Projeto de lei do orçamento de Biden remove proibição federal de financiar abortos

Por Tom Ozimek

A proposta de orçamento de US$ 6 trilhões do presidente Joe Biden para 2022 se distingue por excluir a Emenda Hyde , uma lei que por décadas bloqueou o financiamento federal de abortos sob o Medicaid , a menos que a gravidez indesejada coloque a vida da mãe em perigo ou seja o resultado de incesto ou estupro.

Antes que a Emenda Hyde entrasse em vigor em 1980, estimava-se que 300.000 abortos eram realizados a cada ano com fundos do contribuinte. Uma vez que a emenda é um “acessório” para o projeto de lei anual de dotações e não uma lei permanente, ela deve ser renovada pelo Congresso a cada ano, dando aos legisladores a oportunidade de modificar sua redação ou eliminá-la totalmente.

Os republicanos tentaram, sem sucesso, tornar a proibição permanente, enquanto os democratas tentaram removê-la. A decisão de Biden de excluir a emenda de sua proposta orçamentária levanta um possível debate no Congresso, no qual os republicanos provavelmente defenderão sua inclusão.

“Isso quebra décadas de precedentes estabelecidos ao pedir que o aborto seja financiado diretamente pelos contribuintes”, disse o líder da minoria na Câmara, Kevin McCarthy (R-Califórnia), na sexta-feira, comentando a medida de Biden.

Grupos que defendem um acesso mais fácil ao aborto saudaram a exclusão da Emenda Hyde, enquanto grupos pró-vida a condenaram.

“Por mais de quatro décadas, a política pró-vida da família Hyde manteve os contribuintes americanos fora do negócio do aborto e a própria Emenda Hyde salvou quase 2,5 milhões de vidas”, disse Marjorie Dannenfelser, presidente do grupo pró-vida Susan B. Anthony List, em um comunicado . “O orçamento de Biden joga aquele velho consenso bipartidário pela janela para cumprir uma promessa de campanha ao lobby radical do aborto.”

“A maioria dos americanos continua a se opor ao aborto financiado pelo contribuinte”, acrescentou Dannenfelser. “Exortamos nossos aliados no Congresso a não ter medo de lutar para preservar o princípio Hyde de interesse comum e rejeitar qualquer orçamento que omita proteções vitais pró-vida.”

Alexis McGill Johnson, presidente e CEO da Planned Parenthood , um grupo que defende o acesso mais fácil ao aborto, chamou a decisão de Biden de um “passo histórico na luta pela liberdade reprodutiva”, enquanto pede a revogação da emenda permanente.

“Com mais de 500 restrições ao aborto introduzidas em nível estadual este ano e um caso de aborto desafiando diretamente a lei Roe na Suprema Corte, precisamos de um administrador que apoie corajosamente a liberdade reprodutiva de todas as maneiras possíveis”, acrescentou McGill Johnson.

Biden apoiou a Emenda Hyde durante a maior parte de sua carreira política, mas mudou sua posição em 2019 enquanto fazia campanha para a presidência.

Embora o aborto seja legal nos Estados Unidos, as regulamentações variam de estado para estado, com alguns usando dinheiro público para cobrir o aborto e outros proibindo a prática.

A Suprema Corte dos Estados Unidos concordou em ouvir um caso que poderia anular o caso Roe v. Wade, a decisão de 1973 que legalizou o aborto em todo o país.

Siga Tom no Twitter: @OZImekTOM

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
 
 

Grupo bipartidário pede ‘revisão abrangente’ do financiamento dos EUA para pesquisa de vírus na China

Grupo bipartidário pede ‘revisão abrangente’ do financiamento dos EUA para pesquisa de vírus na China
Um grupo bipartidário de senadores está convocando o presidente Joe Biden para garantir que os Estados Unidos concluam ...
Leia Mais >
 

Autoridades chinesas destroem barragem

Autoridades chinesas destroem barragem
Por NTD Notícias Chineses, passaram dias e noites fortificando as margens de rios para evitar inundações, apenas para ...
Leia Mais >
 

Movimento fundado por Oswaldo Payá propõe medidas para isolar o regime comunista de Cuba

Movimento fundado por Oswaldo Payá propõe medidas para isolar o regime comunista de Cuba
O Movimento Cristão de Libertação (MCL) fundado pelo falecido Oswaldo Payá na terça-feira propôs medidas para isolar o ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >