Pequim: origem do mais recente surto de vírus permanece um mistério e autoridades tentam contê-lo

Por Nicole Hao

O regime chinês reverteu sua teoria inicial de que o recente ressurgimento do vírus do PCC em Pequim foi causado por salmão importado contaminado.

Wu Zunyou, especialista em doenças epidêmicas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China (CDC), disse ao jornal estatal Beijing News em 6 de julho que sua equipe investigou esta segunda onda do surto em Pequim e concluiu que o O vírus entrou no mercado local de Xinfadi em meados de maio. Xinfadi Market, um amplo complexo de armazéns e salas de comércio, abrangendo uma área do tamanho de quase 160 campos de futebol.

“É possível que uma pessoa infectada tenha trazido [o vírus] para o mercado de Xinfadi, ou que um produto contaminado de uma área epidêmica o tenha trazido”, disse Wu.

Wu disse que o primeiro paciente da segunda onda, anunciado oficialmente em 11 de junho pelas autoridades, provavelmente contraiu o vírus no final de maio ou no início de junho.

As palavras de Wu contradizem as alegações anteriores das autoridades de que o vírus foi introduzido através de salmão congelado importado da Noruega, citando uma amostra de placa de corte para processamento de salmão com teste positivo para COVID-19.

Xinfadi Market

Li possui uma loja de frutos do mar em Pequim. Ela disse ao Epoch Times que os frutos do mar da província de Hubei – a região onde o vírus se espalhou pela primeira vez no final de 2019 – eram muito baratos este ano e, portanto, atraíram atacadistas para comprar frutos do mar.

“Por exemplo, 500 gramas de lagostins cozidos custam 28 yuanes (cerca de 3,62 dólares por libra)”, disse Li, acrescentando que 500 gramas de produtos similares em outras regiões custam cerca de 60 yuanes (cerca de 7,76 dólares)por libra.

Li disse que muitos caminhoneiros Xinfadi deram positivo para o vírus. Ela acredita que os caminhoneiros podem ter contraído o vírus quando viajaram para Hubei para coletar o marisco.

Cai Liansheng, funcionário da Xinfadi, postou na rede social Weibo que o presidente do mercado, Zhang Yuxi, os incentivava a comprar em Hubei desde o final de fevereiro. Desde então, o mercado comprou mais e mais alimentos congelados de lá.

Cai também compartilhou que outro mercado, o Jingshen Seafood Market, é o maior mercado de importação de frutos do mar em Pequim. Mas ninguém no mercado de Jingshen foi diagnosticado com COVID-19, questionando as alegações das autoridades de que o vírus provém do salmão importado.

A Jingshen está localizada no distrito de Fengtai e possui cerca de 800 lojas, que vendem principalmente frutos do mar. O vice-diretor do governo de Fengtai, Zhang Jie, disse em 13 de junho que ninguém de Jingshen estava infectado.

O presidente da Xinfadi, Zhang, também confirmou que a loja de onde veio a amostra de tábua de salmão que deu positivo para COVID foi em Jingshen.

Teste em massa e quarentena

A segunda onda causou um enorme pânico. As autoridades tomaram medidas drásticas na tentativa de conter a propagação.

Pang Xinghuo, vice-diretor do CDC de Pequim, anunciou em uma entrevista coletiva em 7 de julho que as autoridades realizaram mais de 11 milhões de testes de ácido nucleico desde 11 de junho.

Pessoas esperam na fila para realizar os testes de zaragatoa de COVID-19 em uma estação de teste em Pequim em 6 de julho de 2020 (Lintao Zhang / Getty Images)
Pessoas esperam na fila para realizar os testes de zaragatoa de COVID-19 em uma estação de teste em Pequim em 6 de julho de 2020 (Lintao Zhang / Getty Images)

Enquanto isso, a cidade libertou mais de 5.000 pessoas da quarentena em 7 de julho, depois de terem resultado negativo nos últimos 14 dias. Mas as autoridades disseram que milhares ainda estão sendo isoladas porque estão em contato próximo com pacientes com o vírus confirmado do PCC e podem apresentar sintomas no futuro.

Os moradores locais estão sofrendo o peso das perdas econômicas como resultado da pandemia.

As ruas estão vazias, embora tenha havido um aumento no número de moradores de rua, de acordo com entrevistas com moradores locais.

No distrito haidiano, uma família de cinco trabalha e mora em um pequeno salão de cabeleireiro. A mãe e os avós cuidam dos clientes durante o dia, enquanto o pai faz biscates fora. À noite, a família fecha a loja e dorme lá dentro.

“Estamos muito estressados. Ele [o pai] não pode ganhar dinheiro suficiente, e nós dependemos dessa loja”, disse o avô.

O período do vestibular nacional começou em 7 de julho e as autoridades educacionais adotaram medidas estritas para impedir que o vírus se espalhasse entre os que farão o exame. Todos os alunos que fazem o teste devem relatar seu estado de saúde à universidade todos os dias durante os 14 dias anteriores à data do teste, todos os alunos devem usar máscaras durante o teste, estudantes infectados não podem fazer o teste a menos que obtenham uma autorização especial das autoridades de saúde, os estudantes que estão em quarentena obrigatória farão o exame em locais especiais.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

EUA exigem transparência do Partido Comunista Chinês

 

 
 
 

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong

Repórteres do Epoch Times são seguidos em meio à repressão em Hong Kong
Dois jornalistas da edição de Hong Kong do The Epoch Times disseram que estavam sendo seguidos por supostos ...
Leia Mais >
 

Prisão de pró-democratas

Prisão de pró-democratas
Por NTS Notícias A Famosa Torre de TV de Shanghai, que acidentalmente recebeu o mesmo nome da cidade ...
Leia Mais >
 

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais

Colômbia proíbe teste de produtos cosméticos em animais
A Colômbia tornou-se o primeiro país da América Latina a proibir os testes cosméticos em animais por meio ...
Leia Mais >
 

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata

Polícia de Hong Kong prende pró-democrata
Por NTD News A polícia de Hong Kong prendeu um total de dez pessoas, incluindo o magnata da ...
Leia Mais >