‘Polícia do Peru não conseguia acreditar’: praticante chinês do Falun Dafa relata assédio por parte do regime fora da China

Por Pachi Valência

O constante assédio e repressão de Pequim aos cidadãos chineses que praticam a disciplina espiritual do Falun Dafa não só se desenvolve na China, mas também a perseguição é exportada a países estrangeiros onde os praticantes chineses do Falun Dafa escolheram viver.

Su Ying, uma mulher chinesa de 73 anos de Guangzhou, sofreu perseguição constante do Partido Comunista Chinês (PCC) por praticar o Falun Dafa, mesmo depois de se mudar para o Peru em 1996.

Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong, é uma disciplina de meditação que consiste em cinco exercícios suaves e ensina os princípios de “Verdade, Compaixão e Tolerância”. Esta prática começou na China em 1992 e cresceu rapidamente em todas as partes do país – chegando a quase 100 milhões de praticantes. No entanto, sua grande popularidade foi vista como uma ameaça ao poder pelo então líder do PCC Jiang Zemin, que ordenou uma perseguição sistemática da prática em 20 de julho de 1999.

Essa perseguição contra o Falun Dafa continua a ocorrer na China até hoje.

Quando Ying decidiu visitar a China um ano após se estabelecer no Peru, um amigo próximo a apresentou ao Falun Dafa e começou a fazer exercícios de meditação em um parque no distrito de Tian He.

No entanto, a repressão ao regime chinês aumentou no início de 1999, quando eles proibiram a publicação de livros do Falun Dafa e a polícia começou a ser mais vigilante com os praticantes.

Então, em 25 de abril de 1999, cerca de 10.000 praticantes do Falun Dafa se reuniram no escritório de apelações perto da sede do PCC em Pequim para apelar por seu direito de praticar livremente. Ying foi uma das signatárias da petição, porém, na época, a polícia conseguiu localizá-la e começou a rastreá-la.

“Muitos policiais nos observaram enquanto fazíamos os exercícios, e os espiões tiraram muitas fotos”, disse Ying ao Epoch Times. “Então, em maio de 1999, voltei ao Peru e decidi praticar o Falun Dafa aqui.”

A praticante chinesa do Falun Dafa Su Ying relata sua experiência de ser reprimida pelo regime chinês no Peru por praticar a disciplina espiritual Falun Dafa (Pachi Valencia / The Epoch Times)

Dois meses depois – quando a perseguição ao Falun Dafa começou – o regime começou a prender todos os peticionários e muitos voluntários dos locais de prática foram levados para a prisão.

“Embora eu já estivesse no Peru naquela época, eles não podiam fazer nada comigo enquanto estivesse aqui no Peru, mas minha família na China sofreria as consequências, então foi difícil para mim”, disse ela.

Quando a embaixada chinesa no Peru soube que Ying estava ensinando a prática no país, Ying disse, o assédio começou.

“Eles ficaram com muito medo e começaram a me cercar”, acrescentou. “Como também praticamos o Falun Dafa em frente à embaixada chinesa, a polícia armada da embaixada sempre veio até nós para nos expulsar”, disse ela. “Certa vez, uma van chegou e um grupo de 6 policiais saiu com armas e nos cercou.”

“Disseram que éramos terroristas e queriam ver nossas malas para ver se tínhamos bombas e queriam ver nossa identificação.”

Ao explicar que ela estava apenas praticando meditação, os policiais ficaram surpresos e disseram que a embaixada chinesa os havia chamado para avisar que havia terroristas e que as autoridades chinesas estavam em perigo.

“A polícia peruana não podia acreditar que um governo estrangeiro pudesse tratar seu próprio cidadão dessa forma. Eu respondi que o PCC é um regime de gangsters que nunca se preocupa com seu povo ”, acrescentou.

Isso aconteceu várias vezes, no entanto, Ying disse que cada vez que mais pessoas vinham, era uma nova oportunidade de dizer a verdade sobre o que realmente estava acontecendo com o Falun Gong na China. Depois de um tempo, a polícia parou de ir.

Em outra ocasião, o praticante chinês disse que diplomatas chineses queriam impedi-la de praticar o Falun Dafa.

“Meu passaporte estava vencido então eu fui para a embaixada, normalmente isso leva 5 dias úteis, mas com o meu demorou 3 meses e eles não me deram respostas do porque demorou tanto, então eu fui para a embaixada para saber o que estava acontecendo. ”, Ela contou. “Quando cheguei, um oficial me disse que me dariam um restaurante para fazer negócios no Peru como outros chineses, e que a condição era que eu não continuasse a praticar o Falun Dafa em público.”

“Como recusei e disse que não tinha interesse, ele respondeu que não podiam me dar o meu passaporte”, disse ele.

Assim, durante onze anos, Ying não teve nenhum documento comprovando sua nacionalidade. A praticante teve que buscar o status de refugiada em uma sede da ONU em Lima, o que permitiu que ela viajasse para fora do Peru, mas não pôde retornar à China para visitar parentes.

Apesar do clima repressivo, Ying – assim como muitos praticantes chineses que são perseguidos pelo regime comunista chinês enquanto estão em outros países – resistiu aos esforços de Pequim para perseguir e difamar o Falun Dafa.

Um grupo de praticantes do Peru se reuniu para mostrar os exercícios suaves da disciplina espiritual Falun Dafa no Parque Alfonso Ugarte, em frente à Embaixada da China no Peru, em 17 de julho de 2021 (Cortesia da Associação do Falun Dafa Peru)

Com 22 anos de perseguição ao Falun Dafa na China, Ying espera que a situação de direitos humanos possa continuar a vir à tona no mundo ocidental. Embora nos últimos anos a China tenha se mostrado para o mundo como um país “apoiador” e “disposto a cooperar”, Ying disse que é importante que mais pessoas aprendam sobre a natureza demoníaca do PCC.

“O diabo sempre finge ser bom, mas ele realmente é muito cruel, e isso pode destruir a sociedade humana.”

Siga Pachi no Twitter: @pachivalencia 

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >
 

Enchentes mortíferas na China

Enchentes mortíferas na China
Por NTD Notícias O senador Marco Rubio na terça-feira disse em tuite que o fechamento do instituto Confúcio ...
Leia Mais >