Professor chinês perde licença por questionar números oficiais do coronavírus

Por Eva Fu

Um professor de escola primária chinês passou 10 dias em detenção e teve sua licença de ensino revogada por divulgar “comentários inapropriados” relacionados ao surto de coronavírus.

Song Junhong, 48, é um professor de escola primária em Wudang, um distrito na província de Guizhou, no sul.

Em 3 de fevereiro, ele escreveu em um grupo de bate-papo no WeChat, uma das maiores plataformas de mídia social chinesa, que não podia confiar nos números de mortes por coronavírus relatados pelas autoridades chinesas.

As casas funerárias em Wuhan, o epicentro do surto, funcionam 24 horas sem parar para cremar corpos, escreveu ele em uma mensagem, acrescentando: “Não me atrevo a imaginar o número de mortos”.

Em outra mensagem, ele acusou as autoridades de subnotificar os números da morte.

“O número de mortos relatado é todo falso. Todos os dias, cerca de 500 pessoas morrem apenas em Wuhan, sem mencionar no país inteiro”, escreveu ele.

Ele logo apagou suas observações.

Por volta das 23:00 naquele dia, a polícia o convocou para a delegacia local para um interrogatório, disse Song à edição em chinês do Epoch Times em uma entrevista por telefone em 2 de março. A polícia mostrou a ele uma captura de tela de suas mensagens tiradas por outra pessoa no grupo de bate-papo, e o acusou de espalhar boatos.

Ele foi condenado a 10 dias de detenção administrativa por “fabricar fatos para perturbar a ordem pública”, de acordo com um documento fornecido pela polícia após a libertação de Song.

wudang man detention notice blurred
Aviso para liberar Song da detenção em Guizhou, China, em 14 de fevereiro de 2020 (Fornecido por Song Junhong)

Três dias após sua libertação, Song disse que soube que o departamento educacional local havia convocado uma reunião sobre suas ações, durante as quais eles decidiram retirar sua licença de professor. Ele seria considerado um trabalhador de logística e não um funcionário técnico profissional, o que reduzirá seu salário em 60.000 yuanes (8.618 dólares), segundo Song.

Ele também foi criticado publicamente no distrito de Wudang e disse que seria desqualificado da avaliação profissional deste ano. Várias autoridades, incluindo o chefe do Partido Comunista Chinês no departamento de educação e o diretor da escola, fizeramn críticas ou o repreenderam por causa de suas mensagens, de acordo com uma captura de tela de uma nota fornecida por Song ao Epoch Times.

wudang meeting
Notas principais da reunião do comitê do bureau de educação sobre as observações de Song, em Guizhou, China, em 7 de fevereiro de 2020 (Fornecido por Song Junhong)

O Epoch Times conversou com Song por telefone em 2 de março, mas a entrevista foi interrompida por causa de um aviso da polícia.

“Um aviso da polícia acabou de chegar. Eles não me permitem ser entrevistado”, disse ele antes de encerrar abruptamente a ligação.

Censura

As autoridades chinesas e a mídia estatal alertaram repetidamente que as pessoas podem ser punidas por espalhar “rumores” relacionados a surtos.

O artigo 291 da lei criminal da China afirma que as pessoas que espalharem “informações falsas” sobre desastres e epidemias na internet ou nas mídias sociais poderão enfrentar até sete anos de prisão.

Em 1º de março, entrou em vigor uma nova regulamentação da Administração do Ciberespaço, o escritório principal do regime para censura na Internet, proibindo os usuários de espalharem qualquer coisa que pudesse “colocar em risco a segurança nacional, revelar segredos nacionais, subverter o poder do Estado e sabotar a unidade nacional”.

Além disso, pediu aos produtores de conteúdo da Internet que resistissem proativamente a “comentários inapropriados sobre catástrofes, incluindo desastres naturais e acidentes graves”, bem como “qualquer outro conteúdo que possa ter um impacto negativo no ecossistema da Internet”.

Essas medidas ocorrem em meio ao regime que restringe o controle das informações compartilhadas sobre o coronavírus, à medida que ele busca projetar uma imagem de que o surto está sob controle.

Li Wenliang, um dos primeiros médicos do país a dar o alarme sobre o surto, foi convocado em janeiro pela polícia local e obrigado a assinar uma declaração de advertência. Mais tarde, ele morreu do vírus aos 33 anos. Pelo menos três jornalistas cidadãos, Fang Bin, Chen Qiushi e Li Zehua, desapareceram em Wuhan após compartilhar vídeos em primeira mão da mídia social chinesa, documentando a crise.

“Deveria haver mais de uma voz em uma sociedade saudável”, disse Li à mídia chinesa de sua cama de hospital pouco antes de sua morte, em fevereiro.

Em 15 de fevereiro, a província de Hubei, cuja capital é Wuhan, havia envolvido pelo menos 1.600 pessoas na censura on-line, trabalhando 24 horas por dia, sete dias por semana, para apagar informações “sensíveis” da internet.

Os defensores chineses dos direitos humanos, sem fins lucrativos, com sede em Washington, documentaram 254 casos de prisões por semana de 22 e 28 de janeiro, na qual cidadãos chineses foram punidos sob formas de multas, avisos verbais, confissões forçadas ou “educação” forçada para espalhar boatos online sobre o coronavírus.

CHINA-HEALTH-VIRUS
Os condutores de trem são vistos quando o trem para na estação ferroviária de Wuhan, em 4 de março de 2020 (Noel Celis / AFP via Getty Images)

Casos de subnotificação

O Epoch Times já havia relatado evidências de que as autoridades subnotificaram o número de infecções e mortes por coronavírus em várias regiões.

Um documento divulgado mostrou que as autoridades da província de Shandong, no leste do país, de 9 a 23 de fevereiro subestimaram o número de infecções de 1,36 a 52 vezes.

Um alto funcionário de um grande crematório em Wuhan, no início de fevereiro, descreveu um aumento drástico em sua atividade diária desde 22 de janeiro.

Em 3 de fevereiro, no mesmo dia em que Song foi preso, a funerária recebeu 127 corpos, informou o funcionário ao Epoch Times. Ele disse que era cinco vezes a carga de trabalho normal.

Na Caidian Funeral Home, outra funerária em Wuhan, 90% dos trabalhadores trabalhavam dia e noite desde 28 de janeiro, disse um funcionário em uma entrevista em 4 de fevereiro. O trabalhador, identificado como Yun, disse que precisa de pelo menos 100 sacolas por dia. Devido à alta pressão, a equipe só podia sentar em suas cadeiras e tirar uma soneca sempre que podia.

“Todas as câmaras de cremação de Wuhan estão funcionando 24 horas”, disse Yun na época.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

 
 
 

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong
Dois jornalistas da edição de Hong Kong do The Epoch Times disseram que estavam sendo seguidos por supostos ...
Leia Mais >
 

Prisão de pró-democratas

Prisão de pró-democratas
Por NTS Notícias A Famosa Torre de TV de Shanghai, que acidentalmente recebeu o mesmo nome da cidade ...
Leia Mais >
 

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais
A Colômbia tornou-se o primeiro país da América Latina a proibir os testes cosméticos em animais por meio ...
Leia Mais >
 

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata
Por NTD News A polícia de Hong Kong prendeu um total de dez pessoas, incluindo o magnata da ...
Leia Mais >