Quarta dose da vacina da COVID-19 não impede infecção pela Ômicron, afirma estudo israelense

Por Zachary Stieber 

Uma segunda dose de reforço da vacina Pfizer contra a COVID-19 induz anticorpos mas provavelmente não em um nível alto o suficiente para proteger contra a infecção da variante Ômicron do vírus, afirmaram pesquisadores israelenses na segunda-feira.

O Sheba Medical Center está estudando 150 profissionais da saúde que receberam um segundo reforço, ou uma quarta dose.

“Duas semanas após a administração da quarta vacina, vemos um bom aumento nos anticorpos, maior do que após a terceira dose, mas não alto o suficiente contra a Ômicron”, declarou o pesquisador principal, Prof. Gili Regev-Yochay, a repórteres em um briefing online.

A Ômicron é uma variante do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), que causa a COVID-19.

A Ômicron provou ser melhor em evitar anticorpos induzidos pelas vacinas contra a COVID-19 do que as cepas anteriores e infectou milhões de pessoas vacinadas em todo o mundo nas últimas semanas, desencadeando um esforço renovado para aumentar as doses de reforço nas pessoas.

Israel, um dos países mais vacinados do mundo, viu as taxas de casos dispararem após o surgimento da Ômicron.

Os primeiros dados indicaram que o primeiro reforço restaurou parte da proteção perdida contra a infecção, mas que a proteção caiu novamente após apenas algumas semanas. Resultados semelhantes chegaram para o segundo reforço, de acordo com resultados preliminares do estudo Sheba, que ainda não foi publicado.

“Vemos um aumento de anticorpos, maior do que após a terceira dose. No entanto, vemos muitos infectados com a Ômicron que receberam a quarta dose. Reconhecidamente, um pouco menos do que no grupo de controle, mas ainda muitas infecções”, afirmou Regev-Yochay a repórteres.

Enquanto a vacina protegeu bem contra as variantes Alpha e Delta, “para a Ômicron não é boa o suficiente”, acrescentou ela.

A Pfizer não retornou imediatamente uma consulta de informações.

No início deste mês, Israel começou a oferecer uma quarta dose da vacina da Pfizer para idosos e profissionais da saúde, apesar de poucos dados sobre como um segundo reforço afetaria os receptores.

Naftali Bennett, primeiro-ministro de Israel, havia divulgado resultados preliminares anteriores do estudo Sheba, que mostrou um alto nível de anticorpos uma semana após os trabalhadores receberem uma quarta dose.

“Temos novidades, grandes novidades. Uma semana após a quarta dose, sabemos com alto grau de certeza que a quarta dose é segura. Essa é a primeira notícia. A segunda notícia, sabemos que uma semana após a administração da quarta dose, vemos um aumento de cinco vezes no número de anticorpos na pessoa vacinada. Isso provavelmente significa um aumento significativo na proteção”, declarou ele a repórteres no centro médico no dia 4 de janeiro.

Outros países também começaram a oferecer a quarta dose para certas populações, incluindo Dinamarca e Estados Unidos.

Regev-Yochay afirmou que a medida para oferecer um segundo reforço para populações vulneráveis ​​“provavelmente está correta”, acrescentando que “pode trazer um pouco de benefício, mas provavelmente não o suficiente para apoiar a decisão de dar a toda a população”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Primeira sentença de prisão perpétua por guerra Rússia-Ucrânia é aplicada

Primeira sentença de prisão perpétua por guerra Rússia-Ucrânia é aplicada
Um soldado russo foi condenado por um tribunal ucraniano na segunda-feira à prisão perpétua depois que ele se ...
Leia Mais >
 

Destaques da semana: TWITTER: EXPOSTO VIÉS ESQUERDISTA; ELON MUSK; INFILTRAÇÃO CHINESA NO PERU; ENTREVISTAS

Destaques da semana: TWITTER: EXPOSTO VIÉS ESQUERDISTA; ELON MUSK; INFILTRAÇÃO CHINESA NO PERU; ENTREVISTAS
Noticiamos os vídeos vazados pela Project Veritas de funcionários do Twitter. Quando gravados em sigilo, eles afirmaram o ...
Leia Mais >
 

DESTRUIÇÃO CULTURAL DO OCIDENTE: ENTREVISTA

DESTRUIÇÃO CULTURAL DO OCIDENTE: ENTREVISTA
Douglas Murray é o autor do livro “A Guerra Contra o Ocidente”. Ele descreve como, nas suas palavras, ...
Leia Mais >
 

MÉDICO SOBREVIVENTE DE GENOCÍDIO COMUNISTA NO CAMBOJA EXPÕE ATROCIDADES – PARTE 2

MÉDICO SOBREVIVENTE DE GENOCÍDIO COMUNISTA NO CAMBOJA EXPÕE ATROCIDADES – PARTE 2
Na terça-feira você conheceu a história de Nal Oum, um sobrevivente do genocídio comunista no Camboja. Em 1975, ...
Leia Mais >