Senacon pede a Zoom esclarecimentos sobre suposta troca de informações

Por Agência Brasil

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, pediu à empresa de tecnologia para videoconferências Zoom Video Comunications que esclareça as suspeitas de que estaria fornecendo ao Facebook os dados pessoais dos usuários de seu aplicativo de videochamadas, sem o conhecimento das pessoas.

Em carta assinada pela diretora do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, Juliana Oliveira Domingues, o órgão pede que a empresa responda, em dez dias a partir do recebimento do documento, a 19 perguntas formuladas pelos técnicos da secretaria.

A secretaria quer saber, entre outras coisas, desde quando a empresa realiza o compartilhamento de dados, de quem e por quais motivos. A Senacon também quer que a Zoom responda se repassa ao Facebook os dados de usuários que não têm conta na rede social pertencente a Mark Zuckerberg e se informa os internautas de tal prática e obtém o consentimento prévio deles.

As respostas, segundo a Senacon, balizarão o processo de averiguação preliminar instaurado pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, da própria secretaria, depois que as suspeitas vieram a público e se tornaram notícia em vários países. Na carta, são reproduzidos trechos traduzidos para o português de uma reportagem publicada em inglês, no site Vice, no dia 26 de março.

Política de privacidade

Assinada por Joseph Cox, a notícia informa que “a política de privacidade do Zoom, app de videochamadas, não é explícita sobre a transferência de dados para o Facebook” e que, “à medida em que as pessoas trabalham e socializam em casa [por causa das restrições impostas por governos, em diversos países, devido à pandemia do novo coronavírus], o software de videoconferência disparou em popularidade”, sem que a empresa deixe claro “que a versão iOS do aplicativo Zoom está enviando alguns dados de análise para o Facebook, mesmo que os usuários do Zoom não tenham uma conta no Facebook” e “tem vários outros problemas de privacidade em potencial”.

As informações levaram usuários e empresas a desinstalarem o aplicativo. Na segunda-feira (6), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária proibiu seus servidores de utilizarem a ferramenta de videoconferência nos computadores do órgão. Segundo a agência, a decisão foi adotada após terem sido identificadas possíveis falhas de segurança graves na ferramenta e por existir uma plataforma corporativa, já em uso pela Anvisa, que também permite a realização de videochamadas.

Ainda de acordo com a agência, em contato com especialistas em tecnologia da informação de outros países, os técnicos da Anvisa foram alertados de que as “vulnerabilidades” do Zoom Meeting poderiam ser exploradas por hackers, permitindo-lhes acessar a câmera e o microfone de outros computadores, além de facilitar o roubo de informações transmitidas nas teleconferências.

Zoom

Agência Brasil não conseguiu contactar os responsáveis pela Zoom para comentar a iniciativa da Senacon, mas o próprio diretor executivo da empresa, Eric Yuan, já reconheceu falhas na ferramenta Zoom Meeting. “Admitimos que frustramos as expectativas de privacidade, nossas e da comunidade. Por isso, peço desculpas e divido que estamos fazendo algo a respeito”, escreveu o diretor no blog da empresa, em 1º de abril. Yuan garantiu que a empresa está adotando medidas para aperfeiçoar a segurança do programa, que, segundo ele, foi comprometida pelo aumento exponencial de sua base de usuários. Entre dezembro e abril, o número de pessoas usando o recurso saltou de 10 milhões para 200 milhões em todo o mundo.

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >
 

Enchentes mortíferas na China

Enchentes mortíferas na China
Por NTD Notícias O senador Marco Rubio na terça-feira disse em tuite que o fechamento do instituto Confúcio ...
Leia Mais >