Repórter do Epoch Times é perseguida por homem não identificado em Hong Kong

Por Frank Yue

Uma repórter da edição de Hong Kong do Epoch Times disse que foi recentemente perseguida na rua por um homem não identificado.

A repórter local Sarah Liang foi a uma loja pró-democracia para dar uma entrevista na tarde de 26 de abril. Quando ela saiu da estação MTR Prince Edward,  ela encontrou um homem de meia-idade a seguindo, usando um chapéu e fones de ouvido.

Liang propositalmente circulou a vizinhança algumas vezes para despistá-lo.

“Ele parecia saber onde era meu destino”, disse Liang, “porque entrou diretamente na loja que eu estava programada para visitar enquanto ele não podia me ver”.

Liang confrontou o homem e o questionou enquanto gravava com seu celular, dizendo: “Por que você está me seguindo?”

O homem afastou-se, negando a acusação, dizendo: “Não te conheço”.

“Então por que você me seguiu até aqui desde a estação Prince Edward se você não me conhece?” Liang perguntou. “Você é um repórter de Ta Kung Pao?”

Ta Kung Pao é um jornal pró-Pequim veterano, afiliado ao Escritório de Ligação do Governo Popular Central em Hong Kong.

Depois disso, o homem de repente começou a correr. Liang tentou persegui-lo, gritando sua pergunta novamente. O homem fugiu rapidamente.

Liang achou que o homem devia se sentir estranho com o que estava fazendo. “Se eu realmente o tivesse prejudicado, ele poderia ter esclarecido sua inocência. Por que ele fugiu? ” ela disse.

Ela disse, “Ta Kung Pao é o porta-voz do PCC”, acrescentando que o jornal publicou um artigo pedindo ao governo de Hong Kong que banisse o Apple Daily em 20 de abril.

A mídia pró-Pequim e os funcionários do governo em Hong Kong estão decididos a fechar o jornal independente local Apple Daily – um dos poucos meios de comunicação livres remanescentes na cidade.

O Apple Daily foi fundado pelo magnata da mídia de Hong Kong Jimmy Lai, que em 16 de abril foi condenado a 14 meses de prisão por participar dos protestos pró-democracia anti-Pequim em Hong Kong em 2019.

Sarah Liang (L) e sua colega protestam contra a supressão da liberdade de imprensa pelo PCC em Hong Kong em 26 de abril de 2021 (Sarah Liang / The Epoch Times)

Não foi a primeira vez que a repórter do Epoch Times foi rastreada.

Dois dias antes, em 24 de abril, um entregador  entrou no prédio de Liang depois de registrar seu nome como “Liao” na entrada.

O homem subiu as escadas e bateu na porta da casa de Liang, alegando que um amigo estrangeiro de sobrenome Cheng o encarregara de entregar um grande pacote que estava lá embaixo.

Liang respondeu que não tinha tal amigo.

O homem perguntou: “Você não é Sarah Liang?”

Liang continuou a perguntar quem ele era, qual era o número de telefone de seu amigo Cheng e qual era o pacote.

O homem tropeçava e não conseguia se explicar.

“Você é um espião do PCC?” Liang perguntou. O homem não respondeu diretamente e apenas disse que havia registrado seu nome lá embaixo.

Quando ele se virou, Liang saiu e tirou uma foto dele. Ela não encontrou nenhum pacote.

Liang estava convencida de que o homem só veio confirmar o endereço dela.

“Sinto que o PCC está me intimidando, dizendo: ‘Você está na tela do radar’. Eles conseguiram encontrar meu endereço. Isso é extremamente maligno. Não fizemos nada de errado. Estamos apenas empenhados em cobrir a verdade”, disse Liang.

Ela também mencionou incidentes direcionados ao Epoch Times em Hong Kong.

Em 19 de novembro de 2019, quatro incendiários mascarados entraram em uma gráfica pertencente ao Epoch Times em Tsuen Wan, Hong Kong, e provocaram um incêndio que danificou equipamentos de impressão.

Nas primeiras horas de 12 de abril deste ano, quatro homens invadiram novamente a impressora e usaram marretas para danificar computadores e equipamentos de impressão, em seguida, roubaram um computador enquanto fugiam.

Cheryl Ng, porta-voz da edição de Hong Kong, disse que a tática era característica do PCC e tinha o objetivo de silenciar o veículo independente que reportava sobre tópicos que não se encaixavam na narrativa do regime comunista.

Em 27 de abril, Liang foi à delegacia de Mong Kok, relatou o incidente de rastreamento e solicitou uma investigação para garantir a segurança de sua família.

Ao mesmo tempo, ela condenou veementemente a supressão da liberdade de imprensa pelo PCC e a intimidação de repórteres em Hong Kong. Ela disse que continuaria a defender a liberdade de expressão da cidade e nunca desistiria de cobrir a verdade como jornalista.

Zhang Xiaohui e Alex Wu contribuíram para este artigo.

 
 
 

Legisladores, especialistas e organizações condenam ataque a repórter do Epoch Times em Hong Kong

Legisladores, especialistas e organizações condenam ataque a repórter do Epoch Times em Hong Kong
Legisladores, especialistas e organizações em todo o mundo condenaram o ataque mais recente e brutal a uma repórter ...
Leia Mais >
 

O departamento de justiça e a IRS estão investigando a maior transação em criptomoeda do mundo por suspeita de atividades criminosas.

O departamento de justiça e a IRS estão investigando a maior transação em criptomoeda do mundo por suspeita de atividades criminosas.
Por NTD Notícias O departamento de justiça e a IRS estão investigando a maior transação em criptomoeda do ...
Leia Mais >
 

Mais de 280 navios chineses em águas Filipinas; Passeatas protestando a morte misteriosa de um estudante chinês

Mais de 280 navios chineses em águas Filipinas; Passeatas protestando a morte misteriosa de um estudante chinês
Por NTD Notícias Um adolescente chinês foi encontrado morto no campus de seu ensino médio. Milhares de pessoas ...
Leia Mais >
 

O preço da gasolina está subindo e há filas nas bombas, enquanto os oleodutos se recuperam de um ataque cibernético.

O preço da gasolina está subindo e há filas nas bombas, enquanto os oleodutos se recuperam de um ataque cibernético.
Por NTD Notícias A escassez de combustível piora no sudeste. O preço da gasolina está subindo e há ...
Leia Mais >