Shen Yun enfrenta implacável campanha de interferência do regime chinês

Shen Yun enfrenta implacável campanha de interferência do regime chinês

O Shen Yun Performing Arts durante sua apresentação no Boch Theatre em Boston, Massachusetts, em 25 de janeiro de 2019 (NTD Television)

2019/11/26

Por Cathy He

O Shen Yun não é uma empresa típica de artes cênicas. Todos os anos, a companhia não apenas enfrenta o desafio de levar uma nova produção de palco de alto nível para centenas de cidades ao redor do mundo, como também precisa lidar com uma campanha implacável do regime comunista chinês, que visa interferir em seus shows mundialmente.

Essa interferência afeta a companhia de artes cênicas desde a sua fundação, há mais de uma década, disse Leeshai Lemish, mestre de cerimônias da empresa, ao Epoch Times.

O Shen Yun Performing Arts é uma companhia de dança e música clássica chinesa fundada em Nova Iorque em 2006. Sua missão, segundo seu site, é reviver 5000 anos da cultura tradicional chinesa.

Seus programas incluem representações da perseguição à prática espiritual do Falun Dafa, também conhecida como Falun Gong, perpetrada pelo regime chinês por duas décadas. Sob perseguição, os adeptos da prática foram arbitrariamente detidos, submetidos a trabalhos forçados, torturados e até mortos por seus órgãos. Fora da China, o regime tentou demonizar a prática enquanto suprimia as informações expostas pela perseguição, por exemplo, influenciando a mídia chinesa no exterior e se infiltrando em grupos comunitários chineses no exterior.

Lemish, que é mestre de cerimônia do Shen Yun desde o início, disse: “Comecei a perceber que, enquanto apresentávamos em todo o mundo, todos os tipos de fenômenos que normalmente não se espera que aconteçam em uma empresa de artes cênicas ocorreram”.

Leia também:

  1. Cinco lições que podemos aprender com Shen Yun
  2. Funcionários consulares chineses exigem que japoneses proíbam a Companhia de Arte Shen Yun
  3. Diretor de cinema aprecia a magia do Shen Yun

Havia teatros que recebiam cartas do consulado ou da embaixada chinesa exigindo que eles cancelassem o show, disse ele. Chineses foram vistos rondando os ônibus da empresa e os hotéis onde eles estavam hospedados. Eles pareciam estar observando os movimentos da empresa. Alguns espectadores tentaram afetar os programas usando dispositivos eletrônicos, como um controle remoto universal para interferir na tela animada de fundo do projetor.

“Sabíamos que … havia forças nos bastidores tentando parar nossos shows”, disse ele.

Então, o mestre de cerimônia começou a coletar cartas e documentação para catalogar esses incidentes, e agora ele tem uma lista de 74 tentativas de sabotagem desde o início de 2007, e o número continua a crescer.

“É apenas uma gota no oceano em termos do que realmente acontece”, disse Lemish, acrescentando que, durante as suas viagens, pessoas com informações internas sobre atividades de teatro constantemente o informam em particular sobre as tentativas das autoridades chinesas de cancelar os shows.

Shows negados

As tentativas do regime chinês de impedir os shows do Shen Yun falharam amplamente: a empresa se expandiu e hoje possui sete companhias. Além disso o Shen Yun está prestes a começar em 2020 sua maior temporada já realizada até hoje. Mas houve alguns casos em que os teatros se curvaram diante da pressão.

O último desses casos foi o Teatro Real de Madrid, que cancelou o show algumas semanas antes da companhia aparecer naquele palco em janeiro deste ano, alegando “dificuldades técnicas”.

No entanto, um telefonema secreto para a Embaixada da China em Madri, feito pela ONG dos Estados Unidos chamada Organização Mundial para Investigar a Perseguição ao Falun Gong (WOIPFG), revelou que a razão foi inventada depois que a embaixada conseguiu pressionar ao teatro para cancelar o show. O interlocutor, se apresentando como um alto funcionário do regime chinês, conversou com um homem que se identificou como Lu Fan, o embaixador chinês na Espanha, de acordo com um comunicado de imprensa da WOIPFG na época.

Em uma gravação em áudio da conversa por telefone, Lu explicou como ele convenceu o gerente geral do Royal Theatre a cancelar os shows do Shen Yun, alertando-o de que o teatro “não pode se dar ao luxo de perder o mercado chinês por cauda disso”.

Na Dinamarca, um relatório de investigação de 2018 da mídia local Radio24syv descobriu evidências de que a Embaixada da China havia pressionado o Royal Danish Theatre em Copenhague para que ele não alugasse sua sede para o Shen Yun.

A companhia de Nova Iorque tentou se apresentar no Royal Danish Theatre por 10 anos, mas foi repetidamente rejeitada com o argumento de que o nível artístico da empresa não atendia às demandas do teatro.

De acordo com e-mails obtidos pela mídia, um dos funcionários do teatro disse a ele ou a outro funcionário que se encontrou com a Embaixada da China em agosto de 2017.

“Eles [a embaixada] encerraram a reunião perguntando se tínhamos diálogado com  o Shen Yun e nos pediram para não deixá-los alugar nossas instalações”, informou o email.

Thomas Foght, o jornalista que investigou a história, disse durante um discurso no Parlamento dinamarquês em abril deste ano que este caso “esclarece por que estava sendo tão difícil para o Shen Yun ter acesso ao Teatro Real por 10 anos”.

Após o relatório de Foght, o então diretor de teatro Morten Hesseldahl e o ministro da Cultura da Dinamarca, Mette Bock, negaram acusações sobre a influência chinesa, dizendo que não estavam cientes de nenhuma pressão na embaixada.

Enquanto isso, na Ásia, o Bangkok Aksra Theatre cancelou abruptamente o show alguns dias antes da estreia em dezembro de 2016. Em uma carta enviada pela Embaixada da China na Tailândia ao Ministério das Relações Exteriores da Tailândia e obtida pelo Epoch Times, o regime chinês pressionou o governo tailandês a proibir o Shen Yun “para evitar afetar o relacionamento bem desenvolvido entre a China e a Tailândia”.

Meses antes, o KBS Hall, em Seul, cancelou o show do Shen Yun, que levou o organizador local a iniciar uma ação legal contra o teatro, buscando uma ordem judicial que permitisse que a companhia de dança clássica chinesa se apresentasse. Um tribunal de apelação finalmente negou o pedido.

O KBS Hall, um teatro estatal vinculado à maior emissora nacional, Korean Broadcasting Service, mantinha um relacionamento de trabalho com a emissora estatal chinesa, a China Central Television. Antes do show, o teatro recebeu várias cartas da Embaixada da China, também obtidas pelo Epoch Times, exigindo que o Shen Yun não fosse recebido.

“A China atribui grande importância à cooperação com a KBS e espera que a KBS considere as relações entre a China e a Coreia ao tomar decisões. Não forneça um teatro para o Shen Yun se apresentar”, diz uma carta de 22 de janeiro de 2016.

Táticas em evolução

O aumento da pressão sobre os teatros é apenas uma das maneiras pelas quais o regime chinês tentou interferir no Shen Yun.

Ele também empregou uma série de táticas direcionadas contra anunciantes, telespectadores em potencial e contra a própria empresa, disse Lemish. Essas táticas evoluíram com o tempo.

Nos primeiros anos, os grupos de teatro patrocinados pelo estado na China apresentaram um show do outro lado da rua que o Shen Yun estava se apresentando e nas mesmas datas, na tentativa de competir com a empresa, de acordo com o site deles.

Após a falha desta tática, houve várias tentativas de sabotar os ônibus do Shen Yun. Em um caso, em 2010, um motorista de ônibus notou um corte em um dos pneus dianteiros depois de viajar de Ottawa para Montreal. Mais tarde, os mecânicos disseram-lhe que o pneu tinha sido cortado de forma a não esvaziar imediatamente, mas que explodiria ao ser aquecido e expandido enquanto o ônibus estivesse em movimento. Uma explosão de um pneu dianteiro pode fazer com que o motorista perca o controle do ônibus, que tem capacidade para acomodar 50 artistas.

Lemish disse que a empresa relatou essa e outras tentativas de sabotagem à polícia local e ao FBI, mas até agora ele não obteve notícias de nenhum progresso nessas investigações.

Os teatros também receberam e-mails de pessoas que se apresentaram como fãs do show ou da organização local que recebe a empresa. Os e-mails, que os teatros mais tarde compartilharam com Shen Yun, tinham conteúdo que os fazia “parecer fãs e loucos”, disse Lemish.

O objetivo era “assustar o teatro para que ele não se relacionasse conosco”, disse ele.

O site e os servidores do Shen Yun também foram atacados repetidamente, disse Lemish, acrescentando que os ataques às suas plataformas de ingressos tendem a se concentrar durante o período anterior aos shows da empresa em Nova Iorque, onde geralmente há uma Série prolongada de apresentações no prestigiado Lincoln Center.

Recentemente, a interferência mudou cada vez mais para a Internet.

“Há um esforço muito estratégico e sistemático para nos difamar de qualquer maneira possível, especialmente na mídia e online”, disse Lemish.

Ele disse que os trolls chineses da Internet estão trabalhando para que a publicidade negativa sobre o Shen Yun tenha melhores resultados de pesquisa do que o site da empresa e os artigos de mídia com boas críticas. Conhecidos como o “Exército de 50 centavos”, esses trolls da Internet são pagos pelo regime chinês para espalhar propaganda online e silenciar opiniões divergentes, dentro e fora da China.

O exército de 50 centavos basicamente reforça o ranking [de publicidade negativa] comentando (…) [esses artigos], deixando comentários desagradáveis ​​e à vezes vinculando-os a eles”, disse Lemish. “Eles farão todas essas coisas diferentes que podem melhorar o ranking de SEO desses artigos”.

O mestre de cerimônia disse que essa medida se enquadra na campanha mais ampla do regime chinês para alterar a opinião pública na Internet internacionalmente.

“Isso nos faz trabalhar muito mais porque a maneira mais comum na qual as pessoas descobrem as coisas hoje é pesquisando no Google e se informando sobre elas (…) nas redes sociais”, afirmou.

“Eles estão realmente fazendo um grande esforço para não nos permitir usar esses canais e, em seguida, criam impressões negativas nas pessoas para tornar mais difícil a venda de ingressos”.

No entanto, a empresa não se intimida.

“Isso não vai nos intimidar”, disse Lemish. “Nós enfrentamos isso desde o começo. Eles nunca conseguiram nos deter”.

A repórter do Epoch Times, Janita Kan, contribuiu para este artigo.

*********

Trailer oficial do Shen Yun 2020