Retrato do artista como pai de família

Por Yvonne Marcotte 

Muitos artistas pintam autorretratos ao longo de suas carreiras. Nós os vemos como eles querem ser vistos, proeminentes na sociedade, em roupas boas, talvez portando um símbolo de sua importância.

Em um de seus autorretratos, “Brita and Me (auto retrato)” (1895), o artista sueco Carl Larsson (1853-1919) fica de pé, com os pés abertos, em um piso de tábuas de madeira desgastadas. Ele está vestido com um terno azul forrado de vermelho e tem uma expressão de pura alegria, pois carrega nos ombros o símbolo de sua importância – sua filha. 

Você pode ouvir a filha do artista, Brita, rir enquanto mostra sua alegria por estar nos ombros de seu pai, como a maioria das crianças; ela torce as mãos de uma maneira despreocupada que mostra total confiança de que seu pai a impedirá de cair. Enquanto equilibra a filha com uma mão, Larsson segura delicadamente um pequeno pincel de artista na outra.

Infância idílica, não

Larsson foi privado de uma família amorosa e carinhosa enquanto crescia. Ele vivia na pobreza e foi abusado por um pai que o expulsou, junto com seu irmão e sua mãe. Sua mãe levou seus filhos pequenos para morar em um pequeno quarto que dividiam com outras duas famílias. 

Em seu romance autobiográfico, “Jag”, Larsson escreveu que “a penúria, a sujeira e o vício prosperavam lá, vagarosamente fervilhando e fumegando, corpos e almas comidos e podres”.

No entanto, desde cedo, sua habilidade artística foi reconhecida e ele pode receber aulas de arte. Ele se mudou para Paris quando cresceu para aprender mais e aprimorar suas habilidades. Lá ele conheceu sua esposa, Karin, que se especializou em design de interiores. Depois de casados, o casal voltou para a Suécia.

Uma família modelo

A habilidade de Larsson como artista proporcionou à sua família de oito pessoas um lar amoroso e seguro. Seus filhos eram seus modelos favoritos, e ele os pintava com frequência. Ele retratou as crianças em suas atividades durante o dia e em dias especiais ao longo do ano.

Ele costumava fazer retratos individuais de seus filhos. “Esbjorn Fazendo seu Dever de Casa” (1910) mostra exatamente o contrário: Esbjorn não está fazendo sua lição de casa, mas está pensando em outras coisas enquanto uma brisa entra pela janela aberta. O jovem olha com um olhar sonhador, enquanto um espelho reflete a imagem de seu pai pintando a cena. O retrato de Esbjorn bebê no colo de sua mãe (1900) mostra como ele está satisfeito por agarrar aquela extensão engraçada, o dedo do pé. Seu sorriso diz tudo. Ele o tem e não vai desistir.

“Esbjorn fazendo sua lição de casa”, 1910, por Carl Larsson. Aquarela sobre papel. Coleção privada (Domínio Público)
“Esbjorn fazendo sua lição de casa”, 1910, por Carl Larsson. Aquarela sobre papel. Coleção privada (Domínio Público)
“Esbjorn”, 1900, de Carl Larsson. Aquarela sobre papel. Museu de Arte de Gotemburgo (Domínio Público)
“Esbjorn”, 1900, de Carl Larsson. Aquarela sobre papel. Museu de Arte de Gotemburgo (Domínio Público)

O retrato de sua filha Lille Matts (1912) mostra uma garotinha envolta em lã vermelha quente da cabeça aos pés. Sua expressão mostra uma ânsia de sair; ela está pronta para sentir o frio em suas bochechas.

“Lille Matts Larsson”, 1912, de Carl Larsson. Aquarela sobre papel. Museu Nacional da Suécia (Domínio Público)
“Lille Matts Larsson”, 1912, de Carl Larsson. Aquarela sobre papel. Museu Nacional da Suécia (Domínio Público)

O Natal é um dos principais dias de festa do calendário sueco, e é uma época feliz para a família Larsson. A aquarela de Larsson “Manhã de Natal” (1894) mostra seus filhos brincando com seus presentes. Quase se pode ouvir o pequenino em primeiro plano jogando pedras em um pequeno balde; o menino mais velho atrás de um veleiro viking à esquerda coloca patins que podem ser usados ​​muito em breve. Uma garota à direita se inclina para a frente em uma cadeira, suas mãos cuidadosamente percorrendo as páginas lisas de seu novo livro. Depois, há o intérprete de pé na cama rangendo, ainda com pijamas, dando ordens a seus soldados com grande entusiasmo; atrás dele, o sorriso da criança diz tudo: ela adora seu presente. A sala cheira a ramos de pinheiro espalhados. Cada criança desfruta dos prazeres da estação à sua maneira.

“Manhã de Natal”, 1894, de Carl Larsson. Aquarela sobre papel. Proprietário desconhecido (Domínio público) 
“Manhã de Natal”, 1894, de Carl Larsson. Aquarela sobre papel. Proprietário desconhecido (Domínio público)

Autorretrato de um pai

Larsson pintou vários retratos de si mesmo no trabalho. “Autorretrato com Brita” (1898) mostra-o com um de seus filhos no colo enquanto pinta. Tudo o que vemos é o rosto da criança sob uma cabeleira desgrenhada, talvez recém-saída de um cochilo. A criança descansa tranquilamente no colo do pai, e Larsson parece muito contente por ter o pequeno com ele. É claro que sua arte tem sua importância no contexto familiar.

“Autorretrato com Brita”, 1898, de Carl Larsson. Coleção privada (Domínio Público)
“Autorretrato com Brita”, 1898, de Carl Larsson. Coleção privada (Domínio Público)

Às vezes, Larsson fazia um autorretrato no qual ele não está em lugar algum, mas sabemos que ele está lá porque sua filha o vê do lado de fora da tela. Em sua aquarela “Peek-a-Boo” (1901), é fácil não ver o pequeno espreitando de um banco vermelho no quarto do pai. Sua bengala está apoiada na cadeira oposta, e seu chapéu repousa sobre papéis na mesa. Seus pincéis de artista estão cuidadosamente amontoados em um alto pote de cerâmica sobre a mesa entalhada. Vemos expectativa no rosto da criança esperando o reaparecimento do artista, que também é seu pai.

“Peek-a-Boo”, 1901, de Carl Larsson. Aquarela sobre papel. Coleção privada (Domínio Público)
“Peek-a-Boo”, 1901, de Carl Larsson. Aquarela sobre papel. Coleção privada (Domínio Público)

Outro autorretrato (1906) mostra o artista espremendo, entre outras coisas, o tecido de uma boneca arlequim. Larsson está nos dizendo o que é importante para ele. O artista segurando uma boneca boba dá uma visão da mente infantil do pintor. A felicidade vem da criação de um mundo que as crianças possam desfrutar.

Aquarelas animadas

 Embora o artista tenha feito pinturas a óleo, sua criatividade fluiu através de suas aquarelas, e este meio lhe deu seu maior sucesso. A transparência brilhante do meio funcionou bem com os desenhos de sua esposa nas paredes e portas. O editor alemão Karl Robert Langewiesche publicou as aquarelas e desenhos de Larsson em “Das Haus in der Sonne” (“A Casa ao Sol”) em 1909. O livro se tornou um best-seller com 40.000 cópias vendidas em três meses; houve mais de 40 tiragens desde então.

Autorretrato, 1906, de Carl Larsson. Aquarela sobre papel; 37,6 polegadas por 24,21 polegadas; Galeria Uffizi-Florença, em Florença, na Itália (Domínio Público)
Autorretrato, 1906, de Carl Larsson. Aquarela sobre papel; 37,6 polegadas por 24,21 polegadas; Galeria Uffizi-Florença, em Florença, na Itália (Domínio Público)

 O romance autobiográfico do artista, “Jag”, não alcançou a fama de outras obras literárias, como “Retrato do artista quando jovem”, de James Joyce, mas esse livro de memórias expressava o que sua família significava para ele. Sua família e seu lar “tornaram-se a parte mais imediata e duradoura do trabalho da minha vida. Pois essas fotos são, claro, uma expressão muito genuína da minha personalidade, dos meus sentimentos mais profundos, de todo o meu amor ilimitado por minha esposa e filhos”.

Muitas vezes referido como o artista mais amado da Suécia, Carl Larsson valorizava sua família tanto quanto seu trabalho. Seus filhos eram tanto obras de criatividade quanto as pinturas, aquarelas e gravuras que ele produzia. Larsson morreu em Falun, na Suécia, aos 65 anos.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva
David Stillwell, é um general de brigada americano reformado. De 2011 a 2013 ele foi diplomata na embaixada ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >