Rio+20 e Cúpula dos Povos: um balanço entre dois mundos

Os especialistas Sérgio Abranches e Fátima Mello abrem o ciclo de debates Conversas no Museu, no Jardim Botânico, Rio de Janeiro, com um balanço sobre os resultados da Rio+20. (Márcia Cunha/The Epoch Times)Debate no Museu do Meio Ambiente, no Rio, avalia resultados das conferências oficial e paralela sobre desenvolvimento sustentável

RIO DE JANEIRO – O primeiro debate do ciclo Conversas no Museu, promovido nesta terça-feira (3) pelo Museu do Meio Ambiente no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, avaliou os resultados das cúpulas oficial e paralela da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável. Fátima Mello, membro do comitê facilitador da sociedade civil e uma das organizadoras da Cúpula dos Povos, iniciou o debate destacando que houve uma disputa de agendas entre a Cúpula dos Povos e a Rio+20.

“A Cúpula dos Povos pressionou os governos a avançar nos compromissos, mas devido à crise global isso não foi possível. Então as sociedades deslocaram a disputa para fora da discussão política e foram para as ruas mostrar a indignação popular com a falta de compromissos dos Governos”, afirmou. Segundo ela, os Governos estão relutando para ver quem vai pagar a transição para a tão falada ‘economia verde’.

Fátima avaliou como sucessos da Cúpula dos Povos as manifestações nas ruas e a “convergência de movimentos nas plenárias para discutir questões comuns entre mulheres, negros, índios, quilombolas, jovens, trabalhadores rurais e urbanos, religiões e comunidades tradicionais de todo o mundo”. Citou como exemplo o Terra Livre, acampamento anual de todas as etnias indígenas, que se integrou à Cúpula dos Povos.

“A Cúpula dos Povos não surgiu hoje. Foi um movimento que veio se articulando desde a Rio92”, explica Fátima. “Hoje estamos mais maduros”. Para ela, hoje, o grande desafio dos movimentos globais é como ganhar escala para a disputa no campo da política. “No Brasil, os movimentos sociais ainda são minorias. Os índios estão dispostos a morrer para não deixarem construir Belo Monte, porque sabem que após ela virão outras (usinas hidrelétricas)”, afirmou, lembrando que 11 ativistas contra o megaempreendimento estão sendo processados.

Dois dias depois da Rio+20, dois pescadores que participaram ativamente da Cúpula dos Povos foram assassinados, após receberem sucessivas ameaças de morte e uma repentina desarticulação da segurança pública na região. Membros da Associação Homens e Mulheres do Mar (AHOMAR), eles defendiam a pesca artesanal contra empreendimentos na Baía de Guanabara.

“A ideia de justiça ambiental no Brasil é que os impactos são diferenciados e portanto as responsabilidades também são diferenciadas. Então é através dos direitos das comunidades mais afetadas que virá a preservação ambiental. A ideia é que tem de dar autonomia e condições às comunidades”, afirma.

Para ilustrar, Fátima cita a prática da agroecologia no Sertão nordestino que, com seis mil cisternas, está derrubando a indústria da seca e intercambiando experiência com o Complexo do Alemão, grande conjunto de favelas na região norte da cidade do Rio de Janeiro.

A articuladora, que também é historiadora e mestre em relações internacionais, afirmou que o texto final da Declaração da Cúpula dos Povos apresentada na Rio+20 reflete as decisões das plenárias. “As próximas lutas globais estão usando a nossa experiência. O que se conseguiu construir na Cúpula dos Povos se leva para os movimentos para dar continuidade”, concluiu.

O cientista político e especialista em negociações climáticas internacionais Sérgio Abranches avaliou os avanços e impasses da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável. Segundo ele, a Rio+20 foi pautada por uma crise geral do modelo político, social, econômico e ecológico. “Os governos não sabem para onde vão num momento de maior transição do modelo.” Disse ter ficado surpreso por nem as coisas mais inexpressivas terem sido objeto de acordo na Rio+20. Ele acredita ter faltado liderança, “já que o Governo anfitrião possui poder político”.

Para Abranches, o mais importante da conferência da ONU não aconteceu no Riocentro, local de realização da Rio+20, mas nos eventos paralelos. As decisões da Cúpula dos Povos; a reunião de cientistas nacionais e internacionais, na PUC-Rio, para definir o papel da ciência para uma economia mais sustentável; a Cúpula dos Prefeitos das grandes metrópoles mundiais, no Forte de Copacabana, em que se discutiu soluções para as mudanças climáticas que as cidades têm sofrido; e a “nuvem” de compromissos voluntários entre ONGs, empresas, governos regionais e universidades da ordem de 513 bilhões de dólares (cerca de 1,6 trilhão de reais) para promover o desenvolvimento sustentável.

Na avaliação do especialista, que também é comentarista de ecopolítica da rádio CBN, colaborador do blog The Great Energy Challenge, parceria entre o Planet Forward e a National Geographic, e autor de ‘Copenhague: Antes e Depois (Civilização Brasileira, 2010)’, o fraco resultado da Rio+20 decorreu da retirada dos conflitos das discussões, o que teria esvaziado a conferência.

“A grande surpresa da Rio+20 foi que hoje sabemos mais e ainda assim fizemos muito menos”, disse. Sérgio lembrou que, de 1992 até hoje, foram desenvolvidas mais de mil especialidades científicas em áreas como clima e biodiversidade. “Desta vez, nem as coisas mais triviais geraram consenso”, lamentou.

Mas ponderou que negociações ambiciosas nunca foram esperadas deste tipo de encontro multilateral: “A solução é de baixo para cima, ou seja, os países têm que começar a mudar e aí levar para o plano global as suas soluções, os seus compromissos. A solução é doméstica”, afirmou.

O debate foi encerrado com o consenso dos debatedores de que os povos atingidos pelas mudanças ambientais devem participar das decisões que envolvem a transição para o novo mundo que está se criando.

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >
 

Enchentes mortíferas na China

Enchentes mortíferas na China
Por NTD Notícias O senador Marco Rubio na terça-feira disse em tuite que o fechamento do instituto Confúcio ...
Leia Mais >