Professor da Universidade de Pequim pede que Partido Comunista Chinês “desapareça da história”

Por Cathy He, Epoch Times

Apesar da regulação extrema de todas as informações e ideias que circulam dentro da China, ocasionalmente algumas vozes infiltram-se no bloqueio da internet e oferecem opiniões francas sobre o regime comunista chinês.

No Ano Novo, Zheng Yefu, professor de sociologia da prestigiosa Universidade de Pequim, fez exatamente isso. Ele arriscou uma possível retaliação publicando um artigo numa mídia social chinesa convocando o Partido Comunista Chinês (PCC) a “desaparecer da história”

Em um post intitulado “Por que a reforma política é difícil de ser alcançada”, Zheng disse que as políticas do PCC, durante seus quase 70 anos de governo, não beneficiaram fundamentalmente o povo chinês.

Para Zheng, a única maneira pela qual tanto o povo chinês quanto o partido governante poderiam se beneficiar é que o PCC “desapareça pacificamente da história”, usando meios não-violentos e com o mínimo de perturbação para a sociedade.

“Este é o melhor caminho para o povo chinês, para o partido e para os líderes do partido”, disse Zheng. “Não há melhor maneira.”

“Se todos os intelectuais se mantivessem fiéis à sua consciência e corajosamente falassem o que pensam, então a China não seria assim hoje”, disse Zheng.

Muitos internautas chineses apoiaram a mensagem de Zheng.

“É uma coisa realmente preciosa que o professor Zheng Yefu possa falar no momento. Seu pedido para o PCC desaparecer da história soa alto e claro”, disse um comentarista online.

O proeminente defensor dos direitos humanos de Pequim, Xiang Li, disse: “Esta é a declaração de Ano Novo de 2019 dos intelectuais públicos da China. [Eles] devem defender a liberdade. O PCC deve renunciar”.

“A maioria dos intelectuais não apoia a PCC”

Wang Juntao, um ativista democrata chinês que vive exilado nos Estados Unidos, disse à edição chinesa do Epoch Times que os intelectuais têm uma responsabilidade para com a sociedade.

“Há muito poucos intelectuais como Zheng Yefu que falam. Espero que mais intelectuais possam pensar em questões como Zheng Yefu [tem feito] ”, disse Wang, que passou três anos na prisão por participar dos protestos estudantis da Praça Tiananmen, em 1989.

Wang, ex-aluno da Universidade de Pequim, disse que a maioria dos intelectuais não apoia o PCC, mas eles não expressam publicamente essa visão.

“Quando falamos em particular, basicamente não conseguimos encontrar nenhum intelectual que diga que o PCC é bom”, disse ele.

Cada vez mais intelectuais estão perdendo a esperança de que o PCC realize reformas reais para que eles estejam dispostos a expressar seus pensamentos, de acordo com um ex-professor de economia da Universidade de Pequim, Xia Yeliang. No entanto, é pouco provável que as autoridades comunistas atendam a qualquer pedido de mudança, disse Xia.

Outros intelectuais decidem falar

As observações enfáticas de Zheng aconteceram uma semana depois que mais de cem acadêmicos e comentaristas compartilharem suas reflexões francas dos últimos 40 anos, desde as reformas econômicas do país, em um artigo publicado na mídia social em 29 de dezembro.

Em declarações de uma ou duas frases, intelectuais e figuras públicas deram sua avaliação do progresso da China desde que suas políticas econômicas foram “abertas” em 1978, e compartilharam suas opiniões sobre o significado da verdadeira reforma.

O artigo foi amplamente compartilhado entre os internautas chineses antes de ser derrubado pela censura. Muitos intelectuais exigiram liberdade de expressão e manifestação, maior liberalização econômica e eleições livres, enquanto outros falaram da morte da reforma na China.

“O futuro da China sempre estará na limitação do poder do governo e de uma sociedade civil forte”, disse o estudioso de Pequim Zhao Guojun, um dos intelectuais apresentados no artigo. “A reforma está morta, é hora de um governo constitucional.”

 
 
 

Vítimas silenciosas: um mundo oculto onde meninos são traficados

Vítimas silenciosas: um mundo oculto onde meninos são traficados
Meninos e homens constituem uma “porção significativa” de vítimas de tráfico humano, tanto nos Estados Unidos quanto internacionalmente.
Leia Mais >
 

Matteo Salvini garante que não abrirá portos da Itália ao navio da Open Arms

Matteo Salvini garante que não abrirá portos da Itália ao navio da Open Arms
O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, ordenou nesta terça-feira (13) que o navio da ONG Open ...
Leia Mais >
 

Especialistas ensinam como aumentar chances de sobrevivência contra atirador ativo (Vídeo)

Especialistas ensinam como aumentar chances de sobrevivência contra atirador ativo (Vídeo)
Depois de três tiroteios em massa no intervalo de uma semana, especialistas deram um passo à frente e ...
Leia Mais >
 

Malta, novo aliado de Maduro, que o ajuda a evitar sanções

Malta, novo aliado de Maduro, que o ajuda a evitar sanções
Malta, um arquipélago localizado no Mediterrâneo que fica entre a Sicília e a costa do norte da África, ...
Leia Mais >