Situação grave de COVID-19 em bairro vulnerável de Buenos Aires é denunciada

Por Agência EFE

O comitê de crise do bairro de Mugica, em Buenos Aires, uma das maiores e mais antigas favelas da capital argentina, denunciou nesta segunda-feira que os moradores estão passando por uma “situação muito séria” devido à transmissão “exponencial” da pandemia do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), vulgarmente conhecido como novo coronavírus, devido às 133 infecções que ocorreram há duas semanas e agora são mais de 900.

Os líderes do bairro, localizado na área de Retiro, exigiram assistência imediata para evitar uma maior disseminação do vírus devido às condições de “pobreza e superlotação” nas quais vivem seus quase 40.000 habitantes.

A situação no que também é conhecido como Villa 31 foi agravada há semanas pela falta de água potável por oito dias no bairro, que começou na década de 1930 como um assentamento informal e já possui numerosos edifícios de vários andares construídos descontroladamente e precariamente em corredores e ruas estreitas.

Dois líderes do bairro morrem devido à COVID-19

A morte neste final de semana de dois líderes no bairro de Mugica, Ramona Medina e Víctor Giracoy, devido ao vírus do PCC, provocou inúmeras expressões de dor e raiva, ao mesmo tempo em que gerava maior visibilidade da crise de saúde nessa área da capital argentina, porque o falecido líder do grupo La Garganta Poderosa foi um dos que denunciou a falta de água potável em 3 de maio.

“A realidade é que, se Ramona não fosse pobre, a ministra do Desenvolvimento Humano e Habitat (da cidade de Buenos Aires), María Migliore, teria que renunciar hoje. E o vice-chefe do governo de Buenos Aires Diego Santilli e o chefe de governo, Horacio Rodríguez Larreta, seriam julgados por não cumprimento por um funcionário público e pelo abandono de uma pessoa seguido pela morte”, disse o líder da La Garganta Poderosa, Nacho Levy, na Rádio com você.

O aumento nos casos do vírus PCC em bairros vulneráveis ​​explica em parte o forte aumento no número de infecções em Buenos Aires, que agora se tornou o foco principal da COVID-19 na Argentina.

BUENOS AIRES (ARGENTINA), 18/05/20. - Vista do 31º bairro da cidade de Buenos Aires (Argentina), um dos locais com os casos mais positivos de COVID-19 no país(EFE / Juan Ignacio Roncoroni)
BUENOS AIRES (ARGENTINA), 18/05/20. – Vista do 31º bairro da cidade de Buenos Aires (Argentina), um dos locais com os casos mais positivos de COVID-19 no país(EFE / Juan Ignacio Roncoroni)

Casos crescem na capital

Até o momento, o país registrou 8068 casos de COVID-19, dos quais 374 morreram, e a capital e a província de Buenos Aires respondem por 72% do número total de pessoas infectadas.

De acordo com os números mais recentes, 1.323 casos do vírus do PCC foram detectados nos bairros vulneráveis ​​da capital.

“Duas semanas atrás, eles anunciaram que estavam lançando uma nova busca ativa por contatos próximos e nós, que conhecemos a pobreza e a superlotação que vivemos no bairro, dissemos que essas medidas não eram suficientes para conter o contágio exponencial”, disseram os referentes. em comunicado divulgado em entrevista coletiva.

Os vizinhos propuseram que, se um vizinho testasse positivo para a COVID, seus contatos próximos deveriam ser isolados em um local seguro, fora do bairro, se necessário, para que eles não continuassem infectando outros vizinhos.

“Obviamente eles não nos ouviram, infelizmente estávamos certos. Naquela época, havia 133 vizinhos infectados, hoje existem mais de 900 e devemos lamentar quatro vizinhos falecidos. A curva exponencial permanece a mesma e vemos que, infelizmente, essa situação se repete em outros distritos irmãos da cidade de Buenos Aires ”, destacaram.

BUENOS AIRES (ARGENTINA), 18/05/20. - Uma mulher com máscara cobre uma rua interna do 31º bairro da cidade de Buenos Aires (Argentina), um dos locais com mais casos positivos de COVID-19 no país (EFE / Juan Ignacio Roncoroni)
BUENOS AIRES (ARGENTINA), 18/05/20. – Uma mulher com máscara cobre uma rua interna do 31º bairro da cidade de Buenos Aires (Argentina), um dos locais com mais casos positivos de COVID-19 no país (EFE / Juan Ignacio Roncoroni)

Pedido de assistência urgente

Os membros do comitê de crise alertaram para “a situação muito séria” no bairro de Mugica, mas confiaram que “o surto exponencial da pandemia ainda pode ser contido” com ações urgentes das autoridades.

O secretário de Ação Social e Urbana da cidade de Buenos Aires, Diego Fernández, expressou sua dor pela morte de cada um dos moradores da capital e garantiu que o governo trabalhasse para resolver o problema do abastecimento de água e, entretanto, distribuísse 300.000 litros por dia para os vizinhos.

O líder da Garganta Poderosa sustentou que naquele bairro sofre por “abandono e preguiça” das autoridades e até que “o vírus chegou, a morte chegou e eles começaram a improvisar”, ao mesmo tempo em que denunciavam que nenhum bairro vulnerável da capital “recebeu alimentos frescos ou secos de forma sustentada para contatos próximos (de pessoas infectadas) que foram isoladas”.

Levy antecipou que o Centro de Estudos Jurídicos e Sociais (CELS) incluirá a morte de Ramona Medina na apresentação feita pelo vencedor do Prêmio Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel e membro das Mães da Plaza de Mayo Nora Cortiñas perante a Corte Interamericana Direitos Humanos (CIDH) devido à situação no bairro de Mugica.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 
 
 

Pequim prendeu pelo menos 100 praticantes do Falun Gong em setembro

Pequim prendeu pelo menos 100 praticantes do Falun Gong em setembro
O Partido Comunista Chinês (PCC) condenou pelo menos 100 praticantes do Falun Gong à prisão em setembro, de ...
Leia Mais >
 

“Round 6” na vida real; comércio de órgãos do PCC

“Round 6” na vida real; comércio de órgãos do PCC
Uma sociedade na qual todos competem por dinheiro e pela chance de mudar seus destinos; Onde excluídos têm ...
Leia Mais >
 

Pais que defendem seus filhos são tratados como terroristas domésticos por conselhos escolares

Pais que defendem seus filhos são tratados como terroristas domésticos por conselhos escolares
À medida que mais e mais pais vão aos conselhos escolares locais para reclamar sobre a teoria crítica ...
Leia Mais >
 

46 mortos e 41 feridos em incêndio em Taiwan

46 mortos e 41 feridos em incêndio em Taiwan
Pelo menos 46 morreram após um incêndio “extremamente severo” em Taiwan. Ocorrido dentro de um prédio de 13 ...
Leia Mais >