Singapura: manifestação celebra 20º aniversário do apelo pacífico de “25 de abril”

Por Minghui.org

Praticantes do Falun Gong realizaram uma manifestação no Parque Hong Lim, em Singapura, em 15 de abril, para comemorar o 20º aniversário do histórico “Apelo de 25 de Abril” em Pequim.

Em 25 de abril de 1999, em Pequim, mais de 10 mil praticantes do Falun Gong se alinharam silenciosamente pelas ruas do lado de fora da Administração Pública Nacional de Apelos e Propostas (também conhecida como Gabinete de Recursos), a agência oficial para receber petições, em protesto pacífico. Eles estavam lá para pedir a libertação de 45 praticantes de Tianjin e também para reivindicar seu direito de praticar o Falun Gong sem serem molestados.

Antes desse dia, os praticantes do Falun Gong em várias grandes cidades da China haviam sido perseguidos durante seus exercícios matinais e leram artigos de propaganda difamatórios que haviam sido publicados na mídia estatal. Seu direito de praticar sua crença espiritual estava sendo cada vez mais violado. O protesto pacífico de “25 de abril” foi o modo de chamar a atenção para uma potencial campanha nacional de perseguição. Assim que os praticantes de Tianjin foram libertados, o protesto terminou e os praticantes saíram em silêncio.

O mundo viu a China sob uma luz diferente naquele dia. Após o Massacre de Tiananmen, uma década antes, o fato de que um protesto pacífico poderia acontecer na China e ser resolvido no mesmo dia parecia positivo.

No entanto, Jiang Zemin, então chefe do Partido Comunista Chinês (PCC), estava determinado a acabar com a prática. Ele alegou que o protesto pacífico foi realizado por praticantes do Falun Gong que atacaram o complexo central do PCC em grupo e usou essa alegação como a principal desculpa para iniciar a campanha de perseguição em julho de 1999.

Essa perseguição resultou na morte de milhares de praticantes do Falun Gong e destruiu milhões de famílias na China. O PCC disse que iria libertá-los e devolver suas posses se eles denunciassem sua crença espiritual.

No espírito de “25 de abril”, praticantes de todo o mundo, incluindo a China, permaneceram fiéis aos princípios da Verdade-Compaixão-Tolerância e têm, desde então, esclarecido os fatos sobre a perseguição. A presente manifestação em Singapura é um desses exemplos.

Praticantes demonstraram os exercícios do Falun Gong no Parque Hong Lim em 15 de abri de 2019 (Minghui.org)
Praticantes demonstraram os exercícios do Falun Gong no Parque Hong Lim em 15 de abri de 2019 (Minghui.org)

Turista: o espírito de “25 de abril” deve continuar

Jimmy, um professor da Austrália, estava visitando Singapura quando viu a manifestação dos praticantes. Ele disse que sabia das violações dos direitos humanos na China, mas esta foi a primeira vez que ouviu sobre a perseguição ao Falun Gong.

Ele disse que evitou visitar a China durante sua viagem de seis meses pela Ásia. Ele sentiu que se mais chineses estivessem conscientes e resistissem à tirania, o PCC entraria em colapso. Ele acrescentou que o espírito de “25 de abril” deve continuar.

Turistas e moradores locais pararam para conversar com os praticantes. Alguns leram os expositores, enquanto outros tiraram fotos e filmaram o evento (Minghui.org)
Turistas e moradores locais pararam para conversar com os praticantes. Alguns leram os expositores, enquanto outros tiraram fotos e filmaram o evento (Minghui.org)

Ahish trabalha como gerente de vendas em Singapura há três anos. Ele é contra a extração forçada de órgãos praticada pelo PCC. Querendo aprender mais, ele pegou alguns panfletos dos praticantes.

Como muitos turistas sabiam que as manifestações são raras em Singapura, o evento despertou sua curiosidade. Li, do noroeste da China, disse que sua esposa pratica o Falun Gong. No começo ele era contra, mas se tornou solidário depois que testemunhou como a saúde e mentalidade dela melhoraram. Ele disse: “Se os praticantes pudessem fazer os exercícios ao ar livre [na China] como estão fazendo aqui [em Singapura], seria ótimo!”

Quando um casal da Letônia perguntou por que os praticantes estavam sendo perseguidos, os praticantes responderam-lhes: “O Falun Gong rapidamente se tornou muito popular porque ensinou as pessoas a serem gentis e honestas. O líder do PCC na época ficou com inveja da popularidade do Falun Gong”.

O casal disse que eles eram crianças quando o regime comunista controlava a Letônia, então eles sabiam o quão opressivo e controlador o Partido Comunista é. Eles pegaram informações e perguntaram sobre os exercícios.

Os praticantes relembram o “25 de abril”

Sun foi um dos praticantes que apelaram em 25 de abril de 1999. “O que mais me impressionou foi o clima de paz e magnanimidade”, disse ele. Tendo vivido toda a vida em Pequim, ele testemunhou em primeira mão muitas das campanhas do PCC e estava bem ciente do terror quando o PCC visava certos grupos.

“Eu tinha 60 anos em 1999”, lembrou o Sr. Sun. “Eu havia praticado o Falun Gong por cinco anos”. Ele disse que estava calmo e despreocupado em seu caminho para o Escritório de Apelações. “Eu decidi ir para a administração. Eu vi milhares de praticantes naquela manhã. Embora houvesse muitos de nós, éramos educados e ordeiros. Nós nem sequer jogamos lixo no chão. Havia poucos policiais. Eles pareciam muito relaxados e fumavam e conversavam uns com os outros”.

“Eu me senti em paz”, acrescentou. “A atmosfera naquele dia foi pacífica e digna. Eu não estava com medo.” Quando ele ouviu que os praticantes de Tianjin haviam sido libertados, ele saiu com todos os outros.

Antes de vir para Singapura, o Sr. Sun foi preso na China. “O Dafa (outro nome para o Falun Gong) me ajudou a me tornar uma pessoa melhor. Eu devo minha saúde e felicidade ao Dafa. Como eu não posso praticar? Eu li os ensinamentos do Mestre Li e eles são o meu guia. Suas palavras são a Verdade.”

A Sra. Gao estava estudando em Singapura em abril de 1999. Os praticantes em Singapura se organizaram para esclarecer a verdade aos principais jornais. Eles visitaram a embaixada chinesa com uma petição e visitaram o governo de Singapura para fornecer informações básicas sobre o Falun Gong.

“Eu me preocupei com os praticantes dentro da China. Eu sabia muito bem como o PCC perseguiu seu próprio povo por décadas”, lembrou a Sra. Gao. “Fiquei chocada com o evento. Protestos pacíficos são muito raros na sociedade chinesa, especialmente depois do Massacre de Tiananmen.”

Ela viu uma reconstituição do apelo de “25 de abril” realizado fora da embaixada chinesa em Singapura. Os praticantes se sentiram compelidos a fazer alguma coisa. “Foi emocionante ver tantos praticantes lá. Alguns eram de Pequim, da província de Henan ou de Shandong. Alguns estavam estudando em Singapura; alguns estavam apenas visitando. Havia alguns da Malásia.

Lembrando-se daquele dia, a Sra. Gao disse: “Nós não sabíamos naquela época que uma campanha organizada de perseguição começaria alguns meses depois e duraria mais de 20 anos. Ao longo desse tempo, os praticantes perseveraram em sua crença. Eu sinto que foi um evento incrível e raro na história da humanidade.

“Acho que o protesto de 25 de abril teve o efeito de incitar a consciência do povo da China e do mundo. O que quer que tenha acontecido durante esses 20 anos, seja bom ou seja mau, fará parte da história.”

 
 
 

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong
Por Eva Fu A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou por unanimidade, em 15 de outubro, uma ...
Leia Mais >
 

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz
Por Pedro Rafael Vilela, Agência Brasil O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta segunda-feira (15) ...
Leia Mais >
 

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil
Por Fernando Lopes, Epoch Times As exportações da carne suína para o país Chinês seguem aumentando. O ritmo ...
Leia Mais >
 

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong
Os Estados Unidos e as autoridades europeias manifestaram alarme ao saber das detenções de vários ativistas pró-democracia de ...
Leia Mais >