O segredo por trás da ascensão do ouro em 2014

O ouro saltou mais de 2% na segunda-feira no mercado de futuros Comex. Um grande dia de subida e a superação da importante marca de 1.350 dólares. Sim, com certeza, a Ucrânia teve algo a ver com isso. Mas a verdadeira razão por trás da corrida ao ouro em 2014 é outra.

Ao longo do tempo, o preço do ouro se correlaciona com o montante total da dívida federal e outras métricas de dívida da sociedade. E como o Tesouro foi liberado para emitir novas dívidas em 12 de fevereiro, com um teto da dívida sem restrição, a corrida pelo ouro disparou, subindo de 5%. Participantes experientes do mercado já começaram a apostar na subida de preço na virada do ano em antecipação. O ouro teve aumento de 10% desde 1º de janeiro, superando a maioria das outras classes de ativos.

E quanto à dívida nacional dos EUA? Ela realmente caiu em US$ 92 bilhões no início do ano até o Senado aprovar o projeto de lei do teto da dívida. Nas três semanas desde então, ela aumentou US$ 168 bilhões. Além do mais, porque o teto da dívida está suspenso, o Tesouro tem até março de 2015 para emitir tanto dívida quanto quiser.

Por que isso impulsiona o preço do ouro? Porque na sociedade de hoje dívida é dinheiro, muito mais do que as Notas do Federal Reserve impressas pelo Fed [o banco central dos EUA]. Mais dinheiro significa preços de ativos mais elevados, o que inclui o ouro. O Tesouro pode imprimir dinheiro (dívida) muito mais rápido do que o Fed; os recentes US$ 168 bilhões em três semanas envergonham os US$ 85 bilhões por mês do ‘afrouxamento quantitativo’ (QE) inicial.

Além disso, a nova dívida emitida pelo Tesouro aumenta diretamente a oferta total de dinheiro de crédito, ao passo que o QE apenas aumenta as reservas que os bancos mantêm no Fed, a menos que o Fed monetize diretamente nova emissão. Se os bancos optam por usar essas reservas, eles poderiam aumentar a oferta total de dinheiro de crédito, mas o crédito privado nunca decolou durante a recuperação.

Sim, a dívida federal aumentou 5,5% em 2013, um ritmo bastante lento em comparação com a última década, quando a dívida federal quase triplicou. Também é lento em comparação com o ritmo anual de 18% desde 12 de fevereiro. Claro, há períodos em que a correlação quebra, como em 2008 ou em 2013, mas funcionou muito bem desde o início de 2000, o início da grande expansão da dívida federal.

Há outra razão por que o ouro reage à emissão de nova dívida federal. O preço do ouro é um reflexo da fé no dólar. Se o dólar cai, o ouro sobe. O dólar está em última análise apoiado pelo balanço do Fed. O balanço do Fed é composto principalmente de títulos do Tesouro. Se houver um fornecimento contínuo de novos títulos, mas nenhum dinheiro novo de imposto para pagar a dívida, esses títulos cairão em valor. Assim, o balanço do Fed passa a valer menos e também o dólar.

 
 
 

Extração forçada de órgãos do regime chinês pode se espalhar para outros países, alerta diretor de ONG

Extração forçada de órgãos do regime chinês pode se espalhar para outros países, alerta diretor de ONG
O regime comunista chinês exportaria sua prática horrível de extração forçada de órgãos assim que fosse capaz de ...
Leia Mais >
 

Reforço Pfizer COVID-19 não deve ser aplicado aos que se vacinaram com J&J e Moderna, afirma oficial da FDA

Reforço Pfizer COVID-19 não deve ser aplicado aos que se vacinaram com J&J e Moderna, afirma oficial da FDA
A vacina de reforço COVID-19 da Pfizer não deve ser administrada àqueles que já receberam vacinas feitas pela ...
Leia Mais >
 

Xi Jinping, o líder do Partido Comunista Chinês, discursou na ONU

Xi Jinping, o líder do Partido Comunista Chinês, discursou na ONU
Xi Jinping, o líder do Partido Comunista Chinês, discursou na ONU. Altos-oficiais de governos e instituições diversas têm ...
Leia Mais >
 

General americano faz telefonemas secretos para a China

General americano faz telefonemas secretos para a China
Um dos maiores generais americanos está com problemas. Uma reportagem diz que ele ligou secretamente para seu correspondente ...
Leia Mais >