Presidente Trump mantém China “contra parede”

Por Tony Shaffer

O presidente Donald Trump tem suas contrapartes chinesas exatamente onde ele quer.

É uma posição desconfortável para os chineses que, para todos os efeitos, estiveram “administrando a situação” com relação aos governos anteriores – tanto democratas como republicanos – nos últimos 30 anos.

Embora a reunião do presidente com o líder chinês, Xi Jinping, durante a Cúpula do G-20 no Japão não tenha produzido um acordo final, ela expôs a fraqueza fundamental da posição da China, permitindo que Trump reabra as negociações paralisadas. O gesto magnânimo provavelmente dará aos Estados Unidos uma vantagem na próxima rodada de negociações.

A China, com sua economia muito mais vulnerável do que Pequim gostaria de reconhecer, está desesperada para chegar a um acordo que elimine as tarifas punitivas que Trump impôs em retaliação por décadas de deslealdade comercial da China. A economia chinesa está se recuperando da pressão das tarifas, e a situação de Xi só piorou desde que seus negociadores renegaram os compromissos assumidos durante as negociações comerciais EUA-China. Como resultado, Trump foi forçado a suspender as negociações e impor uma nova rodada de tarifas.

Os Estados Unidos também adotaram uma postura cada vez mais dura contra a gigante chinesa de tecnologia Huawei, proibindo a venda de tecnologia sensível à empresa e pressionando os aliados americanos para que eles não comprem a tecnologia 5G da Huawei, devido a preocupações com a segurança nacional. A Huawei espera perder cerca de US$ 30 bilhões em receita como resultado da campanha de pressão americana.

O tão aguardado encontro entre Trump e Xi na Cúpula do G-20 foi visto como uma oportunidade para quebrar o impasse. Em um movimento sem precedentes que sinaliza seu compromisso renovado com as negociações de boa-fé, uma China castigada fez uma compra maciça de soja dos Estados Unidos mesmo antes do início da reunião.

Não foi nada além de um suborno adotado para apaziguar Trump antes da reunião de negócios, não uma transação comercial comum. A demanda por soja na China caiu recentemente devido a uma epidemia de gripe suína que devastou suas fazendas de porcos, e especialistas dizem que o país tem grandes reservas de soja.

Além das chamadas públicas de Xi para que os Estados Unidos suspendessem as restrições à Huawei, a compra de soja foi uma forte indicação de que Trump estava entrando na reunião com uma vantagem.

Ele jogou bem suas cartas, adiando a próxima rodada de aumento de tarifas planejadas, com a retomada das negociações comerciais, período durante o qual a China concordou em fazer grandes compras adicionais de produtos agrícolas americanos. Enquanto isso, os Estados Unidos permitirão vendas limitadas de tecnologia não sensível da Huawei como um lembrete de quanto a China tem a ganhar – e de quanto depende sua economia – em uma relação comercial justa e aberta com os Estados Unidos.

Significativamente, o presidente também deixou claro que não está “com pressa” de chegar a um acordo bilateral completo. Ele sabe que a China está sofrendo e que os Estados Unidos obterão melhores condições ao fazer o regime chinês sofrer um pouco mais.

Congelar a próxima rodada de aumento de tarifas foi uma medida particularmente brilhante, porque tranquilizou os investidores temerosos que não entendem completamente a estratégia de negociação do presidente. Na medida em que os nervos do mercado de ações representam para os Estados Unidos a única pressão em curto prazo real para fazer um acordo, isso deve dar aos negociadores da administração Trump muito mais espaço para tomar um fôlego.

Suas contrapartes chinesas, por outro lado, terão que realizar futuras negociações com a ameaça de tarifas sobre exportações chinesas no valor de 300 bilhões de dólares que pesam sobre suas cabeças como a espada de Dâmocles.

Nos últimos dois anos, Trump habilmente levou a China para o canto, e seu encontro com Xi durante a Cúpula do G-20 ofereceu a confirmação de que ele tem os negociadores chineses exatamente onde quer que eles estejam. Eu prevejo que continuaremos a ver o progresso do entendimento total do presidente sobre as vulnerabilidades econômicas da China, e que esse progresso produzirá benefícios de longo prazo para os Estados Unidos e nossos aliados.

Tenente-coronel Tony Shaffer é oficial de inteligência aposentado e presidente do London Policy Research Center

 
 
 

Trump envia ‘soldados fortemente armados’ em Washington e promete acabar com os tumultos em todo o país

Trump envia ‘soldados fortemente armados’ em Washington e promete acabar com os tumultos em todo o país
O presidente Trump anunciou segunda-feira à tarde que está destacando militares, juntamente com outros ativos federais, para impedir ...
Leia Mais >
 

Autonomia de Hong Kong sob escrutínio após vigília anual pelo massacre da Praça da Paz Celestial ser cancelada

Autonomia de Hong Kong sob escrutínio após vigília anual pelo massacre da Praça da Paz Celestial ser cancelada
Pela primeira vez em 30 anos, a polícia de Hong Kong proibiu uma vigília anual para comemorar as ...
Leia Mais >
 

Primeiro-ministro da China reconhece grave crise econômica, com 600 milhões de pessoas ganhando US$ 140 por mês

Primeiro-ministro da China reconhece grave crise econômica, com 600 milhões de pessoas ganhando US$ 140 por mês
Por Nicole Hao Após a conclusão das reuniões deste ano da legislatura chinesa de carimbos de borracha, o ...
Leia Mais >
 

Comunismo e cultura: uma experiência diferente de uma imigrante

Comunismo e cultura: uma experiência diferente de uma imigrante
Um boletim informativo recente da Publishers Weekly listou "10 livros essenciais sobre a experiência do imigrante". Nenhum é ...
Leia Mais >