Romance Nuclear dos Três Reinos

Por Frank Tian Xie

O Romance dos Três Reinos é o famoso clássico chinês que poucos chineses não sabem de cor, onde lealdade e comprometimento, confiança e traição, estratégia nacional e táticas militares, e grande sabedoria e esperteza são representados em detalhes vívidos neste Romance do século XIV. Embora este episódio histórico tenha ocorrido na dinastia Han, hoje em dia, não só renasce nas séries de videogames, mas também na península coreana.

Os novos três reinos a que estou me referindo são China, Coréia (Sul e Norte) e os Estados Unidos, e o novo romance é muito mais conflituoso, e até mesmo nuclear, quando esses três países se acotovelam com estratégias de grandeza que podem afetar o futuro da humanidade.

A crise nuclear e de mísseis da Coréia do Norte está se tornando ainda mais urgente em setembro de 2017, com todas as forças e conflitos se fundindo e o carma mau se instalando. Todas as discussões sobre o assunto, porém, foram todas centradas em se os EUA permitiriam que a Coreia do Norte desenvolvesse um míssil com ponta nuclear para atingir o território continental dos EUA, por que este estado desonesto está tão determinado a desenvolver seu arsenal nuclear, por que China e Coreia do Norte estão enfrentando um ao outro, a verdadeira posição da China sobre a questão, se há um consenso sobre como resolver a crise entre a China e a América, e até que ponto a política de apaziguamento de Moon Jae-in continuará, etc. Ainda assim, fundamentalmente, a questão central em torno da crise nuclear norte-coreana depende do futuro do comunismo em nosso mundo, e se a humanidade irá, sob a liderança de Trump, erradicar todas as ditaduras comunistas que ainda existem hoje.

Se Israel, África do Sul, Paquistão e Índia podem possuir ou já possuíram armas nucleares, por que a Coreia do Norte não pode? Alguns podem perguntar. Em última análise, aos olhos da América e do mundo livre, é porque este é mais um estado comunista que tenta ter armas nucleares, enquanto o mundo já viu o suficiente com a União Soviética e a China P.R. A Coreia do Norte foi esclarecida e mostrada com precedência na busca e no caminho nuclear chinês, e o mundo simplesmente não consegue tolerar ainda mais regimes comunistas e autoritários com esta ferramenta poderosa.

O governo comunista chinês sempre apoiou a Coréia do Norte comunista, e a China sempre vetou no Conselho de Segurança da ONU as resoluções condenando o programa nuclear norte-coreano, até muito recentemente. A postura da China deu uma guinada dramática e sutil desde que Xi Jinping e Trump tiveram aquele encontro histórico em abril deste ano no retiro de Trump em Mar-a-largo. Depois dessa reunião, pela primeira vez, a China votou a favor das sanções da ONU contra a Coreia do Norte. É digno de nota que tal ato da China violou um tratado entre a RPC e a RPDC que remonta à década de 1950, onde uma parte do tratado forneceria “assistência militar e outra” se a outra parte estivesse em guerra e “nenhuma das duas participaria de qualquer aliança, grupo, ações ou medidas hostis à outra parte”.

Não é inimaginável especular que entre Xi e Trump deve ter havido consenso e concessões feitas para que Trump pudesse interromper sua planejada guerra comercial com a China; e Xi deve ter mudado dramaticamente a posição da China sobre a questão nuclear da RPDC, para que Trump suprima e adie uma de suas maiores promessas de campanha e agenda doméstica. Se Xi realmente fez tais concessões, isso deve significar que ele está determinado a abandonar o regime comunista da Coreia do Norte. E o próximo passo lógico após o fim do regime da RPDC deve ser desistir ou desintegrar o regime comunista chinês, para que a China não seja o estado comunista solitário sem a companhia e a proteção estratégica da RPDC. É difícil imaginar que Trump, determinado a ser contra o comunismo e a repressão e a conduzir os Estados Unidos a valores conservadores e tradicionais, trataria Xi, um líder comunista, como amigo e parceiro, se Xi não assumisse esse tipo de compromisso.

O desenvolvimento posterior no cenário mundial mostra que Xi, de fato, abandonou a Coreia do Norte. O mundo testemunhou, com espanto e surpresa, a reviravolta, a separação e a hostilidade total entre os dois irmãos de sangue e os Estados comunistas amigos em batalha. Obviamente, a política pró-americana e contra a RPDC de Xi e seu plano para eventualmente transformar o PCC encontraram enorme oposição dentro do próprio partido comunista, e é por isso que parece haver polarização e relatórios confusos sobre a política norte-coreana da China. Por um lado, a China parece ter se unido ao Ocidente nas sanções contra a RPDC, mas, por outro lado, o comércio e o apoio à RPDC parecem continuar inabaláveis. Um especialista da Escola Central do Partido do PCC disse que “as sanções (contra a RPDC) não funcionariam se a estrutura política da RPDC não fosse afetada”. Isso mostra a dura luta dentro do próprio PCC, enquanto um lado quer abandonar a Coréia do Norte e se alinhar com a América, e o outro lado proteger a Coréia do Norte e contra a América.

Mas o tempo está se esgotando para o regime comunista chinês e Xi deve tomar uma decisão logo. Trump disse publicamente que está disposto a cortar todos os laços comerciais e econômicos com os países que se recusam a interromper o comércio com a Coreia do Norte.

Aparentemente, o público-alvo é a China. O comércio exterior da Coreia do Norte é mínimo, fora dos 100 maiores países do mundo, mas 83% de suas exportações e 85% de suas importações são com a China. O próximo maior parceiro comercial com a Coreia do Norte, a Índia, respondeu por apenas cerca de 3 por cento do comércio exterior da RPDC. Por outro lado, a China responde por 9,3 por cento das exportações dos EUA e 21 por cento das importações dos EUA, portanto, a China não tem capacidade nem vontade de perder seus interesses comerciais com a América por causa da RPDC. O próximo passo para a China trabalhar com os EUA é cortar todo o seu comércio e fornecimento de energia para a RPDC. Uma vez que o fornecimento de energia (a China fornece 90 por cento do petróleo importado pela Coreia do Norte) é cortado, é o mesmo que sufocar Kim Jong-un, e o confronto final e o ato de decapitação certamente estariam à vista.

Um tipo de opinião afirma que a China nunca será capaz de desistir da RPDC, visto que serve como uma “zona tampão estratégica” para a China. Isso está desatualizado e perto da visão. O conceito de “zona tampão” tornou-se obsoleto quando munições guiadas com precisão e armas de longo alcance tornaram-se tão predominantes hoje. Aos olhos dos estrategistas chineses, a península coreana nunca é a maior ameaça à China, seja no norte, no sul ou na Coréia unificada. Eles vêem o Japão como a maior ameaça à China, e a Coréia poderia ser uma “zona-tampão” para a ameaça japonesa, mesmo se estiver unificada sob o sul.

A segunda Guerra da Coreia parece “travada e carregada” e não começou porque todos os lados têm suas próprias preocupações. A China sob o governo de Xi está pronta para abandonar a Coréia comunista, mas a oposição dentro do partido persiste, e a China teme que uma furiosa Coréia do Norte jogue sua bomba nuclear contra o vizinho do norte que os traiu. Moon Jae-in ainda mantém sua política de conciliação e pacificação, embora menos agora, por causa de uma falta de compreensão mais profunda do comunismo e dos estados comunistas. A América está, como disse o que agora partiu Steven Bannon, preocupada com retaliações maciças de artilharia da RPDC que poderiam matar centenas de milhares em Seul instantaneamente se a decapitação e o bombardeio de precisão não fossem 100% bem-sucedidos. Todos os lados têm suas preocupações e todos têm suas apreensões.

Os confrontos entre os três países dos EUA, China e Coreia (Sul e Norte) são de fato semelhantes aos confrontos entre os três estados de Cao Wei, Shu Han e Eastern Wu no romance clássico do Romance dos Três Reinos, exceto que o confronto se torna nuclear hoje. A América é o todo-poderoso Cao Wei, que tem o mandato celestial do imperador e está pronto para varrer e engolir os outros dois estados. A China é o menos poderoso Eastern Wu que tem a vantagem topográfica e está dançando entre os outros dois. A Coreia do Norte (mais a do Sul) é a mais fraca e solitária, lutando entre os dois gigantes no leste e no norte. Shu Han é severa e firmemente contra Cao Wei, assim como a hostilidade e a postura não negocial entre a RPDC e os EUA. Dentro de Eastern Wu, havia a facção que deseja trabalhar com Cao Wei e a facção que deseja apoiar Shu Han. E dentro do partido comunista chinês, existem as duas facções também, apoiando a RPDC contra os EUA e apoiando os EUA e abandonando a RPDC.

O confronto na península coreana é, em última análise, um confronto entre o comunismo e o mundo livre. Como isso terminaria? No Romance dos Três Reinos, Shu Han foi o primeiro a perder, e Eastern Wu foi derrotado mais tarde, e Cao Wei alcançou a vitória total. Em nosso mundo de hoje, um desfecho semelhante poderia muito bem ser o resultado: a RPDC vai primeiro, o comunista chinês vai em seguida e o mundo livre prevalece.

Dizem que Trump é Ronald Reagan 2.0. Na verdade, Trump adotou muitos dos ideais e até mesmo slogans da era Reagan. A maior conquista de Ronald Reagan foi facilitar a dissolução do antigo reduto comunista da União Soviética, e a maior conquista de Donald Trump será, como parece mais aparente à medida que a Terra gira, facilitar a dissolução de todos os estados comunistas restantes, incluindo o maior estado comunista da China. No total, restam apenas quatro estados comunistas no mundo hoje: China, Vietnã, Cuba e Coréia do Norte. As políticas de Trump em relação ao Vietnã e Cuba estão funcionando, usando meios econômicos e comerciais, agora vem a Coréia do Norte e, quem sabe, em breve, muito provavelmente a China também.

Dr. Frank Tian Xie é John M. Olin Palmetto Chair Professor in Business e Associate Professor of Marketing na University of South Carolina Aiken, em Aiken, South Carolina, EUA. No momento de desenvolver e escrever este artigo, originalmente em chinês, ele recebeu uma bolsa do Ministério das Relações Exteriores da República da China (Taiwan) e um Visiting Scholar no Public Economic Policy Research Center da National Taiwan University.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Rússia corta fornecimento de energia elétrica da Finlândia

Rússia corta fornecimento de energia elétrica da Finlândia
O fornecedor russo de energia RAO A Nordic Oy cortou o fornecimento de eletricidade para a Finlândia no ...
Leia Mais >
 

“RÚSSIA CONSIDERA ESSA UMA ‘GUERRA SANTA’ CONTRA O OCIDENTE”: EX-ASSESSOR DE PUTIN | ENTREVISTA

“RÚSSIA CONSIDERA ESSA UMA ‘GUERRA SANTA’ CONTRA O OCIDENTE”: EX-ASSESSOR DE PUTIN | ENTREVISTA
O que se passa na mente de Vladimir Putin? O Dr. Andrei Illarionov. Andrei foi assessor econômico de ...
Leia Mais >
 

“FINLÂNDIA PRECISA SE CANDIDATAR À OTAN ‘SEM DEMORA’”: PRIMEIRA-MINISTRA

“FINLÂNDIA PRECISA SE CANDIDATAR À OTAN ‘SEM DEMORA’”: PRIMEIRA-MINISTRA
A primeira-ministra da Finlândia disse que o país precisa entrar na OTAN “sem demora”. A nação tem se ...
Leia Mais >
 

ALLAN DOS SANTOS, DO TERÇA LIVRE, FALA SOBRE ÚLTIMO BANIMENTO E LIBERDADE DE IMPRENSA

ALLAN DOS SANTOS, DO TERÇA LIVRE, FALA SOBRE ÚLTIMO BANIMENTO E LIBERDADE DE IMPRENSA
Allan dos Santos, jornalista e fundador do canal Terça Livre, teve uma nova conta no youtube banida nesta ...
Leia Mais >