Regime chinês está ‘em seus últimos dias’, afirma ex-embaixador dos EUA

Por Eva Fu

WASHINGTON —Beijing está mostrando “um sinal de fraqueza” com sua crescente “guerra à fé”, disse o ex-embaixador dos EUA para a liberdade religiosa internacional, Sam Brownback.

“É um sinal de que um regime chegou ao fim”, disse Brownback ao Epoch Times na Cúpula Internacional sobre Liberdade Religiosa realizada em Washington em 14 de julho. “Ficou mais difícil, não mais aberto. Tornou-se mais brutal, não mais libertador. Adotou táticas de intimidação em vez de cooperação aberta.”

Em contraste, um “regime de confiança” reconhece abertamente suas deficiências, em vez de perseguir seus críticos, disse Brownback.

A crescente crueldade e brutalidade do Partido Comunista Chinês (PCC), bem como a vigilância onipresente de alta tecnologia, disse ele, “são indicações de um regime em seus últimos dias”.

“Não é assim que um governo confiante avança.”

Cada vez mais, os países ao redor do mundo que uma vez “olharam para o outro lado” por medo de ofender o regime estão se tornando mais vocais sobre os abusos dos direitos humanos de Pequim, disse o ex-embaixador, observando que a tendência começou após a postura mais dura da administração Trump em relação ao regime.

Nos últimos meses, os Estados Unidos e outros países repreenderam coletivamente o PCC por sua repressão em Xinjiang e Hong Kong. Enquanto isso, aumenta a pressão por um boicote diplomático aos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Pequim, à luz do tratamento dado pelo Partido aos cidadãos chineses.

“Há apenas um período em que você pode abusar de seus parceiros e amigos antes que eles digam: ‘Não vou aguentar mais isso'”, disse ele, apontando para a cadeia de países que bloquearam a Huawei, uma empresa de telecomunicações chinesa que os Estados Unidos designaram como uma ameaça à segurança nacional.

Mesmo na China, o desejo de controle do PCC provavelmente sairá pela culatra, disse Johnnie Moore, um ex-comissário da Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos.

“Eles têm que mudar de curso”, disse ele ao Epoch Times.

O ex-secretário de Estado Mike Pompeo fala na Cúpula Internacional de Liberdade Religiosa em Washington em 14 de julho (Sherry Dong / The Epoch Times)

Os oradores da cúpula incluíram o ex-secretário de Estado Mike Pompeo e o atual chefe do Departamento de Estado, Anthony Blinken, junto com vários congressistas, ativistas de direitos humanos e sobreviventes de perseguição religiosa.

Pompeo em 14 de julho referiu-se à declaração, feita nos últimos dias da administração Trump sobre a repressão aos uigures em Xinjiang como genocídio, que desde então tem sido replicada por um número crescente de aliados dos EUA.

“Não existe mais direito fundamental para a sociedade”, disse ele sobre a liberdade religiosa.

“Sempre dizemos ‘nunca mais’, cada um de nós diz. Mas quando qualquer país, incluindo os Estados Unidos, tolera a tirania, a história se repete “, disse Pompeo.

Menos de uma semana após o 22º aniversário do início da perseguição do regime ao grupo religioso Falun Gong , Brownback tinha uma mensagem para os praticantes: “Não desista da luta.”

O regime de Pequim implantou “algumas de suas táticas diabólicas mais hediondas” contra o Falun Gong, “táticas horríveis que, na pior das hipóteses, são medievais”, disse ele.

“Eles não foram esquecidos”, disse ele. “O Partido Comunista Chinês pode estar em guerra com a fé, mas é uma guerra que eles não vencerão.”

“A história da humanidade está repleta de regimes e governos que perseguem os fiéis. (…) No curto prazo, o governo pode infligir muita dor. Eles podem exercer grande perseguição, mas no longo prazo, eles nunca ganham ”, disse ele.”O espírito é mais forte do que a carne.”

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
 
 

Cerca de 3.000 praticantes do Falun Gong foram perseguidos e assediados nos últimos meses

Cerca de 3.000 praticantes do Falun Gong foram perseguidos e assediados nos últimos meses
A polícia chinesa assediou cerca de 3.000 praticantes do Falun Gong nos últimos dois meses, de acordo com ...
Leia Mais >
 

Navios de guerra chineses entram em zona americana

Navios de guerra chineses entram em zona americana
Navios de guerra chineses entraram na zona econômica exclusiva americana. A mídia estatal chinesa disse ser uma medida ...
Leia Mais >
 

Investidores de empresa chinesa exigem seu dinheiro de volta

Investidores de empresa chinesa exigem seu dinheiro de volta
Um novo surto do vírus do PCC atinge a China. Um homem testa positivo após 3 semanas em ...
Leia Mais >
 

Taiwan serve como ‘fortaleza marítima’ para impedir expansão da China no Pacífico, diz ministro

Taiwan serve como ‘fortaleza marítima’ para impedir expansão da China no Pacífico, diz ministro
TAIPEI, Taiwan - A ilha autônoma é uma "fortaleza marítima" que bloqueia a expansão de Pequim para o ...
Leia Mais >