Por que a China está treinando oficiais militares em todo o mundo?

Por John Mac Ghlionn 

Comentário

Quatro séculos após ser ocupada pelos britânicos, Barbados tornou-se recentemente uma república, renunciando à rainha Elizabeth II no processo. É hora de se alegrar. Bem, não exatamente. A medida que Barbados corta os laços com a Grã-Bretanha, torna-se mais próximo de Pequim.

Em 2019, pouco antes da pandemia levar o mundo a uma brusca paralisação, os governos de Barbados e da China assinaram um acordo para o avanço conjunto da iniciativa “Um Cinturão, Uma Rota” (BRI).

O autor Robert Hardman, comentando sobre o acordo, alertou os barbadianos que “não existe almoço grátis”. Em outras palavras, um preço significativo deve ser pago. Ao assinar um acordo com Pequim, um país basicamente entra em uma barganha faustiana, trocando as chaves da casa por algumas estradas e edifícios agradáveis. Infelizmente, a primeira-ministra de Barbados, Mia Mottley, parece alheia a esse fato.

A nação caribenha não apenas faz parte da BRI, como também envia seus oficiais militares à China para treinamento. Não apenas o treinamento militar tradicional, mas o treinamento da língua e cultura chinesa.

Na verdade, em uma inspeção mais detalhada, dezenas de países ao redor do mundo estão enviando oficiais militares à China para treinamento. A questão, porém, é por quê?

O que Coreia do Sul, Singapura, Botswana, Brasil, Chile, Arábia Saudita e Iêmen têm em comum? Não muito, na primeira inspeção. No entanto, todos esses países recebem treinamento militar de Pequim, e todos esses países enviaram oficiais à China para treinamento.

No Paquistão, a China também oferece treinamento para militares.

A cada ano, membros das Forças de Defesa de Botswana (BDF) viajam para a China para treinamento.

Em 2019, a Nigéria assinou um memorando de entendimento (MOU) com Pequim, permitindo que militares chineses do Exército de Libertação do Povo (PLA) treinassem suas tropas.

Na Namíbia, o Partido Comunista Chinês (PCC) financiou uma faculdade militar de última geração.

Na Tanzânia, você encontrará o Centro de Treinamento Compreensivo (CTC), uma instalação de treinamento construída na China para as Forças de Defesa do Povo da Tanzânia (TPDF).

Curiosamente, em seu mais recente Plano de Ação China-África 2018-2021, a China recebe pelo menos 5.000 militares profissionais anualmente. Claro, se o povo não pode vir para a China, a China irá para o povo.

A China está tentando construir um exército mundial? Não. O PCC tem outros planos.

O chefe do exército do Paquistão, general Ashfaq Kayani (à esquerda) e o general Hou Shusen (à direita), vice-chefe do Estado-Maior do Exército de Libertação do Povo (PLA), da China, assistem aos exercícios militares do Paquistão-China em Jhelum, no Paquistão, no dia 24 de novembro de 2011 ( Aamir Qureshi / AFP via Getty Images)
Chefe do exército do Paquistão, general Ashfaq Kayani (à esquerda) e o general Hou Shusen (à direita), vice-chefe do Estado-Maior do Exército de Libertação do Povo (PLA), da China, assistem aos exercícios militares do Paquistão-China em Jhelum, no Paquistão, no dia 24 de novembro de 2011 ( Aamir Qureshi / AFP via Getty Images)

Todos os países mencionados acima são membros da já mencionada iniciativa Um Cinturão, Uma Rota. Para compreender o poder da BRI, deve-se apreciar plenamente o poder de atração, ou “poder de convencimento”.

Para citar Joseph Nye, o pai da “potência coerciva” e do “poder de convencimento”, a aplicação do último ocorre quando “um país faz com que outros países queiram o que ele quer … em contraste com a potência coerciva ou de comando, a qual o mesmo ordena que outros façam o que ele quer”.

Enquanto a “potência coerciva” depende da coerção, usando força militar ou econômica para fazer um país curvar-se a certas demandas, o “poder de convencimento” envolve o lançamento de uma ofensiva por charme. Ele gira em torno do fascínio da cultura de um país, ideologias políticas e visões para o futuro.

A BRI, você vê, é tudo sobre “poder de convecimento”. Aparentemente, ao assinar um acordo com a China, um país recebe uma infraestrutura melhorada, incluindo novas pontes e portos. Na realidade, ao assinar tal acordo, um país permite ao PCC acesso aos seus recursos e acesso ao seu povo.

O treinamento de militares de todo o mundo deve ser visto por uma lente muito mais ampla. Com o PCC, tudo se resume a controle – controlar as mentes das massas, da mídia aos militares. Em todos os países acima (exceto Iêmen), os Institutos Confúcio (CIs) podem ser encontrados. Esses institutos são administrados pela Hanban, uma organização afiliada ao PCC.

Não surpreendentemente, desde que o primeiro CI foi inaugurado na cidade sul-coreana de Seul, em 2004, as críticas têm vindo densas e rapidamente. Funcionários desses institutos foram acusados ​​de realizar espionagem industrial e militar, bem como reprimir conversas envolvendo Taiwan e o Tibete.

A influência do PCC pode ser sentida não apenas na academia, mas também em vários ramos do governo. Um relatório recente do grupo de direitos humanos Safeguard Defenders destaca isso em detalhes. Em países como Camboja, Quênia, Malásia e Filipinas – todos membros da BRI – cidadãos de Taiwan foram extraditados ou deportados. No entanto, como destaca o relatório, “eles não foram devolvidos a Taiwan”. Em vez disso, sob “pressão crescente de Pequim”, esses governos estrangeiros os enviaram à força para a China, “onde eles não têm raízes nem famílias”. Esses países são participantes voluntários na “repressão transnacional”, permitindo ao PCC perseguir “fugitivos econômicos, refugiados uigures, defensores dos direitos humanos e fugitivos de Hong Kong”.

Isso é o que eu quis dizer com uma barganha faustiana. Uma vez que a caneta atinge o papel, e uma vez que os líderes de um país assinam na linha pontilhada, o PCC torna-se um governo paralelo. Avança, constrói centros de treinamento e institutos ideológicos; trata-se de moldar mentes e definir políticas. Na maioria das vezes, como revela a deportação de pessoas inocentes, ele tem sucesso em suas tentativas de envenenar governos e reescrever políticas.

As opiniões expressas neste artigo são opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

EXCLUSIVO: estados investigam aumento na taxa de mortalidade entre 18 a 49 anos – maioria não relacionada à COVID-19

EXCLUSIVO: estados investigam aumento na taxa de mortalidade entre 18 a 49 anos – maioria não relacionada à COVID-19
Departamentos de saúde em vários estados confirmaram ao Epoch Times que estão analisando um aumento acentuado na taxa ...
Leia Mais >
 

“MADE IN CHINA”

“MADE IN CHINA”
Por NTD Notícias “Made in China”. Essas palavras aparecem em tudo, de computadores a brinquedos e imensas peças ...
Leia Mais >
 

China impõe duras medidas de controle da pandemia

China impõe duras medidas de controle da pandemia
Os EUA dizem que não se deterão com as últimas sanções da China. Pequim penalizou 4 oficiais americanos ...
Leia Mais >
 

Senador americano pede cooperação com Brasil para conter China

Senador americano pede cooperação com Brasil para conter China
Um senador americano pede ao líder da defesa de seu país que aprofunde a cooperação com o Brasil. ...
Leia Mais >