Rússia e China: o pior momento da história está chegando

Por Gordon G. Chang 

Originalmente publicado pelo Gatestone Institute

Comentário

Em 1º de maio, na TV russa, o executivo de mídia frequentemente chamado de “porta-voz de Putin” instou o presidente russo a lançar um drone submarino Poseidon com uma “ogiva de até 100 megatons”. A detonação, disse Dmitry Kiselyov, criaria um maremoto de 1.640 pés que “mergulharia a Grã-Bretanha nas profundezas do oceano”. A onda atingiria a metade do pico mais alto da Inglaterra, Scafell Pike.

“Esta onda também é portadora de doses extremamente altas de radiação”, apontou Kiselyov. “Surgindo sobre a Grã-Bretanha, transformará o que resta deles em deserto radioativo, inutilizável para qualquer coisa. O que você acha dessa perspectiva?”

“Um único lançamento, Boris, e não há mais Inglaterra”, disse Kiselyov, dirigindo-se ao primeiro-ministro britânico.

A ameaça seguiu-se a uma de 28 de abril feita por Aleksey Zhuravlyov, presidente do partido pró-Kremlin Rodina. No programa “60 Minutes”, transmitido pelo Canal 1, da TV russa, ele pediu a Putin que bombardeie a Grã-Bretanha com um Sarmat, o maior e mais pesado míssil do mundo.

O programa observou que um míssil lançado do enclave russo de Kaliningrado levaria 106 segundos para atingir Berlim, 200 segundos para chegar a Paris e 202 segundos para destruir Londres.

A designação da OTAN para o Sarmat é “Satan II”.

O próprio Putin entrou na brincadeira. Pouco antes de enviar suas forças através da fronteira da Ucrânia, ele alertou sobre “consequências que você nunca encontrou na história”. Em 27 de fevereiro, ele colocou suas forças nucleares em alerta máximo. Em 1º de março, o líder russo realmente classificou seus submarinos de mísseis balísticos e lançadores de mísseis móveis baseados em terra no que foi chamado de exercício. Em 4 de maio, o Ministério da Defesa russo anunciou “lançamentos eletrônicos” em Kaliningrado de seu míssil balístico móvel Iskander com capacidade nuclear.

A Rússia tem uma doutrina nuclear conhecida como “escalar para diminuir” ou, mais precisamente, “escalar para vencer”, que contempla ameaçar ou usar armas nucleares no início de um conflito convencional.

A China, que em 4 de fevereiro emitiu uma declaração conjunta com a Rússia sobre sua parceria sem limites, neste século vem fazendo ameaças não provocadas periodicamente para destruir as cidades dos estados que de alguma forma a ofenderam. Em julho do ano passado, por exemplo, o regime chinês ameaçou bombardear o Japão por seu apoio a Taiwan. Em setembro, a China emitiu uma ameaça semelhante contra a Austrália porque se juntou aos Estados Unidos e ao Reino Unido no pacto AUKUS, um acordo para manter a estabilidade na região. Em março deste ano, o Ministério da Defesa da China prometeu as “piores consequências” para os países que ajudam Taiwan a se defender. A ameaça parecia dirigida especialmente contra a Austrália.

Este mês, a Coreia do Norte disse que, além de usar armas nucleares para retaliar um ataque, pode lançar armas nucleares para atacar outros.

Não pode ser um bom sinal que Rússia, China e Coreia do Norte estejam ao mesmo tempo ameaçando lançar o armamento mais destrutivo do mundo.

Por que os regimes mais perigosos do planeta estão fazendo tais ameaças?

Primeiro, Putin mostrou ao mundo esses avisos de fato intimidantes. Como Peter Huessy, membro sênior do Hudson Institute, me disse em março, escalar para vencer pressupõe que ameaças nucleares “coagirão um inimigo a se retirar e não lutar”. Como as democracias ocidentais em grande parte recuaram e claramente não estão lutando na Ucrânia, Pequim e Pyongyang querem sucessos semelhantes.

Em segundo lugar, Putin e o governante chinês Xi Jinping poderiam fazer tais ameaças porque não respeitam as nações vistas como inimigas. “A retirada fracassada do Afeganistão e a falta de vontade de apoiar efetivamente a Ucrânia desde nossa garantia de 1994 e especialmente no ano passado levaram os inimigos com armas nucleares a aumentar as ameaças aos EUA e seus aliados”, disse Huessy, também presidente da GeoStrategic Analysis à Gatestone no início deste mês. “Eles sentem uma crescente fraqueza americana”.

“Assim como Vladimir Putin, o Partido Comunista Chinês perdeu o medo do poder americano”, disse-me Richard Fisher, do Centro Internacional de Avaliação e Estratégia, com sede na Virgínia, logo após a invasão russa da Ucrânia. “As ameaças nucleares da China expõem a arrogância do Partido diante da percepção da fraqueza americana, expõem o risco da falta de um dissuasor nuclear regional dos EUA e expõem a inadequação da liderança dos EUA”.

Terceiro, considerações internas podem facilitar a realização dessas ameaças. Muitos dizem que o momento mais perigoso desde a Segunda Guerra Mundial foi a crise dos mísseis cubanos em outubro de 1962. Talvez ainda mais perigoso foi o impasse do Checkpoint Charlie em Berlim em outubro anterior. No entanto, tanto Kennedy quanto Khrushchev sabiam que nunca deveria haver uma troca nuclear. A questão hoje é se Putin e Xi também sabem disso. Talvez não.

Essas ameaças podem revelar que os líderes desses regimes compartilham uma mentalidade de “últimos dias no bunker”. Tanto a Rússia quanto a China, embora de maneiras diferentes, são governadas por regimes em perigo, o que significa que seus líderes, sem dúvida, têm baixos limites de risco.

Seja qual for o motivo das ameaças, Putin e Xi disseram a todos o que pretendem fazer. Infelizmente, os líderes ocidentais estão determinados a não acreditar neles.

Em resposta às ameaças russas, o presidente Joe Biden em 28 de fevereiro disse que o povo americano não deveria se preocupar com uma guerra nuclear. Pelo contrário, há todos os motivos para se preocupar.

De acordo com o pensamento ocidental, presidentes e primeiros-ministros quase sempre ignoraram as ameaças nucleares, esperando não dignificá-las. Infelizmente, essa postura apenas encorajou os criadores de ameaças a fazer mais ameaças. Quanto mais tarde a comunidade internacional confrontar russos, chineses e norte-coreanos beligerantes, mais perigosos serão os confrontos.

O mundo, portanto, parece estar se aproximando rapidamente do pior momento da história.

“Uma guerra nuclear não pode ser vencida e nunca deve ser travada”, Biden afirmou em junho do ano passado. Pode ser. Putin, que emitiu essas palavras em conjunto com o presidente americano, pode pensar que pode fazer uma e até vencer.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva
David Stillwell, é um general de brigada americano reformado. De 2011 a 2013 ele foi diplomata na embaixada ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >