força Espacial não consegue descobrir o que quer fazer”, disse Weichert.

“Enquanto isso, os líderes americanos, em sua maioria, não estão visualizando o espaço como um domínio estratégico. A China está. Musk também”, acrescentou.

As razões para essa falta de ação, disse Weichert, incluem um gritante desacordo na ideologia política entre Elon Musk, CEO da SpaceX, e a Casa Branca.

“[A SpaceX] também está sob muita pressão política por causa das posições políticas de Elon Musk, particularmente recentemente. Elon Musk não é amigo do governo Biden”, disse Weichert, acrescentando que esse desacordo “colocou um alvo gigante” nas costas de Musk.

As recentes críticas de Musk ao governo Biden e ao Partido Democrata provocaram polêmicas no mundo político. O bilionário sugeriu que Biden não é o “verdadeiro” presidente dos EUA e chamou o Partido Democrata de partido da “divisão” e do “ódio”.

“Agora, eles começaram a perseguir Musk. Eles vão atrás dele com uma questão regulatória sobre a compra do Twitter: não por causa de algo errado, apenas porque ele é um rival político”, disse Weichert. “Então o problema agora não são os chineses ou os russos”.

Outra razão importante por trás da estagnação dos Estados Unidos na corrida espacial, disse Weichert, é uma estrutura militar semelhante a um “cartel” que “não é nem de longe tão inovador hoje em dia quanto a SpaceX”.

“O que você tem agora é basicamente um cartel de um punhado de empreiteiros de defesa muito poderosos que realmente não se importam em criar sistemas de armas que sejam eficientes, que sejam rápidos em termos de desenvolvimento e que sejam mais baratos do que eles estão agora”, disse o especialista.

“E assim a SpaceX mina aquela velha abordagem de cartel para a indústria de defesa. É por isso que Musk é odiado. É por isso que ele está sob ataque da burocracia e de todos os ataques políticos no governo Biden”, acrescentou.

O especialista sugere que a América adote o modelo inovador da SpaceX de usar redes de satélites facilmente substituíveis para tornar a infraestrutura espacial da América mais resistente a ataques direcionados ao espaço em cenários de guerra.

“Seja a SpaceX recebendo o contrato para fazer isso ou outra empresa, eles precisam replicar esse modelo da SpaceX. Essa é a chave”, disse Weichert.

Em seu livro Winning Space: How America Remains a Superpower, Weichert adverte que a América deve passar por uma mudança de paradigma em sua visão do espaço e ver o espaço como um “domínio estratégico” para evitar um “ataque surpresa catastrófico” da Rússia ou da China – que ele chama de “Pearl Harbor espacial” – nos futuros tempos de guerra.

“A América é um gigante. Quando nos movemos como país, somos imparáveis. Dar os passos iniciais, no entanto, é sempre o mais difícil para o nosso país”, observa Weichert.

“Hoje, os Estados Unidos enfrentam um Pearl Harbor espacial – e todos em Washington sabem disso.”

O Epoch Times entrou em contato com a Força Espacial dos EUA para comentários.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva
David Stillwell, é um general de brigada americano reformado. De 2011 a 2013 ele foi diplomata na embaixada ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >