Uma perseguição diabólica sem precedente – Capítulo 5

Originalmente publicado em inglês em 2016, o Epoch Times tem o orgulho de republicar “Uma perseguição diabólica sem precedente: um genocídio contra o bem na humanidade” (editores Dr. Torsten Trey e Theresa Chu. Clear Insight Publishing, 2016). O livro ajuda a entender a extração forçada de órgãos que ocorre na China, explicando a causa fundamental dessa atrocidade: o genocídio cometido pelo regime comunista chinês contra os praticantes do Falun Gong.

Retornar à Introdução e ao Índice

Capítulo 5: Influência do Falun Gong na política da China

Por Yuan Hongbing

O Falun Gong não se envolve de maneira subjetiva na política

Fechando os olhos à perseguição tirânica do Partido Comunista Chinês (PCC) contra o Falun Gong, alguns intelectuais chineses no país e no exterior que pensam bem de si mesmos têm permanecido em silêncio até hoje. Ao defender o próprio silêncio, uma retórica favorita é: “nós não participamos da política;” “somos imparciais tanto ao Partido Comunista quanto ao Falun Gong, porque ambos estão envolvidos na política”.

A embaixada chinesa na Austrália certa vez emitiu uma declaração denunciando os Nove Comentários sobre o Partido Comunista como “artigos antichineses” e alegando que o Falun Gong era uma “organização reacionária política antichinesa”. No entanto, essa alegação é um insulto à verdade.

Desde a teoria da “política no comando” da época de Mao Tsé-tung até o movimento de “ênfase na política” da época de Jiang Zemin, o regime usou consistentemente o terrorismo de Estado para doutrinar o povo chinês que se envolver em política é uma prerrogativa do Partido Comunista. A história do Partido Comunista demonstrou consistentemente ao povo que a política envolve ondas e mais ondas de expurgo ideológico e perseguições políticas, que profanam a humanidade, destroem a cultura, ceifam vidas inocentes, envenenam a consciência coletiva e privam as pessoas dos direitos humanos. O Partido Comunista transformou a política em uma arena de sangue, conspirações e barbárie. A política se tornou o próprio mal. Nesse sentido, o público em geral da China, incluindo os praticantes do Falun Gong, foi privado do direito de “envolver-se em política”. Assim como ser político é uma prerrogativa do Partido Comunista, o mesmo acontece com o mal.

Desde julho de 1999, a então líder chinês Jiang Zemin e o bando de burocratas do Partido Comunista usaram recursos políticos e sociais controlados tiranicamente para lançar uma sangrenta e colossal perseguição política para exterminar a fé do Falun Gong. Os crimes de genocídio de Jiang Zemin e o extermínio da fé irritaram o Céu e a humanidade. A crueldade desses crimes só pode ser equiparada às ações de ditadores como Mao Tsé-tung, Adolf Hitler, Joseph Stalin, Pol Pot e Deng Xiaoping.

Diante de perseguições políticas, como grandes tsunamis e terremotos em sua escala e ferocidade, sendo alvos de calúnias, prisões, torturas e assassinatos vergonhosos, os praticantes do Falun Gong mantiveram a sua crença com resiliência e dignidade. Sua resistência pacífica contra esse reino de terror é um testemunho de que a fé pode superar a tirania. Em seus esforços contínuos para expor os males do regime comunista ao mundo, eles estão semeando a liberdade de crença.

Nos últimos anos, as declarações e ações do Falun Gong demonstraram que eles não estão apenas salvaguardando o próprio direito à liberdade de crença, mas também defendendo os direitos humanos básicos para outros grupos que são perseguidos pelo terrorismo do Estado. A história registrou que nos últimos anos da chamada era Jiang Zemin, os praticantes do Falun Gong se tornaram o principal pilar na defesa e promoção dos direitos humanos na China. Talvez a história recorde e se lembre de muito mais.

Os burocratas do Partido Comunista Chinês denunciam a resistência pacífica dos praticantes do Falun Gong e a preservação dos direitos humanos como “engajamento na política”. Por favor, responda a isso: “não se envolver na política” significa fechar os olhos e fazer-se de surdo para os crimes de genocídio e extermínio da fé promovidos por Jiang Zemin? “Não se envolver em política” significa render-se sem um gemido quando o PCC pisoteia os direitos humanos e abusa do povo? “Não se envolver em política” realmente significa não ousar falar a verdade em face das mentiras fabricadas pela máquina de propaganda do PCC para encobrir seus crimes? O povo chinês realmente precisa agir como masoquista e bom escravo e silenciosamente aceitar a opressão e os abusos do PCC para escapar da acusação de “envolver-se em política”?

As leis divinas são claras e justas! Há necessidade de dizer em voz alta o que é certo e errado?

O Falun Gong não é uma organização política. É uma prática de cultivo. O Falun Gong não se envolveu em política. Isso ocorre porque, até hoje, as crenças e ações dos praticantes do Falun Gong mostraram claramente: eles não têm interesse no poder do Estado; eles estão simplesmente informando a humanidade dos males do regime do Partido Comunista. Eles estão simplesmente buscando um espaço que lhes permita a liberdade de acreditar.

Alguns intelectuais hipócritas afirmam: “Nós não nos envolvemos em política. Entre o PCC e o Falun Gong, não apoiamos ou nos opomos a nenhum deles.” Quando ouço essas declarações, sempre me sinto profundamente mortificado e envergonhado. Tenho vergonha de quão baixo os intelectuais caíram. Essas declarações são hipócritas. Escondido sob a hipocrisia está sua covardia, servilismo, egoísmo, e falta de coragem e espírito íntegro para advogar por justiça. Quero perguntar a esses intelectuais hipócritas: se você testemunha um bando de bandidos abusar brutalmente dos fracos e inocentes, você ainda afirma que “não apoiamos ou nos opomos a nenhum deles, porque somos imparciais”?

Neste ponto, eu gostaria de dizer aos esses intelectuais que não concordam com as crenças do Falun Gong: vamos refletir sobre aquelas palavras atemporais de Voltaire: “Eu não concordo com você no que você diz, mas defenderei até morte o seu direito de dizê-lo.” Se colocarmos essas palavras em ação, seremos respeitados na posteridade. Por favor, não se esqueçam, quando entramos na velhice, nossos filhos e netos podem olhar nos nossos olhos e perguntar: “Durante aquela perseguição política brutal e colossal, o que você fez? Você ficou vergonhosamente calado?”

A embaixada da China rotulou os Nove Comentários sobre o Partido Comunista como “artigos anti-chineses” e o Falun Gong como uma “organização antichinesa”. O Partido Comunista se equipara ao povo chinês, o que é um total desaforo. Nenhuma organização política pode se comparar ao povo chinês que é herdeiro de cinco mil anos de civilização. Pelas traições e mutilações que cometeu contra o povo chinês, o PCC deve ajoelhar-se eternamente diante das lápides dos ancestrais chineses para se arrepender por seus crimes.

Depois de traírem o espírito da cultura chinesa voltando-se para o marxismo, a teoria de um alemão que se baseia no ódio e na violência; depois que sua estupidez e crueldade mataram de fome dezenas de milhões de camponeses; depois de ter perseguido e assassinado milhões de intelectuais; depois de massacrar milhões de tibetanos que permaneceram firmes em suas crenças; depois de instigar Pol Pot a matar milhões de pessoas no Camboja, incluindo incontáveis chineses étnicos; depois de empobrecer centenas de milhões de camponeses e classificá-los como cidadãos de terceira classe por mais de meio século; depois de levar dezenas de milhões de trabalhadores desempregados e migrantes à miséria; depois de provocar inúmeras tragédias sociais e desastres humanos; depois de criar uma classe de funcionários corruptos e degenerados sem igual na história; depois de entregar a riqueza da sociedade a uma aliança de poderes corrompidos e ao crime organizado; depois de tudo isso e de ter castigado o povo chinês com tanta gravidade, o Partido Comunista ainda se atreve a se equiparar ao povo chinês. Eles não são totalmente sem vergonha?

A história e a verdade prevalecerão sobre a propaganda e as mentiras. É claro que o Partido Comunista, particularmente seu bando de burocratas, é a desgraça da China, criminosos contra a nação chinesa e a fonte de todo o mal.

A exposição corajosa dos crimes perversos do Partido Comunista Chinês é a demonstração do amor mais profundo e sincero pela nação chinesa. Somente colocando um fim ao regime tirânico do PCC é que o povo chinês pode ser verdadeiramente salvo. Sepulte a tirania do PCC e redima um século de humilhação sofrida pela China.

Um milênio poderá se passar, mas os pecados do Partido Comunista não serão apagados.

O impacto objetivo do movimento do Falun Gong na política chinesa

Subjetivamente, o Falun Gong não deseja se envolver em política. No entanto, objetivamente, a resistência à perseguição pelos praticantes espirituais do Falun Gong teve um efeito profundo na política chinesa, que se manifestou principalmente nos seguintes aspectos:

(1) Tornou-se um dos fatores que tirou a história chinesa da sombra do terrorismo de Estado do Partido Comunista Chinês.

(2) O veículo mais importante para o PCC manter seu domínio totalitário é a violência estatal, que causa amplo medo entre as pessoas e, por sua vez, destrói a vontade das pessoas de desafiar seu controle. Em 1989, o regime do PCC desencadeou centenas de milhares de soldados e deixou Pequim num banho de sangue, executando o horrível “Massacre da Praça da Paz Celestial”. Logo em seguida, o líder chinês Deng Xiaoping e suas “elites políticas” ameaçaram “matar 200 mil pessoas para garantir a estabilidade por 20 anos”. Isso encobriu a China numa atmosfera sangrenta de terrorismo de Estado.

Após o Massacre da Praça da Paz Celestial, houve tentativas dos intelectuais liberais de Pequim de romper o terror do Estado. Essas tentativas incluíram o “Maremoto da História”, a Conferência Antiesquerdista do Olympic Hotel de mais de cem intelectuais liberais, estabelecendo a “Aliança de Proteção dos Direitos do Trabalho”, coletando assinaturas em petições para “apoiar o pintor da liberdade Yan Zhengxue sob perseguição policial”. Apesar dessas tentativas, a maioria das pessoas vivia com medo após o massacre em Pequim.

Em 25 de abril de 1999, para protestar sobre a difamação contra o Falun Gong publicada pela máquina de propaganda do Partido Comunista Chinês e por um acadêmico intimamente ligado a Jiang Zemin, mais de dez mil praticantes do Falun Gong foram a Pequim apelar. Eles praticaram meditação pacificamente em torno do complexo do governo central do PCC, Zhongnanhai, e demonstraram devoção à sua crença na “verdade, compaixão e perseverança”. Esse protesto em grande escala dos praticantes do Falun Gong demonstrou coragem e valor envigorados pela fé, o que ofuscou, de longe, o punho de ferro do PCC. Essa demonstração destruiu o medo sombrio que havia oprimido o povo chinês desde o Massacre da Praça da Paz Celestial. A partir de então, levantes públicos para “salvaguardar os direitos humanos e combater a tirania” se espalharam como um incêndio em todo o continente leste asiático. Hoje, essas manifestações são numeradas nas centenas de milhares a cada ano na China.

Os fatos acima mostraram que, em sua resistência à perseguição, os praticantes espirituais do Falun Gong têm sido fundamentais; de fato, eles merecem a mais alta honra por isso, ao liderarem a nação chinesa da condição de terror generalizado desde o Massacre da Praça da Paz Celestial para uma era de protestos predominantes contra a tirania.

(3) Os esforços do Falun Gong para se opor à perseguição e esclarecer a verdade expuseram a natureza maligna do regime totalitário do Partido Comunista, acelerando o despertar político do público chinês.

Após o Massacre da Praça da Paz Celestial, o Partido Comunista Chinês contou com os seus porta-vozes para encobrir seus crimes imperdoáveis contra a humanidade, enganar a comunidade internacional e consolidar seu controle autocrático. Seus fantoches incluíam estudiosos que eles haviam treinado e regalado, escritores diretamente associados à classe dominante, além de alguns “sinologistas” internacionais e “especialistas em China” em sua folha de pagamento. De todos os tipos de ângulos, eles inventaram uma série de mentiras sobre as próximas reformas políticas do PCC e espalharam a ilusão de que “reformas econômicas” levarão à democratização da China. Essas mentiras e ilusões, em grande parte, impediram a determinação do povo chinês de se levantar e lutar contra a tirania do PCC. Além disso, uma classe de intelectuais pseudoliberais, como Liu Xiaobo, seguiu a abordagem de apaziguamento dos políticos americanos e europeus, promoveu a ideia de comprometer-se com o PCC e alegou que tanto o sistema autocrático do PCC quanto as situações de direitos humanos da China estavam melhorando gradualmente. Isso também ajudou muito o PCC a camuflar sua natureza maligna.

Em um contexto tão complexo, os praticantes espirituais do Falun Gong mantiveram suas atividades de antiperseguição e esclarecimento da verdade, dia após dia por mais de uma década. Eles expuseram de maneira completa e eficaz a natureza maligna do Partido Comunista, que repudia a história, a humanidade, a sociedade, a natureza humana e a cultura chinesa. Como a grande música chinesa dos tempos antigos, a verdade emergiu trovejando e despertando. As campanhas dos praticantes do Falun Gong permitiram que cada vez mais chineses percebessem que “somente sem o PCC, haverá uma nova China”. Este é um grande despertar político, e lançou as bases ideológicas essenciais para uma revolução democrática na China contemporânea.

(4) Os praticantes do Falun Gong iniciaram uma revolta espiritual moderna entre o povo chinês, deixando de se associar ao PCC e às suas organizações afiliadas.

O regime do PCC é um grupo de criminosos que perpetraram inúmeros crimes contra a humanidade, contra pessoas de várias origens étnicas, em todo o continente asiático. É o mais descarado e o maior grupo de funcionários corruptos da história da humanidade. É uma máfia política que controla seu povo por meio da polícia e vigilância secretas. Ao usar a cultura do Partido Comunista proveniente do Ocidente, o PCC destruiu a pátria civilizada e o berço espiritual do povo chinês. Eles são os traidores mais cruéis da China em seus milênios de história.

A partir da história do reinado do Partido Comunista Chinês sobre o continente leste asiático, podemos tirar as seguintes conclusões: a tirania do PCC é a fonte de todo o mal; o povo chinês contemporâneo é um escravo político sob o controle marxista e perdeu suas raízes culturais; um “Sonho Chinês” que realmente pertença ao povo seria abolir o regime do PCC e criar uma China democrática federal e livre.

O crescente movimento para renunciar ao PCC e a suas organizações afiliadas, iniciado por praticantes espirituais do Falun Gong, está desintegrando o PCC em sua fundação. Espalhando-se como fogo, ele está capturando os corações do público. Na verdade, renunciar ao PCC é o caminho do povo chinês para se libertar dos grilhões ideológicos. É uma insurreição monumental no domínio espiritual e, por fim, se manifestará em mudanças políticas que alterarão o curso da história.

Conclusão

Subjetivamente, o Falun Gong não se envolve em política, mas objetivamente ele teve um impacto político no avanço da democratização da China. Pode-se dizer que o seu resultado é fortuito.

Em sua perseguição colossal contra o Falun Gong, o regime do Partido Comunista Chinês evoluiu rapidamente para a forma mais sombria de despotismo, ou seja, a máfia política dominada por espiões e policiais secretos.

Após o 18º Congresso do PCC, os “Antigos Guardas Vermelhos” de Mao Tsé-tung (o equivalente das tropas SS do Partido Nazista), um grupo de criminosos anti-humanos, ganharam o controle total dos poderes do PCC. Consequentemente, a China entrou em seu período mais sombrio em seus milênios de história. No entanto, à medida que a tirania do PCC evoluía para sua forma mais vil e cruel, também anunciava o fim do seu reinado anti-humano e antissocial. “Uma nova China sem o PCC”, um “Sonho Chinês” que pertença ao povo, inevitavelmente se tornará uma realidade magnífica.

Retornar à Introdução e ao Índice

 
 
 

Desmascarando as mentiras do Partido Comunista Chinês

Desmascarando as mentiras do Partido Comunista Chinês
Confrontar o regime chinês é uma das principais prioridades da administração Trump. O objetivo final é acordar o ...
Leia Mais >
 

Caças chineses entraram no espaço aéreo de Taiwan pelo menos 46 vezes na semana passada

Caças chineses entraram no espaço aéreo de Taiwan pelo menos 46 vezes na semana passada
Bombardeiros e caças chineses entraram no espaço aéreo de Taiwan pelo menos 46 vezes de 17 a 24 ...
Leia Mais >
 

FBI descobre cédulas de correio descartadas de militares que votaram em Trump

FBI descobre cédulas de correio descartadas de militares que votaram em Trump
Cédulas de correio descartadas que continham voto para o presidente Donald Trump foram descobertas na Pensilvânia, anunciaram as ...
Leia Mais >
 

Grande explosão

Grande explosão
Uma explosão dentro de um laboratório da Huawei na China. Faz parte do centro de pesquisa da gigante ...
Leia Mais >