Regime chinês anuncia campanha de expurgo aludindo a brigas internas entre facções

Por Nicole Hao

Autoridades chinesas de alto escalão anunciaram recentemente que o Partido Comunista iniciaria um expurgo da poderosa Comissão de Assuntos Políticos e Jurídicos (PLAC), uma agência do Partido que supervisiona o aparato de segurança do país, incluindo a polícia, tribunais e prisões.

O Partido Comunista Chinês (PCC) completará o expurgo no primeiro trimestre de 2022, pouco antes do seu 20º congresso nacional, uma conferência que é realizada a cada cinco anos para determinar a próxima sucessão de líderes do Partido Comunista.

O PLAC era anteriormente a fortaleza dos rivais políticos do atual líder do Partido Xi Jinping – isto é, funcionários leais ao ex-líder do Partido Jiang Zemin.

Desde que Xi assumiu o poder em 2012, ele lançou uma ampla campanha anticorrupção que derrubou muitos de seus oponentes, incluindo altos funcionários do PLAC.

Nos últimos anos, o poder do PLAC diminuiu, depois que Xi retirou o cargo de chefe do PLAC do Comitê Permanente do Politburo, o principal órgão de decisão do Partido.

Mas especialistas dizem que o anúncio de um expurgo futuro indica que Xi ainda está lutando para manter os funcionários do PLAC na linha.

Delegados do Partido Comunista Chinês participam da conferência legislativa fantoche do regime em Pequim, China, em 28 de maio de 2020 (Kevin Frayer / Getty Images)
Delegados do Partido Comunista Chinês participam da conferência legislativa fantoche do regime em Pequim, China, em 28 de maio de 2020 (Kevin Frayer / Getty Images)

Campanha

Em 8 de julho, o secretário-geral do PLAC, Chen Yixin, organizou uma reunião em Pequim para lançar a campanha de “limpeza”.

“As equipes do PLAC [em todo o país] são impuras, injustas e carecem de força executiva. Alguns membros até violam a lei e a disciplina. Eles são cavalos ruins, têm um impacto ruim e causaram grandes danos”, disse Chen. “Temos que virar a espada para enfrentar (…) para lidar com o problema”.

Chen anunciou que cinco distritos de cinco províncias, bem como duas prisões na cidade de Harbin, no nordeste, iniciarão a campanha de julho a outubro como o primeiro julgamento. Então, o país inteiro implementaria a campanha de 2021 ao primeiro trimestre de 2022.

Chen apontou “seis doenças rebeldes” que a campanha tinha como alvo: funcionários do PLAC que interferem no sistema judicial; funcionários que operam empresas; funcionários que possuem ações em empresas privadas ou emprestam dinheiro com juros; cônjuges ou filhos de funcionários que operam negócios ilegais; funcionários que encurtam as sentenças dos prisioneiros ou as libertam após receber suborno ou outros favores especiais; e funcionários que “controlam” casos criminais.

Embora a iniciativa pareça ser uma campanha anticorrupção, a menção de eliminar os “maus cavalos” do Partido refere-se a livrar-se de funcionários que comprometem a estabilidade do PCC.

O comentarista de assuntos chineses da China, Tang Jingyuan, analisou que o Partido busca alcançar dois propósitos com a campanha de expurgo.

“Uma é eliminar os oficiais que têm poder, mas que não seguem a liderança de Xi Jinping”, disse Tang, pois Xi pode estar preocupado com o fato de o PLAC se tornar uma facção anti-Xi e “se tornar o segundo Comitê do Partido Central ”, referindo-se ao comitê de mais de 200 altos funcionários do Partido.

O outro objetivo é desviar o público chinês das crises atuais, como depressão econômica, pandemia, inundações e outros desastres. “O PCC quer convencer as pessoas de que todas as coisas ruins foram feitas por esses chamados cavalos maus”, disse Tang em entrevista.

O Comitê Permanente do Politburo do Partido Comunista Chinês, principal órgão de decisão do país (da esquerda para a direita): Han Zheng, Wang Huning, Li Zhanshu, líder chinês Xi Jinping, primeiro-ministro Li Keqiang, Wang Yang e Zhao Leji se encontrou com a imprensa no Grande Salão do Povo em Pequim em 25 de outubro de 2017 (Wang Zhao / AFP via Getty Images)
O Comitê Permanente do Politburo do Partido Comunista Chinês, principal órgão de decisão do país (da esquerda para a direita): Han Zheng, Wang Huning, Li Zhanshu, líder chinês Xi Jinping, primeiro-ministro Li Keqiang, Wang Yang e Zhao Leji se encontrou com a imprensa no Grande Salão do Povo em Pequim em 25 de outubro de 2017 (Wang Zhao / AFP via Getty Images)

“Segurança política”

No início deste ano, o Partido também lançou um esforço destinado à coesão do Partido.

Em 21 de abril, a mídia estatal da Xinhua informou que o Comitê Central do PCC criou uma “equipe de coordenação para a construção pacífica da China”. O presidente do PLAC, Guo Shengkun, liderará a equipe.

Recentemente, em 6 de julho, o site operado pelo Supremo Tribunal da China, o “People’s Court News”, informou que a equipe de coordenação estabeleceu um ramo de “segurança política” liderado por Lei Dongsheng, vice-secretário geral do PLAC.

Dentro da política do PCC, “segurança política” refere-se à segurança e estabilidade do regime do PCC. Segundo o relatório, Lei disse que “o politicamente correto” é uma prioridade.

Até agora, neste ano, dois altos funcionários que fizeram suas carreiras no sistema PLAC foram recentemente expulsos.

Em 19 de abril, o vice-ministro da Segurança Pública da China, Sun Lijun, foi detido por uma investigação interna do Partido. Em 8 de maio, Sun foi demitido oficialmente de seu posto.

De 20 de abril a 5 de maio, o ministro da Justiça da China, Fu Zhenghua, um membro da facção de Jiang Zemin que se opôs ao governo Xi, foi retirado de várias posições que ocupava no sistema jurídico.

Sun e Fu foram promovidos por Meng Jianzhu, presidente do PLAC de 2012 a 2017, e outro membro importante da facção Jiang. Vários outros subordinados de Meng foram demitidos em maio e junho.

Uma fonte de Pequim disse à edição chinesa do Epoch Times em abril que Sun foi demitido porque estava envolvido em um plano de golpe, no qual a facção de Jiang estava competindo para substituir Xi.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América – o manual do Partido Comunista Chinês

 

 
 
 

Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin – Capítulo II

Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin – Capítulo II
Os dias de Jiang Zemin estão contados. É apenas uma questão de quando, e não se, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês ...
Leia Mais >
 

Grande explosão

Grande explosão
Uma explosão dentro de um laboratório da Huawei na China. Faz parte do centro de pesquisa da gigante ...
Leia Mais >
 

Incêndio no laboratório de teste da Huawei deixa três mortos

Incêndio no laboratório de teste da Huawei deixa três mortos
Em 25 de setembro, ocorreu um incêndio em um prédio nos laboratórios de testes da tecnologia 5G situado ...
Leia Mais >
 

Vírus segue laços do PCC com o Brasil

Vírus segue laços do PCC com o Brasil
Coveiros trabalhando sem parar, hospitais levados ao limite. O Brasil está entre os mais atingidos pelo vírus do ...
Leia Mais >