Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong

Por Eva Fu

Dois jornalistas da edição de Hong Kong do The Epoch Times disseram que estavam sendo seguidos por supostos seguranças depois de avistar uma pessoa e um carro de polícia incomum perto deles nos últimos dias.

A edição local do Epoch Times é um dos poucos veículos de mídia independentes em Hong Kong, e muitos deles são pró-Pequim ou parcialmente financiados por Pequim.

Sarah Liang, repórter do Epoch Times e apresentadora de um popular programa do YouTube entrevistando proeminentes ativistas pró-democracia de Hong Kong, descobriu que um homem de meia-idade vestido de preto a observava enquanto Liang estava em um cruzamento de rua próximo ao movimentado distrito de Cheung Sha Wan em 10 de agosto.

Isso aconteceu por volta das 14h quando Liang foi jantar com um amigo. O homem, que era uma das poucas pessoas na rua no momento, falava cantonês em seu celular enquanto olhava na direção de Liang. Liang disse que ficou alarmada ao perceber que o homem a seguia por uma curta distância enquanto ela caminhava e continuou a segui-la depois que ela virou à direita.

Liang entrou em um shopping próximo na tentativa de se livrar dele e fingiu estar fazendo compras. Olhando de dentro, Liang viu que o homem deu alguns passos à frente e pensou que ele havia sumido. Quando Liang saiu momentos depois, ela descobriu que o homem estava na porta, aparentemente esperando por ela. Depois que Liang fez contato visual com ele, o homem imediatamente se virou e foi embora apressado.

Liang tirou uma foto dele quando ele saiu.

Um homem vestido de preto foi fotografado seguindo um repórter de Hong Kong na área de Kowloon, em Hong Kong, em 12 de agosto de 2020 (Sarah Liang / The Epoch Times)
Um homem vestido de preto foi fotografado seguindo um repórter de Hong Kong na área de Kowloon, em Hong Kong, em 12 de agosto de 2020 (Sarah Liang / The Epoch Times)

Outro repórter que mora na Ilha de Hong Kong também viu um carro da polícia estacionado perto de sua residência no mesmo dia.

Esses incidentes aconteceram depois que a polícia de Hong Kong prendeu Jimmy Lai, um magnata da mídia de 71 anos que fundou o jornal pró-democracia local Apple Daily, sob suspeita de conluio com forças estrangeiras em violação da nova lei de Segurança de Pequim. Depois disso, cerca de 200 policiais visitaram a redação do Apple Daily, a certa altura escoltando Lai algemado pelo escritório.

Pequim reforçou seu controle sobre o território depois de impor diretamente a lei, que criminaliza a secessão, subversão, atividades terroristas e conluio estrangeiro até prisão perpétua.

Muitos amigos preocupados que souberam da prisão de Lai imediatamente contataram Liang para lembrá-la de ter cuidado, disse Liang. A ativista Agnes Chow disse em um post no Facebook que, nos últimos dias, vários grupos de três ou quatro homens se revezaram para patrulhar fora de sua casa de manhã à noite, o que foi particularmente notável porque ela mora em uma área rural. Chow também foi presa na segunda-feira.

“É chocante, mas só posso continuar fazendo o que acredito”, escreveu Chow em 9 de agosto. Joshua Wong, outro ativista importante no movimento de protesto em Hong Kong, também escreveu recentemente que foi seguido por carros e veículos motorizados suspeitos.

Embora Liang tenha dito que está mais vigilante do que o normal devido ao atual clima político, ela ficou surpresa que alguém a estivesse seguindo. Ao expor o que ela suspeita serem “táticas de intimidação”, ela espera dissuadir as pessoas de se alimentar da atmosfera misteriosa de Hong Kong. “Criar esse ‘terror branco’ também não fará nenhum bem”, disse Liang em uma entrevista.

A classificação da liberdade de imprensa de Hong Kong já subiu de 18º em 2002 para 80º em 2020, de acordo com o Índice Mundial de Liberdade de Imprensa da Repórteres Sem Fronteiras, um órgão de vigilância da mídia internacional. A China Continental ocupa a 177ª posição entre 180.

A lei de segurança nacional que entrou em vigor na véspera de 1º de julho, que marca o 23º aniversário do retorno da ex-colônia britânica ao domínio chinês, contém “uma série de disposições que podem enganar os jornalistas”, disse Steven Butler, Coordenador do programa para a Ásia do Comitê para a Proteção de Jornalistas (CPJ), um grupo de defesa com sede em Nova Iorque, em uma declaração em 11 de agosto.

A lei é vaga ao descrever o que constitui cada crime. O governo de Hong Kong detalhou as regras de implementação uma semana depois, dizendo que ao fazer isso a lei permite que a polícia reviste qualquer local ou dispositivo eletrônico em busca de evidências e grampear os telefones das pessoas sem um mandado.

A polícia monta guarda em um shopping depois que pessoas protestaram contra a liberdade de imprensa em Kong em 11 de agosto de 2020 (Isaac Lawrence / AFP via Getty Images)
A polícia monta guarda em um shopping depois que pessoas protestaram contra a liberdade de imprensa em Kong em 11 de agosto de 2020 (Isaac Lawrence / AFP via Getty Images)

O CPJ citou uma pesquisa realizada recentemente com jornalistas locais. “É ridículo tentar adivinhar onde está a linha vermelha. Se fizéssemos isso, literalmente não poderíamos fazer nada. Eles podem interpretar a lei da maneira que quiserem, da maneira que for mais adequada aos seus propósitos”, disse ao CPJ, sob anonimato, um editor de um site de notícias chinês.

A edição de Hong Kong do Epoch Times condenou o assédio a membros da imprensa em um comunicado de 11 de agosto, dizendo que o incidente de Liang representou um “grave atropelo à liberdade da mídia”. Ele também pediu mais atenção internacional sobre a liberdade de imprensa de Hong Kong e a segurança pessoal dos jornalistas.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
 
 

Desmascarando as mentiras do Partido Comunista Chinês

Desmascarando as mentiras do Partido Comunista Chinês
Confrontar o regime chinês é uma das principais prioridades da administração Trump. O objetivo final é acordar o ...
Leia Mais >
 

Caças chineses entraram no espaço aéreo de Taiwan pelo menos 46 vezes na semana passada

Caças chineses entraram no espaço aéreo de Taiwan pelo menos 46 vezes na semana passada
Bombardeiros e caças chineses entraram no espaço aéreo de Taiwan pelo menos 46 vezes de 17 a 24 ...
Leia Mais >
 

FBI descobre cédulas de correio descartadas de militares que votaram em Trump

FBI descobre cédulas de correio descartadas de militares que votaram em Trump
Cédulas de correio descartadas que continham voto para o presidente Donald Trump foram descobertas na Pensilvânia, anunciaram as ...
Leia Mais >
 

Grande explosão

Grande explosão
Uma explosão dentro de um laboratório da Huawei na China. Faz parte do centro de pesquisa da gigante ...
Leia Mais >