Por que os socialistas querem destruir nossa memória do passado

Por Joshua Philipp, Epoch Times

O governo sueco está pensando se deve proibir imagens históricas que incluam roteiro rúnico e símbolos nórdicos, já que eles são considerados símbolos de “ódio”.

No entanto, este não é um incidente isolado. Nos Estados Unidos, estátuas e imagens históricas em todo o país – de memoriais de guerra, a líderes da Guerra Civil e pinturas de George Washington – foram alvos de destruição por indivíduos que os acham ofensivos.

Aos jovens nos Estados Unidos e em outros países está sendo mostrada uma nova história, que critica suas culturas tradicionais, amaldiçoa suas histórias fundadoras e condena seus heróis. Os alunos são ensinados a odiar de onde vêm e a interpretar a história através das lentes do socialismo.

É uma batalha pela memória, numa guerra de ideias. E só precisamos olhar para os países que já passaram por esse processo para ver quais são os objetivos.

Na China, o Partido Comunista Chinês (PCC) no poder igualmente destruiu as relíquias culturais do país, seus valores e tradições. Isso foi feito intensamente durante a Revolução Cultural nos anos 60 e 70.

Mas a destruição dos 5.000 anos da cultura chinesa pelo PCC não terminou aí. Até recentemente, o PCC proibiu a representação em filmes e videogames do legado cultural que destruiu.

A mesma coisa aconteceu sob os regimes socialista e comunista em partes da Europa. O ex-ministro da Educação Polonesa, Ryszard Legutko, descreveu esse processo em seu livro “O Demônio na Democracia: Tentações Totalitárias nas Sociedades Livres” como um meio de apagar a memória do que o socialismo procura destruir.

Legutko diz que o comunismo foi um sistema que tentou recriar a história à sua própria imagem, através de movimentos “contra a memória”. Aqueles que se opunham a esses sistemas não só enfrentaram os gulags, os grupos agressivos e a polícia secreta, mas também “lutaram pela memória contra o esquecimento, sabendo muito bem que a perda de memórias fortaleceu o sistema comunista ao retornar à pessoas indefesas e maleáveis​​”.

Quando Karl Marx imaginou os regimes sob o socialismo e o comunismo – nenhum dos quais existia naquela época – ele acreditava que eles destruiriam todas as crenças, tradições e morais do mundo. Ele e outros comunistas que o seguiram acreditavam que suas ideias substituíam todas as outras e que, nos regimes brutais que se seguiriam para criar esses sistemas, o fim justificaria os meios.

Depois de tomar o poder, os tiranos socialistas estão tipicamente insatisfeitos com a mera destruição superficial da cultura e crença tradicionais, mas também procuram destruir o passado, criticando e alterando a história.

Com esses valores e tradições destruídas, o regime dominante é capaz de impregnar seu poder em todos os poros da sociedade. Legutko escreveu que os líderes socialistas acreditavam que “o sistema político deve permear todas as seções da vida pública e privada”, incluindo “ética e costumes, família, igrejas, escolas, universidades, organizações comunitárias, cultura e até mesmo sentimentos e aspirações humanos.”

“Ao identificá-los como servos da causa da burguesia, pode-se processar os filósofos, artistas e escritores sob a responsabilidade de serem inimigos da revolução socialista e de impedir o caminho do futuro, muitas vezes com consequências lamentáveis ​​para os acusados”, escreveu.

Como Legutko explica, essa mesma filosofia de destruir o passado não existe apenas sob os regimes socialistas totais, mas também sob os sistemas democráticos liberais do Ocidente. Ele escreveu: “Ambos os sistemas geram – pelo menos em suas interpretações ideológicas oficiais – um sentimento de libertação dos antigos laços”.

Os sistemas em jogo são semelhantes ao que o autor George Orwell imaginou em seu livro “1984”, em que seu regime fictício de socialismo inglês (Socing) estabeleceu controle absoluto sobre toda a sociedade.

Parte do que assegurava o controle do regime, escreveu Orwell, era um sistema que fazia as pessoas esquecerem que acreditavam em algo que se opunha ao regime. “Isso requer uma contínua alteração do passado”, escreveu ele, observando que alguém sob esse sistema “tolera as condições do presente, em parte porque não tem padrões de comparação”.

Orwell explica que, ao usar isso, o indivíduo é levado a “acreditar que ele é melhor que seus ancestrais e que o nível médio de conforto material está em constante crescimento”.

Fiel ao que acontece nos regimes socialistas de hoje, Orwell escreveu que os eventos passados ​​”sobrevivem apenas em registros escritos e em memórias humanas”.

“O passado é o que os registros e as memórias combinam. E porque o Partido tem controle absoluto de todos os registros, e igualmente o controle total das mentes de seus membros, isso implica que o passado é tudo o que o Partido escolhe “, escreveu ele, descrevendo o “controle da realidade”.

Quando o socialismo estava tomando o controle da Europa no início do século 20, o escritor G.K. Chesterton descreveu suas tentativas de eliminar tudo o que existia para construir seu sistema imaginado como algo baseado na desconfiança do homem comum.

Ele escreveu: “Nessas coisas primárias, nas quais a antiga religião dependia do homem, a nova filosofia desconfia completamente do homem. Insiste em que deve ser um tipo muito raro de homem ter direitos nestas matérias; e quando ele é da classe rara, ele tem o direito de governar os outros mais do que sobre si mesmo”.

 
 
 

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para apoiar manifestantes de Hong Kong
Por Eva Fu A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou por unanimidade, em 15 de outubro, uma ...
Leia Mais >
 

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz

Bolsonaro não vê justa causa para sair do PSL, diz porta-voz
Por Pedro Rafael Vilela, Agência Brasil O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta segunda-feira (15) ...
Leia Mais >
 

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil

Peste suína na China aumenta exportações de carne de porco no Brasil
Por Fernando Lopes, Epoch Times As exportações da carne suína para o país Chinês seguem aumentando. O ritmo ...
Leia Mais >
 

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong
Os Estados Unidos e as autoridades europeias manifestaram alarme ao saber das detenções de vários ativistas pró-democracia de ...
Leia Mais >