Por que a dança chinesa está se difundindo amplamente fora da China

Por que a dança chinesa está se difundindo amplamente fora da China

Mangas de água, dança clássica chinesa de uma das peças do Shen Yun (Artes Cênicas do Shen Yun)

2021/12/11

Não é nenhum segredo que muitos dos primeiros dançarinos do Shen Yun Performing Arts eram ex-alunos da Academia de Dança de Pequim. No entanto, uma década após o início do Shen Yun, com sede em Nova Iorque, suas apresentações começaram a parecer muito diferentes das de qualquer outra companhia de dança chinesa.

“Pense nisso, Pequim [a Academia de Dança] escolhe os melhores dançarinos de uma nação inteira entre milhares de candidatos bem treinados. Quando nós [Shen Yun] começamos, certamente não foi assim”, relatou Gu Yun, um dos ex-alunos que é professor de dança e coreógrafo do Shen Yun há muito tempo. Quando a Academia de Dança do Shen Yun havia sido recentemente formada, ela recebeu candidatos com mais interesse do que treinamento.

Em setembro, Gu deu uma entrevista no interior do estado de Nova Iorque como parte do júri de uma competição internacional de dança clássica chinesa, que contou com dançarinos de todo o mundo. Ele afirmou que os não participantes do Shen Yun se apresentaram na esperança de aprender mais sobre o método de dança do Shen Yun, que, desde sua introdução ao público, tornou-se a referência mais alta a que os dançarinos chineses aspiram.

A diferença é evidente

Em um perfil de vídeo criado recentemente no site da Shen Yun Creations, o dançarino principal da empresa, Steven Wang, descreveu sua experiência com a dança na China em comparação com sua experiência com o Shen Yun em Nova Iorque.

“Quando eu tinha 12 anos, fui aceito em uma academia profissional de dança e desde então não parei de dançar. Há cerca de 20 anos”, relatou ele.

“No estilo de dança que estudei na China, quando você faz movimentos, você coloca muitas coisas pessoais. Mas, quando se trata do estilo da dança clássica chinesa do Shen Yun, você deve fazê-lo com grande dedicação. Por exemplo, quando os homens dançam, eles devem ser muito masculinos, corajosos e majestosos.”

“Cada movimento de preparação, cada postura, cada expressão, proporciona à dança uma sensação de grandeza. E quando uma técnica é finalizada, ela finaliza-se com uma postura digna.

Por exemplo, “se o estilo de dança ‘Han Tang’ é feito na China”, os dançarinos terminam seus movimentos se enrolando em uma bola, “como se [estivessem] rastejando no chão”.

“Então, isso por si só mostra um grande contraste”, afirmou ele.

Os dançarinos do Shen Yun costumam descrever a estética que a empresa busca como “grandiosa”. Os artistas se empenham em apresentar em suas danças uma visão digna da humanidade, em consonância com os valores da cultura tradicional chinesa, que tem o respeito ao divino como uma de suas crenças fundamentais. Também mantém a premissa de que o homem foi criado à imagem e semelhança dos deuses, por um Criador supremo.

Não foi por falta de esforço que as escolas e companhias de dança da China continental, todas ligadas ao regime comunista chinês, deixaram de atrair o público internacional.

Quando o Shen Yun, com sua missão de reviver a cultura tradicional chinesa divinamente inspirada por meio das artes, ganhou fama mundial, a reação do Partido Comunista Chinês foi tentar roubar os holofotes e assumir o controle. Ele criou cerca de 60 companhias de dança chinesas e as enviou ao redor do mundo, convencido de que seus próprios dançarinos bem treinados definiriam a dança chinesa internacionalmente.

“Agora, você já ouviu falar de alguma dessas [empresas]?”, questionou o apresentador do Shen Yun, Jared Madsen, em uma entrevista à NTD. “Não, porque eles não eram muito bons. Por quê? Porque ninguém quer ver propaganda comunista”.

“Quando eles se pronunciam sobre a cultura tradicional chinesa, eles a usam para tentar promover o comunismo. Quer dizer, aqui nós os vemos diretamente, [afirmando], ‘Isso é propaganda e ninguém quer ver isso’.

Dito isso, o termo “dança clássica chinesa” foi de fato adotado pela Academia de Dança de Pequim. Quando a escola foi inaugurada na década de 1950, a primeira do gênero, ela se encarregou de organizar a dança chinesa para que pudesse ser ensinada e transmitida por gerações. Antes, a dança era passada de um dançarino experiente de um grupo de teatro ou da corte imperial para aprendizes.

Quando a academia convidou esses dançarinos experientes para dar aulas para documentar esse valioso conhecimento, ela acabou adotando o nome de dança clássica chinesa para descrever essa forma que vinha sendo temperada e desenvolvida ao longo de milhares de anos. Então veio a Revolução Cultural, uma campanha nas décadas de 1960 e 1970 na qual o Partido Comunista Chinês se propôs a destruir a cultura tradicional chinesa e substituí-la pela cultura comunista por meio do derramamento de sangue e da queima de livros. Após esse período, os fundamentos dessa forma de arte foram perdidos e deixaram de ser repassados ​​para novos alunos.

Mas em uma academia no interior do estado de Nova Iorque, os artistas do Shen Yun investigaram incansavelmente o passado, na esperança de reviver o melhor da cultura tradicional chinesa. Ao fazer isso, eles não apenas trouxeram de volta os personagens históricos e as histórias mais apreciadas ao palco, mas também os valores derivados do confucionismo, taoísmo e budismo inerentes a essas histórias. Além de trazer a dança clássica chinesa para o palco mundial, eles selecionaram e aperfeiçoaram os métodos de dança que lhes foram legados na antiguidade, refinando sua arte para criar algo que realmente pode ser chamado de “clássico”.

O Epoch Times tem o orgulho de patrocinar o Shen Yun Performing Arts. Para obter mais informações, visite ShenYunPerformingArts.org

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também: