PCC usa mentiras para esconder suas guerras comerciais

Por Joshua Philipp, Epoch Times

O Partido Comunista Chinês (PCC) usou o roubo de propriedade intelectual, a manipulação da moeda, subsídios estatais, tarifas e manipulações do sistema legal por décadas para dar às empresas chinesas uma vantagem injusta sobre as empresas estrangeiras.

Agora que a administração Trump está enfrentando o desafio de deter as práticas comerciais injustas do PCC, a grande mídia descreveu a ideia de “guerra comercial” com a China como se fosse um fenômeno novo.

Esta amnésia histórica tem um valor estratégico. O PCC pode usar o esquecimento do público ou a falta de uma compreensão clara do seu passado para se colocar como vítima de uma “guerra comercial imposta por Trump”.

Em 28 de abril, o PCC lançou uma tática para aproveitar a falta de clareza sobre a história de sua guerra comercial: simplesmente negou que tivesse acontecido.

Shen Changyu, chefe da Administração Nacional da Propriedade Intelectual da China, disse que os críticos das políticas de propriedade intelectual do PCC “carecem de provas”.

“As críticas de alguns países à proteção da propriedade intelectual da China carecem de evidências e não são específicas”, disse ele, de acordo com o South China Morning Post.

Claro, existem muitos testes. As estimativas do custo do roubo de propriedade intelectual da China contra os Estados Unidos variam entre 13 e 400 bilhões de dólares por ano.

O PCC usou um sistema massivo — incluindo hackers militares, espiões, investigadores, estudantes e empresas — para roubar a propriedade intelectual de empresas dos Estados.

Embora, desde então, o PCC tenha reorganizado as operações militares no âmbito de sua nova Força Estratégica de Apoio, naquela época a Unidade 61398 era apenas um dos 22 escritórios operacionais conhecidos por estarem envolvidos em operações semelhantes. Estava sob o Terceiro Departamento, o departamento de guerra e sob o Departamento de Pessoal do PCCh. O Terceiro Departamento, que se concentrou em operações cibernéticas, trabalhou com o Segundo Departamento que dirigia redes de inteligência humana.

Desde 1986, o Projeto 863 do PCC direcionou suas políticas para o roubo econômico. Programas adicionais, como o Programa Tocha, o Programa 211 e o Programa 973, conduziram operações semelhantes.

Desde então, o PCC acrescentou a sua política “Made in China 2025” ao projeto, que é baseado no Projeto 863. O programa descreve dez setores relacionados à tecnologia para o PCC dominar — por esforço próprio ou por trapaça.

Uma vez que a propriedade intelectual é roubada, o PCC realiza engenharia reversa através de suas Organizações Nacionais de Demonstração, também conhecidas como Centros Nacionais de Transferência de Tecnologia da China.

O PCC administra 202 desses centros de transferência como “modelos a serem emulados por outras instalações de transferência”.

“Seus estatutos explicitamente nomeiam ‘tecnologia nacional e estrangeira’ como alvos para ‘comercialização'”, afirmam os autores de “Espionagem Industrial da China”.

Além dessas operações, o PCC também opera redes de larga escala para espionagem aberta sob o Departamento da Frente Unida, que inclui redes interceptadoras para furto econômico.

E o PCC usou subsídios estatais, sanções legais contra empresas estrangeiras e espionagem industrial para minar e desativar a concorrência estrangeira. Um exemplo disso são os ataques cibernéticos da “Operação Dragão da Noite” do PCC, descoberta em 2013, que o PCC usou para espionar seus concorrentes no setor de energia, o que lhe permitiu apresentar uma proposta menor nos contratos de licitação.

A estratégia do PCC de alterar a percepção do escopo e do impacto de seu agressivo roubo de propriedade intelectual é simples, mas eficaz. Suas operações de roubo econômico usam uma abordagem de “morte por mil cortes” e são apoiadas por um sistema estatal gigante. É um crime que foi perpetrado contra os Estados Unidos por décadas.

 
 
 

Vítimas silenciosas: um mundo oculto onde meninos são traficados

Vítimas silenciosas: um mundo oculto onde meninos são traficados
Meninos e homens constituem uma “porção significativa” de vítimas de tráfico humano, tanto nos Estados Unidos quanto internacionalmente.
Leia Mais >
 

Matteo Salvini garante que não abrirá portos da Itália ao navio da Open Arms

Matteo Salvini garante que não abrirá portos da Itália ao navio da Open Arms
O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, ordenou nesta terça-feira (13) que o navio da ONG Open ...
Leia Mais >
 

Especialistas ensinam como aumentar chances de sobrevivência contra atirador ativo (Vídeo)

Especialistas ensinam como aumentar chances de sobrevivência contra atirador ativo (Vídeo)
Depois de três tiroteios em massa no intervalo de uma semana, especialistas deram um passo à frente e ...
Leia Mais >
 

Malta, novo aliado de Maduro, que o ajuda a evitar sanções

Malta, novo aliado de Maduro, que o ajuda a evitar sanções
Malta, um arquipélago localizado no Mediterrâneo que fica entre a Sicília e a costa do norte da África, ...
Leia Mais >