Senador dos EUA levanta preocupações depois do pronunciamento da líder de Hong Kong sobre lei de extradição

Por Frank Fang, Epoch Times

Um senador dos Estados Unidos expressou preocupação sobre a intenção da líder de Hong Kong, Carrie Lam, ao dizer que a polêmica lei de extradição estava “morta”, mas se recusar a retirá-la.

O projeto, que atraiu alguns dos maiores protestos da cidade, permitiria que qualquer país, incluindo a China continental, procurasse a extradição de suspeitos de crimes. Respondendo à pressão pública, em 16 de junho, Lam anunciou que o projeto ficaria indefinidamente suspenso.

Mas os manifestantes exigiram constantemente que o projeto seja retirado para garantir que ele não seja reintroduzido no futuro.

Lam, durante uma coletiva de imprensa em 9 de julho, disse que “as pessoas podem querer ouvir uma observação mais ‘resoluta’” – reiterando que o governo não tinha planos de reconsiderar a lei e que ela “expiraria automaticamente” quando a sessão legislativa atual terminasse em 2020.

Mas grupos de direitos locais se opuseram à sua formulação vaga e disseram que continuariam organizando protestos até que a lei fosse retirada.

No mesmo dia, durante uma sessão diária do Senado dos Estados Unidos, o parlamentar Pat Toomey (R-Pa.), foi ao Senado para expressar suas preocupações sobre a situação política em Hong Kong. “Agora, apenas hoje, a chefe executiva de Hong Kong [Carrie Lam] disse que o projeto está morto; mas, não foi formalmente retirado, como deveria. Eu acho que a ameaça continua”, disse ele. Uma transcrição de seu discurso foi publicada em seu site.

O senador Toomey explicou em profundidade como o projeto, proposto pela primeira vez pelo governo de Hong Kong em fevereiro, é uma ameaça não apenas para os Hongkongers, mas também para estrangeiros e turistas.

“O acusado enfrentaria então um processo por um governo autoritário na China continental que não defende o estado de direito, nem pratica a administração justa e imparcial da justiça. Vamos enfrentá-lo, o sistema judicial na China é politizado e controlado pelo Partido Comunista Chinês”, disse Toomey.

Se aprovada, a legislação permitiria ao executivo-chefe – a posição agora detida por Lam – assinar os pedidos de extradição, inclusive da China continental, sem a aprovação da legislatura da cidade.

Toomey acrescentou: “Algumas pessoas estão preocupadas que, se este projeto se tornasse lei, abriria o caminho para o sequestro de dissidentes patrocinado pelo regime chinês”.

O legislador também acreditava que o projeto teria um “efeito inibidor sobre a liberdade em Hong Kong”, explicando que os Hongkongers teriam medo de expressar suas opiniões, devido a potenciais repercussões políticas.

“É simplesmente um fato: a China continental é um buraco negro legal e a lei de extradição de Hong Kong seria um passo para expor os residentes de Hong Kong diretamente ao sistema legal opaco, muitas vezes flagrantemente injusto”, disse Toomey.

O senador acrescentou que ficou impressionado com a marcha de protesto de 16 de junho, quando 2 milhões de pessoas tomaram as ruas para exigir a retirada do projeto. Hong Kong tem apenas uma população de 7,4 milhões – ou seja, um em cada quatro Hongkongers protestou naquele dia.

O senador disse acreditar que os Hongkongers estão fazendo mais do que apenas protestar contra a lei de extradição; eles estão “lutando por um futuro no qual possam desfrutar dos direitos humanos básicos”, como a liberdade de expressão e o julgamento justo. Ele previu que os protestos teriam um impacto sobre Taiwan e outras nações asiáticas que “estão lutando pela liberdade à sombra da China”.

Taiwan é um país de fato com seu próprio governo democraticamente eleito, forças armadas e moeda. No entanto, Pequim vê a ilha como parte de seu território e adotou diferentes táticas, como propaganda e coerção, na tentativa de influenciar a opinião pública taiwanesa a favorecer a unificação com o continente. Enquanto isso, Pequim nunca descartou a possibilidade de unir Taiwan com força militar.

Toomey disse que os protestos também afetariam a China continental.

“Uma Hong Kong democrática é uma ameaça direta ao governo comunista em Pequim, porque as pessoas em toda a China perguntariam naturalmente: por que os Hongkongers têm mais direitos e uma vida melhor e mais liberdade do que nós? Essa é a ameaça que o governo em Pequim está tentando extinguir”, acrescentou Toomey. Os censores chineses têm varrido a internet de todo o conteúdo relacionado aos protestos de Hong Kong, enquanto a mídia estatal publica artigos propagandísticos que deturpam os fatos.

O senador pediu aos norte-americanos que não façam vista grossa à situação em Hong Kong e que continuem apoiando os Hongkongers.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

 
 
 

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong
Por Eva Fu A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou por unanimidade, em 15 de outubro, uma ...
Leia Mais >
 

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz
Por Pedro Rafael Vilela, Agência Brasil O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta segunda-feira (15) ...
Leia Mais >
 

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil
Por Fernando Lopes, Epoch Times As exportações da carne suína para o país Chinês seguem aumentando. O ritmo ...
Leia Mais >
 

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong
Os Estados Unidos e as autoridades europeias manifestaram alarme ao saber das detenções de vários ativistas pró-democracia de ...
Leia Mais >