Uma perseguição diabólica sem precedente – Capítulo 6

Originalmente publicado em inglês em 2016, o Epoch Times tem o orgulho de republicar “Uma perseguição diabólica sem precedente: um genocídio contra o bem na humanidade” (editores Dr. Torsten Trey e Theresa Chu. Clear Insight Publishing, 2016). O livro ajuda a entender a extração forçada de órgãos que ocorre na China, explicando a causa fundamental dessa atrocidade: o genocídio cometido pelo regime comunista chinês contra os praticantes do Falun Gong.

Retornar à Introdução e ao Índice

Capítulo 6: Colocando os esforços de toda a nação na perseguição

Por Zhang Tianliang

Em 29 de julho de 2014, a Agência de Notícias Xinhua, um veículo de propaganda do Partido Comunista Chinês (PCC), publicou uma notícia breve que inevitavelmente capturaria a atenção do mundo: Zhou Yongkang, ex-membro do Comitê Permanente do Politburo e secretário do Comitê Central Político-Legislativo, estava sob investigação por supostas violações graves de disciplina. Zhou é a principal autoridade investigada por acusações de corrupção desde que o PCC estabeleceu seu regime, mais 60 anos atrás.

De fato, a acusação de “corrupção” era apenas uma história mascarada. O verdadeiro motivo é que Zhou Yongkang, Bo Xilai e outros, sob o apoio do ex-líder chinês Jiang Zemin e do seu influente aliado político Zeng Qinghong, planejaram um golpe para derrubar o líder chinês Xi Jinping [1] e substituí-lo por Bo Xilai. Portanto, Xi Jinping não teve escolha a não ser remover Zhou, Bo e inclusive seus apoiadores nos bastidores.

A verdadeira razão do golpe deriva do fato de que, mais de uma década antes, Jiang Zemin e sua facção haviam despejado os recursos de todo o país para suprimir o Falun Gong, resultando em uma dívida de sangue devastadora. A única maneira de evitar a exposição inevitável é agarrar-se firmemente ao poder e continuar a política de perseguição; Bo Xilai foi o candidato escolhido a dedo para realizar essa tarefa.

Depois que o Partido Comunista Chinês estabeleceu o seu regime, a perseguição sofrida pelos militares do Partido Nacionalista Chinês, membros de várias organizações religiosas e civis, proprietários de propriedades rurais e urbanas, bem como as vítimas da “Revolução Cultural” de uma década, fez com que o povo chinês estivesse vulnerável à capacidade de brutalidade do PCC. Da mesma forma, o “Incidente de 4 de Junho”, também conhecido como “Massacre da Praça da Paz Celestial”, aos olhos do mundo, mostrou a determinação do PCC no uso de suas táticas persecutórias. Diante da resistência não violenta generalizada e perseverante do Falun Gong, é possível insinuar a partir do contexto histórico a extensão da crueldade e intensidade da perseguição do PCC.

Jiang Zemin, ex-secretário-geral do PCC, mudou o lema do líder precedente Deng Xiaoping de “todos os recursos e esforços estão centrados no desenvolvimento econômico” para “todos os recursos e esforços estão centrados na supressão do Falun Gong” e transformou a estrutura das autoridades nacionais para implementar essa política. Este artigo examinará a gravidade da perseguição ao Falun Gong sob essa perspectiva.

A primeira resistência duradoura, em larga escala e não violenta na história do PCC

Na história do Partido Comunista, nunca levou mais de três dias para ele suprimir completamente um determinado grupo ou indivíduo. Portanto, Jiang Zemin estava convencido de que levaria apenas três meses para erradicar o Falun Gong. No entanto, ele encontrou a resistência pacífica duradoura do Falun Gong. Essa resistência tem três características principais: persistência, larga escala e não violência.

A perseguição do Partido Comunista Chinês perdura há mais de 15 anos. Desde o início, os praticantes do Falun Gong na China continental publicam panfletos, distribuem CDs, penduram faixas e cartazes, circularam os Nove Comentários sobre o Partido Comunista e sofrem prisão e tortura nas mãos do PCC. No entanto, independentemente da punição, eles mantêm sua resistência em larga escala. Os praticantes do Falun Gong no exterior estabeleceram e gerenciam uma variedade de plataformas de mídia, engajadas em ações judiciais contra líderes comunistas responsáveis pela perseguição, romperam os bloqueios de internet do PCC, reviveram a cultura tradicional chinesa e exibem a dança e música clássica chinesa nas turnês anuais do Shen Yun. Essas atividades ganharam força nos últimos 15 anos, indo de vento em popa.

De “todos os recursos e esforços estão centrados no desenvolvimento econômico” para “todos os recursos e esforços estão centrados na supressão do Falun Gong”

1. Um dispêndio financeiro exorbitante

Contudo, o custo da perseguição do Partido Comunista Chinês ao Falun Gong também é considerável. O que pode custar aos praticantes do Falun Gong um dólar ou um minuto, o PCC pode ter que investir milhares ou dezenas de milhares de dólares e alguns dias ou meses para neutralizar. Para dar o exemplo mais simples: quando praticantes estrangeiros do Falun Gong que são desenvolvedores de software criaram recursos para quebrar o bloqueio da internet na China, a resposta do PCC resultou em um imenso investimento em pesquisa e desenvolvimento. Milhares ou dezenas de milhares de atualizações de firewall ocorreram e a largura de banda de exportação a uma taxa de dados de mais de dois Tbps (ou dois trilhões de bits por segundo) teve que ser filtrada. [2] [3] Por exemplo, quando os praticantes do Falun Gong entraram com uma ação judicial contra Jiang Zemin no estrangeiro, o PCC enviaria um grande grupo de interesse especial para pressionar o Conselho de Estado, o Ministério da Justiça, os tribunais e todo o pessoal relevante numa nação estrangeira, e faria grandes concessões em comércio, a fim de evitar uma investigação mais séria sobre Jiang Zemin.

Uma pesquisa mostrou que o PCC chegou a gastar um quarto do produto interno bruto (PIB) da China na perseguição aos praticantes do Falun Gong. A quantidade de recursos utilizados para financiar a perseguição é equivalente aos recursos para subsidiar uma guerra. [4]

2. O preço severo da perseguição

Seja nos assuntos internos ou externos, é possível obter uma perspectiva clara da mudança de diretrizes realizada por Jiang Zemin em relação ao foco econômico de Deng Xiaoping.

Em termos de assuntos políticos internos, o Partido Comunista Chinês não teve escolha a não ser ajustar sua estrutura organizacional e criar a ilegal “Agência 610” para suprimir o Falun Gong, a qual tem autoridade sobre todo o setor de segurança pública, procuradoria, legislativo e judiciário, mas também sobre os domínios da inteligência, assuntos diplomáticos, finanças, forças armadas, polícia armada, instituições médicas, comunicações de massa, etc. [5] O PCC alega que a superioridade do socialismo é seu “poder convergente na realização de grandes trabalhos”. A “Agência 610” é um órgão que pode praticamente mobilizar todos os recursos nacionais por meio dos canais das principais instituições. Em resumo, é outra autoridade central fora do Comitê Permanente do Politburo. Essa autoridade central é chefiada por Li Lanqing, ex-primeiro-vice-primeiro do Conselho de Estado e aliado íntimo de Jiang. Luo Gan assumiu uma autoridade específica de comando e supervisão, enquanto o poder central é diretamente controlado por Jiang.

Por causa da resistência resoluta e intransigente do Falun Gong, a frustração e a humilhação de Jiang Zemin aumentaram a perseguição implacavelmente, isso exacerbou o banho de sangue já existente. Em 2002, antes do 16º Congresso Nacional, Jiang fez sua última visita oficial internacional a Chicago, onde recebeu uma intimação legal e uma queixa sobre violações de direitos humanos contra praticantes do Falun Gong.

Por um lado, devido ao litígio iniciado pelos praticantes do Falun Gong, existe a possibilidade de repercussões no reinado de terror de Jiang Zemin. Por outro lado, a maioria dos membros do Comitê Permanente do Politburo não tinha interesse na perseguição. Para garantir que seu poder permanecesse intacto, Jiang Zemin introduziu uma mudança fundamental no Comitê Permanente do Politburo antes do final do seu mandato como secretário-geral do Partido. Jiang colocou estrategicamente dois dos seus asseclas como oitavo e nono membros do comitê original de sete membros. Li Changchun estava encarregado da propaganda anti-Falun Gong e Luo Gan era responsável por garantir a contínua perseguição implacável contra os praticantes do Falun Gong.

Jiang Zemin também renomeou o título/conceito tradicional de “liderança central” do Partido Comunista Chinês, substituindo-o pelo novo título/conceito de “liderança coletiva”. Esse ato, de forma deliberada e efetiva, despojou seu sucessor, Hu Jintao, da autoridade sobre Li Changchun, Luo Gan e seus correspondentes mandatos políticos.

O Partido Comunista Chinês se transformou de uma ditadura em um sistema de “oligarquia”, com seu grupo de nove membros do Comitê Permanente, em que cada posição tinha responsabilidades específicas e independentes. Isso resultou em: 1) Luo Gan, como membro do Comitê Permanente do Politburo, teve um papel instrumental que possibilitou mobilizar os recursos do país para continuar as políticas repressivas de Jiang Zemin. 2) Os papéis autônomos dos nove membros do comitê significava que a autoridade de Luo Gan não era examinada ou contestada. Essa importante reestruturação organizacional foi orquestrada por Jiang, com o objetivo principal de facilitar a perseguição aos praticantes do Falun Gong.

Enquanto isso, Jiang Zemin também tomou uma decisão que chocou a comunidade internacional. Ele empregou Zhang Wannian para simular um golpe paramilitar, a fim de passar uma moção especial que reelegesse Jiang presidente do Comitê Militar Central por um mandato prorrogado após o 16º Congresso Nacional de 2002. Jiang estava preparado para se concentrar por mais dois anos na tarefa de resolver a questão do Falun Gong. No entanto, em 2004, quando a perseguição se tornou cada vez mais difícil de sustentar, Jiang não teve escolha a não ser se retirar da mais alta posição de poder do PCC.

Na frente diplomática e na superfície, o Partido Comunista Chinês coloca as questões de Taiwan, Tibete e do ativismo pró-democracia em posições centrais, quando, de fato, a questão do Falun Gong é seu interesse principal. Por exemplo, o Washington Times relatou em 9 de março de 2001 que Zhu Qizhen e Li Daoyu, ex-embaixadores chineses nos EUA, e Zhang Wenpu, ex-embaixador chinês no Canadá, se reuniram com a ex-assessora de segurança nacional norte-americana Condoleezza Rice. Durante a reunião, sem aviso prévio, um dos ex-embaixadores sacou um discurso preparado e começou a ler seu conteúdo que focava em como o Falun Gong estava ameaçando o governo chinês. Rice teria ficado “irritada com o discurso dos diplomatas chineses e rapidamente terminou a reunião após a leitura de 20 minutos”. [6]

3. Os planos fracassados de assassinato e golpe de Estado

Em um banquete, Liu Jing, ex-vice-diretor da “Agência 610”, revelou que a liderança do Partido Comunista Chinês estava dividida em duas facções sobre a questão do Falun Gong. A discordância de Hu Jintao com a supressão do Falun Gong foi recebida com repreensão e oposição veemente por Jiang Zemin, que posteriormente tentou planejar o assassinato de Hu. [7]

Em 15 de novembro de 2006, a revista Trends de Hong Kong relatou o incidente de “1º de maio” daquele ano, quando Hu Jintao quase foi assassinado no Mar Amarelo. Uma investigação descobriu que as ordens para o assassinato se originaram do próprio Jiang Zemin. O almirante Zhang Dingfa foi designado para executar a missão de assassinato ordenada por Jiang para eliminar Hu. No final de 2006, a morte de Zhang foi anunciada. Não houve luto nem elogio. Tanto a Agência de Notícias Xinhua quanto o Diário do Exército da Libertação ficaram em silêncio sobre o assunto. Somente o Jornal da Marinha Popular publicou uma breve nota. [8]

Durante o 17º Congresso Nacional em 2007, por causa da interferência de Hu Jintao, Jiang Zemin não conseguiu que Bo Xilai, seu aliado favorito e voluntário nos crimes contra o Falun Gong, se tornasse o sucessor de Hu. No entanto, Jiang ainda conseguiu que Zhou Yongkang, outro de seus asseclas com sangue nas mãos, substituísse Luo Gan na primeira posição no Comitê Permanente do Politburo e garantiu que a perseguição ao Falun Gong continuasse. O próximo passo de Jiang foi iniciar um plano com Zhou e Bo para planejar um golpe visando se livrar de Xi Jinping em 2014.

4. As queixas do povo se aguçam

Hoje, a China está cheia de descontentamento e turbulência. Isso não é apenas a consequência direta da perseguição do Partido Comunista Chinês ao Falun Gong, mas também uma situação infeliz deliberadamente fabricada pelo Comitê Central Político-Legislativo.

Segundo estatísticas oficiais da China, antes da repressão do PCC contra o Falun Gong, havia cem milhões de pessoas praticando o Falun Gong. No início da perseguição, o PCC utilizou todas as suas ferramentas de propaganda para transmitir programas contínuos, 24 horas por dia, para demonizar o Falun Gong. No entanto, nenhum desses programas alude aos praticantes do Falun Gong terem participado em corrupção, prostituição, furto, assassinato ou incêndio criminoso. Essa omissão nas transmissões de certa forma reforça que os praticantes do Falun Gong vivem suas vidas de acordo com os princípios da “verdade, compaixão e perseverança” e que são bons cidadãos.

Pode-se dizer que, para suprimir um grupo tão grande da população, a intenção diabólica de Jiang Zemin não pode ser alcançada enquanto houver um indício de justiça social. Em uma sociedade normal, liberdade de expressão e opinião, liberdade de crença, liberdade de imprensa, liberdade de reunião, liberdade de protestar e se manifestar, liberdade de ter um judiciário independente e assim por diante, são meios de manter a justiça social. A principal tarefa da “Agência 610” é ser um obstáculo que dificulta a justiça social e atrapalha o seu desenvolvimento.

Desse modo, a sociedade chinesa se transforma em uma selva em que prevalece “a sobrevivência dos mais aptos” e “os fortes devoram os fracos”, em que não há oportunidade para as vítimas expressarem suas queixas ou estas serem reparadas. Essas queixas crescem e se acumulam, criando uma situação semelhante a uma panela de pressão que pode explodir a qualquer momento.

É exatamente nesse cenário que o Comitê Central Político-Legislativo está interessado, pois, quanto mais caótica a sociedade, mais atenção e responsabilidade as pessoas confiarão ao CCPL, e mais recursos ele poderá obter. Quando todo o regime comunista depender da continuação da perseguição aos praticantes do Falun Gong para manter sua existência, o CCPL naturalmente se tornará a mais alta autoridade controladora. Atualmente, custa ao país impressionantes 700 bilhões de yuanes (cerca de 112 bilhões de dólares) anualmente para manter a estabilidade do Partido Comunista Chinês. Essa soma é mais do que as despesas militares do governo alocadas. [9] Como o CCPL pode ser obrigado a mobilizar a polícia armada a qualquer momento para suprimir as manifestações civis, e os procedimentos de mobilização militar são complexos, isso torna possível a expansão do poder do CCPL em competição com o Comitê Militar Central.

Jiang Zemin explorou o Comitê Central Político-Legislativo como o veículo para promover o aumento do poder de Bo Xilai, precisamente porque isso fornecia a única garantia possível para Bo obter o poder absoluto.

Conclusão

Desde a instituição da “Agência 610” em 1999, até as manobras políticas para reeleger Jiang Zemin como presidente do Comitê Militar Central em 2002; desde adicionar deliberadamente mais dois membros ao Comitê Permanente do Politburo, encarregando-os de “política e judiciário” e “publicidade e propaganda”, respectivamente, durante o 16º Congresso Nacional de 2002, até abolir o poder central de Hu Jintao, alterando o Comitê Permanente para um modo de operação “oligárquico”; desde o fortalecimento dos poderes do Comitê Permanente do Politburo e o aumento das despesas de “manutenção da estabilidade”, por meio da criação de uma segunda autoridade central (o CCPL), até o planejamento de assassinatos e golpes; as reorganizações da estrutura de poder do Partido Comunista Chinês nos últimos 15 anos foram projetadas para proteger os recursos que podem ser dedicados à perseguição.

O Partido Comunista Chinês monopoliza todos os recursos públicos e possui poder absoluto sem restrições, enquanto a comunidade internacional continua investindo grandes quantidades de capital na China por meio de investimentos, comércio e boas relações. Seja como for, os gastos com essa perseguição e os problemas relacionados criados são tais que até a China, a segunda maior economia em PIB do mundo, está sobrecarregada.

Como a premissa da perseguição ao Falun Gong é permitir que o mecanismo que sustenta a sociedade fracasse completamente, incentivando más ações e atacando as pessoas compassivas e bondosas, portanto, as vítimas não são apenas os praticantes do Falun Gong, mas também as pessoas comuns que são confrontadas com a perda da segurança social. Atualmente, funcionários do governo e o público em geral estão em campos opostos. Além disso, há a questão dos problemas ambientais e sociais provocados por uma decadência moral em todo o país, todos diretamente relacionados à perseguição.

Na história da antiga chinesa, quatro imperadores diferentes tomaram medidas calamitosas para aniquilar o budismo, mas nenhum desses incidentes durou mais de seis anos ou cobriu mais do que uma área geográfica limitada. No Ocidente, da mesma forma, houve a perseguição intermitente dos cristãos pelo Império Romano. No entanto, independentemente de ser a antiga China ou o Império Romano, nenhum teve a capacidade de controlar todos os aspectos da sociedade, ou de centralizar e mobilizar tamanhos recursos financeiros e institucionais, apenas o PCC conseguiu isso. Além disso, o PCC tem o poder de despejar os recursos de todo o país para se concentrar exclusivamente na perseguição, com uma variedade de métodos extremos de tortura e lavagem cerebral, bem como a proteção garantida do exército e da polícia armada ao realizar a extração forçada e sistemática de órgãos de praticantes do Falun Gong, resultando num assassinato em massa para fins lucrativos.

Depois de mais de dezessete anos de atividades de perseguição e contraperseguição, a situação é evidentemente clara; os protestos do Falun Gong contra a perseguição persistirão, enquanto o regime do Partido Comunista Chinês gradualmente perde a capacidade de sustentar seu status quo e ruma para a desintegração.

Na história humana, nunca houve um império que durou mais de mil anos, mas houve crenças que duraram muito mais. Por mais que a perseguição pareça totalmente desprovida de consciência, a retribuição do bem e do mal se tornará aparente.

Retornar à Introdução e ao Índice

—————————

[1] “Correspondente da Kyodo News em Pequim afirma: ‘Parece que além de ser investigado por corrupção, Zhou Yongkang provavelmente terá que enfrentar questionamentos sobre o golpe”, BBC, 30 de julho de 2014. https://www.bbc.com/zhongwen/simp/china/2014/07/140730_zhou_yongkang_japan.shtml

[2] O Centro de Informações da Rede de Internet da China (CNNIC) anunciou a distribuição de exportação internacional da Rede de Internet da China (CIN) no final de junho de 2013. A largura de banda total de exportação internacional da principal rede da internet da CIN atingiu 2.098.150 Mbps. http://data.lmtw.com/yjjg/201307/91967.html

[3] Testes de servidores de internet conduzidos pela Universidade de Harvard mostram que os sites relacionados ao Falun Gong enfrentaram o bloqueio mais severo do Partido Comunista Chinês. https://cyber.harvard.edu/publications/2005/Internet_Filtering_in_China_in_2004_2005; https://opennet.net/studies/china#toc4a

[4] Uma coleção de relatórios da Organização Mundial para Investigar a Perseguição ao Falun Gong (WOIPFG). http://www.zhuichaguoji.org/node/23256

[5] Relatório investigativo sobre o envolvimento sistemático da “Agência 610” na perseguição ao Falun Gong, WOIPFG, 19 de julho de 2012. http://www.zhuichaguoji.org/node/23202

[6] “Inside the Ring”, The Washington Times, 9 de março de 2001. http://www.washingtontimes.com/news/2001/mar/09/20010309-021538-9115r/

[7] “Em 2002, Liu Jing revelou divergências internas na liderança do Partido Comunista Chinês a respeito da repressão ao Falun Gong”, The Epoch Times, 9 de abril 2012. http://www.epochtimes.com/gb/12/4/9/n3560912.htm

[8] “O segredo por trás das impressionantes tentativas de assassinato contra Hu Jintao”, The Epoch Times, 27 de maio de 2012. http://www.epochtimes.com/gb/12/5/27/n3598251.htm

[9] Chi Zhife, “As visões do Congresso Popular Nacional e da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês sobre os gastos militares chineses e as despesas de ‘Manutenção da estabilidade’”, BBC, 5 de março de 2014. https://www.bbc.com/zhongwen/simp/china/2014/03/140305_ana_china_npc_army.shtml

 
 
 

Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin – Capítulo II

Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin – Capítulo II
Os dias de Jiang Zemin estão contados. É apenas uma questão de quando, e não se, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês ...
Leia Mais >
 

Grande explosão

Grande explosão
Uma explosão dentro de um laboratório da Huawei na China. Faz parte do centro de pesquisa da gigante ...
Leia Mais >
 

Incêndio no laboratório de teste da Huawei deixa três mortos

Incêndio no laboratório de teste da Huawei deixa três mortos
Em 25 de setembro, ocorreu um incêndio em um prédio nos laboratórios de testes da tecnologia 5G situado ...
Leia Mais >
 

Vírus segue laços do PCC com o Brasil

Vírus segue laços do PCC com o Brasil
Coveiros trabalhando sem parar, hospitais levados ao limite. O Brasil está entre os mais atingidos pelo vírus do ...
Leia Mais >