Por que Pequim está punindo o Apple Daily de Hong Kong?

Por Alexander Liao

O tablóide pró-democracia de Hong Kong, Apple Daily, publicou sua última edição em 24 de junho antes de fechar. Agora, o Apple Daily não é mais um jornal, mas um símbolo.

Em 17 de junho, a polícia de Hong Kong prendeu cinco altos executivos da empresa. Quinhentos policiais vasculharam a redação em busca de evidências de que a empresa havia violado a lei de segurança nacional imposta por Pequim à cidade em 2020.

Em uma entrevista coletiva, a polícia de Hong Kong disse que, desde 2019, o Apple Daily publicou mais de 30 artigos pedindo aos países que imponham sanções a Hong Kong e à China continental, um crime que viola a lei drástica de segurança nacional.

O diretor executivo, o diretor de operações, o vice-editor-chefe, o editor-chefe e o diretor-presidente foram presos. Este é o segundo ataque do Apple Daily em menos de um ano.

Policiais invadem o escritório do Apple Daily em Hong Kong em 17 de junho de 2021 (Apple Daily via Getty Images)

Em uma batida no Apple Daily em agosto passado, a polícia de Hong Kong prendeu seu fundador, Li Zhiying, mais conhecido como Jimmy Lai , bem como seus dois filhos. As autoridades de Hong Kong alegaram que o Apple Daily e sua empresa-mãe, Next Media, eram suspeitos de violar o artigo 29 da lei de segurança nacional: “conspiração com países estrangeiros ou forças para colocar em perigo a segurança nacional.” A acusação de conluio acarreta pena máxima de prisão perpétua.

Lai está preso desde dezembro, acusado de participar de comícios não autorizados durante os protestos pró-democracia de Hong Kong em 2019 e, supostamente, colocar em risco a segurança nacional.

Durante a última operação, mais de cem policiais patrulharam a sede do Apple Daily. Todo o pessoal que entra no edifício têm de se registar com o seu documento de identificação legal e o da empresa. Eles também foram solicitados a fornecer informações pessoais, incluindo números de telefone e endereços. Os computadores de todos os editores e repórteres foram temporariamente apreendidos. O Apple Daily afirmou que os repórteres foram convidados a deixar a redação.

A polícia de Hong Kong vasculhou as casas dos executivos detidos em busca de provas, sob suspeita de uma alegada violação da lei de segurança nacional. Além disso, a polícia congelou HKD 18 milhões (cerca de US$ 2,3 milhões) de ativos da Next Media.

Esta é a maior ação contra a mídia desde que o regime chinês introduziu a lei de segurança nacional em Hong Kong no ano passado e o primeiro incidente em que jornalistas foram detidos publicamente pela polícia.

Jimmy Lai, magnata da mídia pró-democracia de Hong Kong, é levado para uma van da polícia enquanto se dirige ao tribunal para ser acusado de acordo com a polêmica nova lei de segurança nacional de Pequim em 12 de dezembro de 2020 (Peter Parks / AFP via Getty Images)

Em 14 de junho, Lai recebeu o Truman-Reagan Freedom Award da Victims of Communism Memorial Foundation. O presidente da fundação, Andrew Bremberg, pediu ao mundo livre que apoie Hong Kong como um farol de liberdade e evite que pessoas como Lai sejam vítimas de regimes comunistas.

A postura anticomunista de Jimmy Lai

Quando Lai tinha 12 anos, ele entrou sorrateiramente em Hong Kong vindo de Guangzhou em um barco. Na idade adulta, ele construiu um império de roupas, Giordano. Nos primeiros anos, Lai teve um bom relacionamento com autoridades da China continental. A Giordano foi estabelecida pela primeira vez como uma joint venture com a China Resources, e sua fábrica estava localizada na China.

No entanto, após o massacre da Praça Tiananmen em 4 de junho de 1989, Lai encerrou seu relacionamento com o Partido Comunista Chinês (PCC). Ele passou a criar a Next Media e o Apple Daily, duas publicações decididamente anticomunistas. Lai não apenas dirigiu as empresas, mas também escreveu artigos criticando os líderes do PCC.

O Apple Daily atraiu críticas e polêmica por sua cobertura de fofocas dos tabloides, mas se tornou o jornal mais vendido de Hong Kong.

Um homem compra várias cópias do último jornal Apple Daily em Hong Kong em 18 de junho de 2021 (Anthony Kwan / Getty Images)

O que diferencia o Apple Daily de outros jornais de Hong Kong é sua postura anticomunista, que se manteve inalterada em meio ao drama político da cidade. O Apple Daily teve um papel importante na cobertura do Movimento Umbrella em 2014 e do movimento contra a lei de extradição, que começou em 2019 e terminou em 2020.

Além de sua empresa de mídia, Lai continua fortemente envolvido na política de Hong Kong, doando dinheiro ao Partido Democrata da cidade.

O que o sistema autoritário do PCC mais teme é o dinheiro e o poder da mídia. Por esta razão, o Partido Comunista de Hong Kong se refere a Lai como uma das espinhas dorsais do caos na cidade. Jimmy Lai, Next Media e Apple Daily se tornaram o inimigo número um do sistema de governo do Partido Comunista Chinês em Hong Kong.

Nos últimos oito anos, as autoridades chinesas pressionaram as empresas a remover os anúncios de jornal e ameaçaram os parceiros de negócios de Lai.

No verão de 2019, Lai viajou para Washington DC e se reuniu com altos funcionários dos EUA para discutir o polêmico projeto de extradição e autonomia de Hong Kong. Durante esse período, entrevistei-o para um evento de um grupo de especialistas em Washington.

Lai deixou bem claro que não apoiava a independência de Hong Kong, mas que simpatizava com os sonhos dos jovens de Hong Kong quanto à independência da cidade. Ele também pediu ao governo dos Estados Unidos que não impusesse sanções econômicas e comerciais a Hong Kong na época, para que a cidade não dependesse apenas da China para seu comércio. Apesar disso, o que me impressiona é que o Apple Daily foi acusado de acordo com a lei de segurança nacional.

As autoridades de Hong Kong acusaram o Apple Daily de publicar um artigo pedindo sanções econômicas contra a China e Hong Kong, supostamente em conluio com forças estrangeiras para colocar a China em perigo.

Lai não aprova as sanções econômicas contra Hong Kong, mas não sei se ele aprova as sanções contra o PCC. Nunca encontrei uma declaração pública dele sobre este assunto.

Desde que a lei de segurança nacional foi aprovada, algumas pessoas temem que ela seja aplicada retroativamente e direcionada a certos indivíduos por ações cometidas no passado. As declarações feitas após o massacre da Praça Tiananmen em 1989 serão rastreadas? Voltará aos anos 1950, quando proprietários de terras de direita e capitalistas fugiram do continente em desafio ao governo do PCC?

Esta é a prática perigosa de grupos comunistas. Durante a Revolução Cultural, foram cometidos crimes contra cidadãos chineses que datam de dezoito gerações de ancestrais. Até mesmo Confúcio, que viveu 2.500 anos atrás, foi acusado de ser anti-chinês e inimigo do PCC.

Luo Huining, diretor do Escritório de Ligação do Governo Popular Central em Hong Kong, disse em um fórum em 12 de junho que, na visão de Pequim, o PCC governa através da estrutura de “um país, dois sistemas” e que qualquer um que se oponha a um o governo partidário do PCC é o “inimigo de Hong Kong que busca minar a estabilidade e a prosperidade de Hong Kong”.

Luo disse que, de acordo com a lei de segurança nacional, Hong Kong não sofreu danos econômicos e o capital estrangeiro permaneceu estável. Esta é apenas uma ilusão de curto prazo. Recentes cúpulas internacionais na Europa formaram um consenso sobre o PCC, e as estratégias para combatê-lo serão reveladas uma a uma nos próximos anos. O efeito de aliados globais para combater o PCC pode ser difícil de imaginar.

Alexander Liao é colunista e jornalista investigativo sobre assuntos internacionais nos Estados Unidos, China e Sudeste Asiático. Ele publicou um grande número de artigos, comentários e programas de vídeo em jornais e revistas financeiras chinesas nos Estados Unidos e Hong Kong.

As opiniões expressas neste artigo são do autor e não refletem necessariamente as do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
 
 

Extração forçada de órgãos do regime chinês pode se espalhar para outros países, alerta diretor de ONG

Extração forçada de órgãos do regime chinês pode se espalhar para outros países, alerta diretor de ONG
O regime comunista chinês exportaria sua prática horrível de extração forçada de órgãos assim que fosse capaz de ...
Leia Mais >
 

Reforço Pfizer COVID-19 não deve ser aplicado aos que se vacinaram com J&J e Moderna, afirma oficial da FDA

Reforço Pfizer COVID-19 não deve ser aplicado aos que se vacinaram com J&J e Moderna, afirma oficial da FDA
A vacina de reforço COVID-19 da Pfizer não deve ser administrada àqueles que já receberam vacinas feitas pela ...
Leia Mais >
 

Xi Jinping, o líder do Partido Comunista Chinês, discursou na ONU

Xi Jinping, o líder do Partido Comunista Chinês, discursou na ONU
Xi Jinping, o líder do Partido Comunista Chinês, discursou na ONU. Altos-oficiais de governos e instituições diversas têm ...
Leia Mais >
 

General americano faz telefonemas secretos para a China

General americano faz telefonemas secretos para a China
Um dos maiores generais americanos está com problemas. Uma reportagem diz que ele ligou secretamente para seu correspondente ...
Leia Mais >