Rainha da beleza que fez China “fugir” diz que muitos chineses vivem na cultura do medo, diante do risco de perseguição

Por Melanie Sun

Ela deixou de ser promovida como uma estrela internacional na mídia estatal da China depois de ganhar o Miss Mundo Canadá, e viu o sustento de seu pai ser destruído por  não  ficar quieta sobre os abusos dos direitos humanos em seu país de origem.

Agora, Anastasia Lin é está fazendo um estágio supervisionado de um mês no think tank australiano Centre for Independent Studies.

A atriz de 29 anos, descrita em um editorial da Globe and Mail como a rainha da beleza que a China viu e fugiu, revelou em uma entrevista íntima que muitas diásporas chinesas em todo o mundo disseram a ela que se preocupam com a perseguição de seus colegas chineses, incluindo seus próprios familiares, devido à cultura do medo incutido nas mentes chinesas pelo partido comunista.

Ela disse que os comunistas na China trabalharam para criar um “medo muito artificial” entre a população, levando muitos chineses do continente a se sentirem “obrigados a perseguir” pessoas que enfrentam o governo.

“Você é obrigado a andar na linha do partido e reprimir seus colegas chineses”, disse Lin em uma entrevista ao centro de estudos do Menzies Research Center.

Ela deu o exemplo do que a polícia fez para um estudante do ensino médio em Adelaide.

“Ela me disse que quando seu pai voltou para a China – porque sua família é uma diáspora sincera aqui na Austrália – a polícia foi ‘tomar uma xícara de chá com ele’.

“Ser convidado para o chá é uma maneira chinesa de dizer que você está sendo ameaçado pela polícia em uma conversa particular”, explicou ela. “Eles disseram a ele que, se ela continuar falando sobre coisas que o governo chinês não gosta, a filha … quando ela se inscrever na Universidade de Adelaide, seu pedido poderia ser negado. E isso é aqui na Austrália.

“Infelizmente, algumas universidades australianas … estão aplaudindo Pequim, silenciando a liberdade de expressão, cancelando oradores que são sensíveis ao governo chinês e não permitindo a esses alunos um ambiente seguro para realmente estudar o que eles vêm estudar aqui” ela disse.

Lin disse que conhece bem a história da intimidação do Partido Comunista Chinês (PCC).

Seu pai, que era um empresário de muito sucesso na China, exigiu que Lin parasse de falar publicamente sobre abusos de direitos humanos na China depois que ela ganhou o título de Miss Mundo Canadá, em Vancouver em 2015.

“Pare de fazer isso ou você estará arruinando a família”, ele disse a Lin, levando-a a perceber que ele estava sendo ameaçado pela polícia.

“Quando ganhei pela primeira vez e a mídia chinesa estava relatando sobre isso de uma maneira legal, pessoas de toda a China enviaram mensagens me parabenizando”, lembrou ela. “A mídia chinesa chegou a entrevistá-lo e escreveu que ele era um pai maravilhoso que havia criado uma filha extremamente extraordinária”.

Miss World Canada Anastasia Lin
Miss Mundo Canadá Anastasia Lin fala aos repórteres em um evento em sua homenagem no The Spoke Club, no centro de Toronto, em 15 de dezembro de 2015 (Matthew Little / Epoch Times)

Mas quando ele ameaçou abandoná-la, Lin disse que uma coisa ficou clara para ela: o regime chinês estava usando “a mesma tática que eles usaram na revolução cultural ao fazer com que as famílias se separassem,  a sociedade  desmoronasse, o inimigo público fosse executado … é uma coisa horrível”.

“Eu acho que o que os comunistas [estavam] tentando fazer era se apoderar [dos laços familiares], aquele instinto muito básico dos seres humanos. E isso é exatamente o que eles estão tentando fazer comigo.”

Lin disse depois de alguma busca em sua alma, que ela entendeu que as ações de seu pai estavam sendo movidas pelo medo. Foi quando ela decidiu que não queria repetir o que a geração anterior fizera e ouvir sua própria voz.

“Eu senti que depois de tomar essa decisão, eu cheguei mais perto e mais perto do jeito que eu realmente quero viver, como um ser consciente”, disse ela.

Anastasia Lin
Anastasia Lin em uma imagem do filme “Badass Beauty Queen” (Cortesia Lofty Sky Entertainment)

Segundo Lin, essa situação trágica é a mesma enfrentada por muitas famílias chinesas em todo o mundo.

“Eles estão usando isso como uma arma”, disse ela sobre o regime,”para criar medo entre outros chineses”. Eles controlam a China usando as ferramentas da mentira e da manipulação”.

Deturpando, manipulando

Lin diz que eventos recentes na história da China, como a revolução cultural, “deturparam e manipularam” o povo chinês do continente – algo que ela observou depois de se mudar para o Canadá de Hunan, China, aos 13 anos.

“Eu não estou sendo racista aqui”, disse ela. “Imagine um animal realmente lindo sendo de repente forçado a entrar no modo de combate e despojado de toda a sua elegância natural com a qual nasceu”, disse ela, após refletir sobre sua vida na China continental. Lin era uma líder comunista da juventude na China, encarregada de organizar seus colegas de classe para assistir a vídeos obrigatórios de propaganda e repetir os slogans do partido comunista.

Mas ela disse ao se mudar para o Canadá, ela viu uma grande diferença entre o continente e outros chineses.

Anastasia Lin
Anastasia Lin e sua mãe durante a formatura de Lin no Canadá (Cortesia de Anastasia Lin)

“Quando visitei Taiwan, vi os burocratas taiwaneses, o modo como estavam agindo … de repente, senti essa alegria”, disse ela. “É quase como se eu tivesse visto o que a China seria, poderia ser se os comunistas não assumissem. Há aquela gentileza, aquela graça que nossos ancestrais transmitiram.

“No passado, porque os chineses acreditavam no divino – nós tínhamos Deus e, claro, o comunismo é ateu. Assim, para eles, a crença tradicional em si é o maior inimigo do partido comunista, porque é seu obstáculo para obter o controle total sobre as mentes e os corações dos cidadãos chineses.

“É por isso que a revolução cultural não foi um acidente; não foi um erro estratégico de Mao. Foi uma erradicação deliberada do maior inimigo do partido comunista chinês.”

Chinese official
Um oficial chinês é acompanhado pelas ruas de Pequim pelos Guardas Vermelhos em 25 de janeiro de 1967. As palavras em seu boné o acusam de ser um “batedor de carteiras”. Durante o reinado de Mao Zedong (1949-1977), muitos cidadãos chineses e funcionários foram acusados de crimes políticos e rotulados de “inimigos de classe” e “contra-revolucionários” (Associated Press)

Lin acrescentou que, em sua opinião, a diferença entre a China e o Ocidente não é que os chineses não queiram ou que não celebrem a liberdade.

“Na China, queremos liberdade também. Mas ela não está lá; ela foi tirada pelo partido comunista chinês. Essa é a diferença.

Ela encorajou o Ocidente a não achar que a liberdade está garantida. Caso contrário, será necessário lutar por isso como os manifestantes em Hong Kong.

“Esse é o privilégio que nossos ancestrais… nossos avós e pais conseguiram, e vivemos em uma sociedade em que podemos ser livres. Não considere isso garantido.”

Anastasia Lin discursará no Centro de Estudos Independentes, em 22 de agosto, para debater se será “o momento de se tornar mais resistente com a República Popular da China”.

 
 
 

Em meio a protestos, Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia

Em meio a protestos, Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia
O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou hoje (10), em um pronunciamento transmitido a partir da cidade de Cochabamba, sua ...
Leia Mais >
 

Itamaraty apoia novas eleições na Bolívia e expõe profunda preocupação com fraude

Itamaraty apoia novas eleições na Bolívia e expõe profunda preocupação com fraude
Por Davi Soares, Diário do Poder Antes do anúncio da renúncia de Evo Morales ao cargo de presidente ...
Leia Mais >
 

MTur abre credenciamento para agências receberem turistas chineses

MTur abre credenciamento para agências receberem turistas chineses
As inscrições para agências de viagens brasileiras receberem turistas chineses começa nesta terça-feira (5), segundo informações do Ministério ...
Leia Mais >
 

Câmara Legislativa do DF instala sistema de energia fotovoltaica

Câmara Legislativa do DF instala sistema de energia fotovoltaica
A Câmara Legislativa do Distrito Federal finaliza a instalação de um parque de geração de energia solar. Com ...
Leia Mais >