Qual é a posição de Biden e Trump em relação ao Partido Comunista Chinês?

Por Bowen Xiao

O candidato presidencial democrata Joe Biden e o presidente Donald Trump têm abordagens diferentes quando se trata de lidar com o Partido Comunista Chinês (PCC).

Os analistas e consultores políticos da China apontaram para as décadas de história de Pequim com Biden, que como senador dos EUA apoiou a entrada da China na Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2001, levando a relações comerciais regulares e permanentes com os Estados Unidos.

Pequim há muito é acusada de explorar sua posição na OMC como uma “nação em desenvolvimento” ao se envolver em uma onda de práticas comerciais injustas, que funcionários do governo Trump e especialistas lamentaram a impunidade – elas ocorreram por meio das regras atuais da OMC.

Biden tem criticado cada vez mais abertamente o regime por suas violações dos direitos humanos, enquanto sua campanha o retrata como alguém que enfrentaria a China economicamente. Trump, enquanto fechava um acordo comercial com a China, foi um crítico feroz de seus abusos aos direitos humanos, encontrando-se com vítimas da perseguição comunista no Salão Oval. Trump também levantou repetidamente a possibilidade de se desligar da China para acabar com a dependência da manufatura chinesa pelos Estados Unidos.

A maneira como ambos lidam com o PCC “difere em aspectos fundamentais, especialmente quando se trata de economia”, de acordo com Brian Kennedy, presidente do “Comitê do Perigo Presente: China” e autor de “Communist China’s War Inside America”. (“A guerra da China comunista nos Estados Unidos”).  

“O presidente Trump acredita que a China representa uma ameaça econômica à classe média americana e à nossa prosperidade futura como país”, disse ele ao Epoch Times. “O vice-presidente Biden é um globalista que acredita que os interesses econômicos do mundo, especialmente das nações em desenvolvimento, devem ser colocados antes dos Estados Unidos”.

“Infelizmente, [Biden] também vê a China como uma nação em desenvolvimento”, acrescentou. A campanha de Biden não respondeu imediatamente a um pedido de comentário do Epoch Times.

Trump considera o PCC responsável pelo roubo de propriedade intelectual, enquanto com Biden, “você vê um desejo contínuo de garantir que a RPC [República Popular da China] tenha acesso a Wall Street”, acrescentou Kennedy.

Em 2013, o governo Obama permitiu que empresas chinesas investissem nos mercados de capitais dos EUA sem que os reguladores dos EUA inspecionassem seus livros, após reuniões entre autoridades chinesas e Biden.

Michael Johns, ex-redator de discursos da Casa Branca para George H.W. Bush e analista de política externa da Heritage Foundation disse ao Epoch Times que Trump entende como a China manipulou seu papel nas organizações internacionais e como “está usando esforços agressivos e sofisticados para expandir sua influência militar, de inteligência e econômica em nível global”.

Sob Trump, os Estados Unidos se retiraram oficialmente da Organização Mundial da Saúde (OMS) em meio a preocupações de que o corpo fosse fortemente influenciado pelo regime chinês.

Quanto ao relacionamento de Biden com a China, não poderia haver uma diferença mais clara, disse Johns, que disse acreditar que não há dúvida de que Biden “alavancou” seu relacionamento com o PCC “para o benefício financeiro direto de seu filho” referindo-se a Hunter Biden. Isso vai contra as advertências de Trump, que datam de décadas atrás, sobre como a China estava “conscientemente tentando destruir nossa base de manufatura”, disse ele.

Biden e seu filho, que já foi membro do conselho de administração de uma empresa de private equity apoiada pela China, negaram publicamente qualquer delito no que se refere à China.

“Ao longo de sua carreira de 47 anos em Washington, Biden se dedicou a apoiar (…) uma das maiores mentiras de política externa já contadas: que a ascensão econômica da China levaria a mais moderação e liberalização em sua abordagem na América e no mundo livre, e em suas situações de direitos humanos em seu próprio país”, disse Johns.

Enquanto a economia da China cresceu de cerca de “US $ 300 bilhões em 1980 para US$ 14 trilhões no ano passado”, seus líderes comunistas “tornaram-se mais, não menos, agressivos”, disse Johns, acrescentando que o PCC representa agora uma das “situações de direitos humanos mais horríveis para qualquer país”.

Funcionários da inteligência dos EUA concluíram que Pequim quer que Trump perca este ano. A mídia estatal chinesa expressou abertamente apoio à vitória de Biden na presidência, dizendo que seria “mais fácil de lidar” para o regime do que com Trump.

Antecedentes com o PCC

Blair Brandt, um conselheiro político, disse que pela veracidade da posição, histórico ou planos futuros, Trump reconhece claramente a ameaça que a China representa, enquanto Biden mantém a atitude dos governos anteriores.

“Trump provou repetidas vezes que fundamentalmente entende e está disposto a enfrentar a ameaça existencial da ascensão da China, enquanto Joe Biden parece disposto a deixar o status quo reinar”, disse Brandt ao Epoch Times.

“Não podemos mais permitir que empresas e empregos americanos, que deveriam estar dentro de nossas próprias fronteiras, ajudem o crescimento econômico da China, que ironicamente está sendo usado para ameaçar nossa segurança nacional nas forças armadas e no ciberespaço”, adicionou ele.

Biden inicialmente minimizou a ameaça representada pela China. Em um comício de campanha em Iowa em maio de 2019, Biden disse: “[Qual] China vai comer nosso almoço? Que isso, cara”.

“Quero dizer, você sabe, eles não são pessoas ruins, pessoal”, disse Biden na época. “Mas adivinhe, eles não são páreo para nós”.

Depois de receber muitas críticas por seus comentários, sua campanha assumiu um tom mais severo em relação à China.

O relacionamento de Biden com o líder chinês Xi Jinping é mais profundo. Os dois se conheceram quando Biden era vice-presidente. Em 2015, Biden observou que ele e Xi “tiveram inúmeras conversas privadas que vão muito além dos típicos pontos de conversa”.

“Eu disse isso ao presidente [Xi] após nossas muitas reuniões – que fiquei impressionado com a sinceridade do presidente, sua determinação e sua capacidade de lidar com o que herdou”, disse Biden.

William S. Bike, autor do livro “Winning Political Campaigns”, disse que Trump acreditava que a tentativa de Obama de cooptar a China como um parceiro estratégico foi um “fracasso” e que ele “havia adotato tanto um tom mais duro quanto a ações mais duras”.

Se Trump for reeleito, Bike espera que o tom duro e as políticas “aumentem ainda mais”.

“Se Biden for eleito, os Estados Unidos não poderão retornar imediatamente às políticas dos dias de Obama de parceria com a China, já que as relações estão muito tensas”, disse Bike ao Epoch Times por e-mail. “Em vez disso, Biden trabalhará para aumentar a competitividade econômica da América e fortalecer suas alianças e parcerias no Extremo Oriente para exercer pressão diplomática e econômica externa sobre a China para que se associe aos Estados Unidos”.

Em uma mesa redonda de 2011 em Pequim, Biden disse: “O presidente Obama e eu damos as boas-vindas, encorajamos e não vemos nada além de benefícios positivos fluindo do investimento direto por empresas e entidades chinesas nos Estados Unidos”.

O relacionamento anterior de Biden com Xi também lhe deu a oportunidade de “construir uma relação pessoal de trabalho com o presidente chinês”, de acordo com Bike.

Contra o PCC

Durante a campanha de 2016, Trump prometeu confrontar a China por suas práticas econômicas injustas. A abordagem do presidente durante seu primeiro mandato foi inigualável e firme, dizem analistas. Trump implementou uma abordagem de “todo o governo” à segurança nacional para conter a infiltração da China nos Estados Unidos, um esforço em grande escala não visto em administrações anteriores dos EUA.

Trump tem sancionado repetidamente as autoridades chinesas, entre outras coisas, por apoiarem a nova lei de segurança nacional autoritária da China em Hong Kong e por abusos dos direitos humanos contra uigures e outras minorias.

O diretor do FBI, Christopher Wray, revelou recentemente que a agência atualmente tem mais de 2.000 investigações ativas que datam do PCC, representando um aumento de cerca de 1.300% nas investigações de espionagem econômica vinculadas ao regime chinês.

Wray disse que a agência abre “uma nova investigação de contra-espionagem relacionada à China a cada 10 horas”.

O Departamento de Estado também criticou a “guerra contra a fé por décadas” realizada pelo PCC, incluindo a perseguição aos praticantes do Falun Dafa. Além disso, a administração Trump colocou na lista negra várias empresas apoiadas pela China devido aos abusos dos direitos humanos cometidos pelo regime.

Siga Bowen no Twitter: @BowenXiao_

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
 
 

Após eleições, política comercial dos EUA com a China será mais do mesmo, dizem especialistas

Após eleições, política comercial dos EUA com a China será mais do mesmo, dizem especialistas
Os Estados Unidos mudaram suas relações com o regime comunista chinês, e as relações comerciais estão destinadas, após ...
Leia Mais >
 

NASA escolhe Nokia para construir rede de telefonia móvel na Lua

NASA escolhe Nokia para construir rede de telefonia móvel na Lua
A Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) dos Estados Unidos escolheu a empresa de tecnologia Nokia para ...
Leia Mais >
 

Trump: conta em banco chinês?

Trump: conta em banco chinês?
Por NTD Notícias A eleição americana se aproximando destaca os negócios de cada candidato, particularmente com a China. ...
Leia Mais >
 

Sócio de Hunter Biden afirma que falou com Joe Biden sobre acordo com China

Sócio de Hunter Biden afirma que falou com Joe Biden sobre acordo com China
O ex-parceiro de negócios de Hunter Biden disse na quinta-feira que se encontrou com o ex-vice-presidente Joe Biden ...
Leia Mais >