Satélites artificiais causam poluição luminosa no céu noturno, segundo estudo

Por Lu Xiao

Muitos anos atrás, se você participasse de um grupo de observação de estrelas em uma área rural, poderia admirar um céu noturno escuro, livre da poluição luminosa produzida pelo homem.

Esses dias podem ter ficado para trás.

As empresas de satélites estão lançando rapidamente pequenos satélites em órbitas baixas da Terra para fornecer acesso rápido à Internet em locais remotos. Esses satélites formam megaconstelações artificiais que estão mudando rapidamente o céu noturno.

Por exemplo, a SpaceX de Elon Musk lançou cerca de 1.300 pequenos satélites no espaço como parte de seu serviço de Internet Starlink, e a SpaceX já obteve permissão para lançar mais 12.000. Agora, mesmo nos lugares mais escuros da Terra, o céu noturno está poluído pelas trajetórias desses minúsculos satélites, que às vezes podem ser vistos a olho nu.

O problema é especialmente sério para a comunidade astronômica. De acordo com um novo artigo recentemente aceito para publicação nos Avisos Mensais da Royal Astronomical Society, objetos artificiais orbitando a Terra podem aumentar a luminosidade geral do céu noturno em muitas partes do mundo em mais de 10% acima dos níveis naturais.

Isso ultrapassaria um limite estabelecido há mais de 40 anos pelos astrônomos para determinar se um lugar está contaminado pela luz.

“Nossa principal motivação foi estimar a possível contribuição para o brilho do céu noturno de fontes externas, como objetos espaciais na órbita da Terra”, disse ele em um comunicado Miroslav Kocifaj, da Academia de Ciências e da Universidade Comenius da Eslováquia, que liderou o estudo. “Esperávamos que o aumento na luminosidade do céu fosse marginal, se tanto, mas nossas primeiras estimativas teóricas foram extremamente surpreendentes e nos encorajaram a relatar nossos resultados rapidamente.”

Rastos no céu noturno causados ​​pela quinta implantação dos satélites que compõem a constelação Starlink. (Andreas Möller)

O novo estudo foi o primeiro a considerar o impacto global de objetos espaciais no céu noturno, de acordo com o comunicado. Pesquisas anteriores se concentraram principalmente nos efeitos de satélites individuais e detritos espaciais que afetam as imagens dos astrônomos.

A equipe de pesquisa modelou a contribuição dos objetos espaciais para a luminosidade do céu noturno, com base em distribuições conhecidas dos tamanhos e níveis de luminosidade dos objetos.

O estudo incluiu satélites e vários detritos espaciais. Embora telescópios profissionais e câmeras sensíveis sejam capazes de ver objetos espaciais como pontos individuais de luz, equipamentos de baixa resolução e o olho humano só podem ver o efeito combinado de muitos objetos espaciais, de acordo com o comunicado.

O efeito é um aumento da luminosidade do céu noturno, o que pode obscurecer a Via Láctea e outras observações.

“Ao contrário da poluição luminosa do solo, este tipo de luz artificial no céu noturno pode ser visto em grande parte da superfície da Terra”, disse John Barentine, Diretor de Políticas Públicas da International Sky Association, no comunicado, autor do estudo. “Astrônomos constroem observatórios longe das luzes das cidades para procurar céus escuros, mas essa forma de poluição luminosa tem um alcance geográfico muito maior.”

Astrônomos expressaram preocupação com o número crescente de objetos feitos pelo homem no céu, especialmente mega-constelações de satélites de comunicação.

Conforme o número de satélites aumenta, a possibilidade de colisões entre si ou com outros objetos aumenta. Essas colisões produzem mais destroços.

A nova pesquisa sugere que o céu noturno continuará a brilhar à medida que novos satélites são lançados. Embora a SpaceX tenha mudado recentemente seus designs para reduzir o brilho de suas espaçonaves, um aumento acentuado no número de objetos espaciais pode mudar a aparência do céu noturno.

A União Astronômica Internacional (IAU) apresentou recentemente  um relatório sobre o impacto dos satélites a um subcomitê da Comissão das Nações Unidas para o Uso do Espaço Exterior do Pacífico (COPUOS), e algumas recomendações para reduzir a gravidade do problema.

“Nossos resultados indicam que muito mais pessoas além dos astrônomos podem perder o acesso a céus noturnos imaculados”, acrescentou Barentine. “Este documento pode realmente mudar a natureza dessa conversa.”

As recomendações da IAU à ONU dizem que os operadores de satélite e as agências regulatórias que os supervisionam devem considerar os impactos na astronomia e no céu noturno e apresentar diretrizes gerais. Se a subcomissão aprovar o relatório, ele será encaminhado a uma reunião do COPUOS, que poderá decidir o envio das recomendações aos estados membros da comissão.

“Não é propriamente uma agenda política, mas é uma espécie de tom, como se o mundo se unisse, considerasse este problema, decidisse que é significativo e apresentasse uma série de recomendações para tentar minimizá-lo”, Barentine disse a Vox.

Barentine percebeu o quão pouco poder a comunidade astronômica tem, relatou Vox.

Um dos principais problemas é a falta de regulamentação internacional sobre o aspecto dos satélites, disse Vox.

Barentine disse a Vox que a SpaceX “não é legalmente obrigada a fazer nada para ouvir as preocupações dos astrônomos”.

A SpaceX tem trabalhado de boa vontade com a comunidade astronômica para tentar reduzir o problema, o que outras empresas de satélites podem não ter feito.

“As constelações de satélites (…) atingem o cerne da relação científica e cultural da humanidade no céu noturno, afetando antigas tradições celestes e práticas culturais em todas as nações ao redor dos ciclos celestes e do céu noturno”, escreveram aos físicos Aparna Venkatesan, James Lowenthal, Parvathy Prem e Monica Vidaurri em um artigo publicado na Nature Astronomy.

 
 
 

Legisladores internacionais pedem que ONU investigue genocídio uigur

Legisladores internacionais pedem que ONU investigue genocídio uigur
Um grupo de legisladores internacionais pediu às Nações Unidas que investiguem o  genocídio contra os uigures e outras ...
Leia Mais >
 

Avião iraniano sancionado pelos EUA por transportar armas para grupos terroristas aterrissa na Venezuela

Avião iraniano sancionado pelos EUA por transportar armas para grupos terroristas aterrissa na Venezuela
Um cargueiro vinculado ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã ( IRGC ), pertencente a uma empresa ...
Leia Mais >
 

Caçador de espiões da China deserta para os EUA?

Caçador de espiões da China deserta para os EUA?
Por NTD Notícias Há relatos de que um dos maiores espiões da China desertou para os EUA. Boatos ...
Leia Mais >
 

Novo estudo associa a ivermectina a ‘grande redução’ nas mortes por COVID-19

Novo estudo associa a ivermectina a ‘grande redução’ nas mortes por COVID-19
Uma recente revisão baseada em estudos revisados ​​por pares descobriu que o uso do medicamento antiparasitário ivermectina pode ...
Leia Mais >