PCC sinaliza que quer eliminar as restrições ao controle de natalidade em meio a uma crise demográfica iminente

Por Winnie Han

A população chinesa está envelhecendo e o número de nascimentos despencou. O Banco Central do Partido Comunista Chinês (PCC) publicou um documento pedindo a liberalização total para aumentar a taxa de natalidade.

Alguns especialistas dizem que, por razões econômicas e de preparação para a guerra em geral, Xi Jinping poderia voltar à rota de Mao Zedong e suspender completamente as restrições de nascimento.

Em 14 de abril, o Banco Central do PCC publicou um documento de trabalho intitulado “Entendimento e contramedidas da transição demográfica” em sua conta oficial do WeChat. O documento observou que, em comparação com os países desenvolvidos, a China enfrenta um envelhecimento mais rápido da população e um declínio mais acentuado na taxa de natalidade.

Problemas demográficos graves

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), se 7% da população de uma sociedade tem 65 anos ou mais, é chamada de sociedade em envelhecimento. Quando a proporção chega a 14%, é chamada de sociedade envelhecida. Uma proporção de 20% é chamada de “sociedade superenvelhecida”.

Segundo o documento do Banco Central, o envelhecimento da população chinesa ocupa o primeiro lugar no mundo e envelhece mais rápido do que os países desenvolvidos da Europa e das Américas.

De acordo com os dados do documento, a população chinesa com 65 anos ou mais chegou a 88,27 milhões em 2000, ou 7% da população total, transformando a sociedade em uma sociedade em envelhecimento. Em 2019, o número de pessoas com 65 e mais anos atingiu 176 milhões, o que representa 12,6% do total. Estima-se que em 2022, a proporção ultrapassará 14 por cento, tornando-se uma sociedade envelhecida.

A comparação mostra que a China levará apenas 22 anos para passar de uma sociedade em envelhecimento para uma sociedade envelhecida, muito mais rápido do que a França (140 anos) e a Suécia (85 anos), que foram as primeiras a entrar em sociedades em envelhecimento. Também foi mais rápido do que os Estados Unidos (72 anos).

A situação de queda nas taxas de natalidade é ainda mais grave na China. De 1950 a 2019, a China rapidamente deixou de ser um país de alta fertilidade para um de baixa fertilidade. A taxa de fecundidade combinada caiu de 6,71 para 1,70, um decréscimo de 5,01. No mesmo período, os Estados Unidos, Japão, Grã-Bretanha e França diminuíram apenas 1,28, 2,08, 0,33 e 1,00, respectivamente.

Após o lançamento do documento, Ren Zeping, economista-chefe da Soochow Securities, e outros publicaram um relatório sobre a fertilidade da China em 16 de abril intitulado “Envelhecimento da população e diminuição da taxa de natalidade, urgente liberalização total”.

Tanto o documento do Banco Central quanto o relatório de Ren Zeping reconhecem que o planejamento familiar prolongado do PCC acelerou o declínio nas taxas de fertilidade, levando a um grande declínio nos nascimentos, um grande declínio na fertilidade, um declínio no número de mulheres em idade reprodutiva,  bem como a chegada acelerada de uma população envelhecida com uma taxa de natalidade decrescente.

O PCC lançou uma política de controle populacional em 1971, encorajando os casais a ter menos filhos, e impôs estritamente a política do filho único desde o final dos anos 1970. Números oficiais do Ministério da Saúde (agora Comissão Nacional de Saúde) mostram que de 1971 a março 2013, 336 milhões de abortos e 196 milhões de esterilizações foram realizados na China; 7 milhões de abortos e quase 2 milhões de esterilizações por ano foram realizados desde a década de 1990.

Zhai Zhenwu, reitor da Escola de Sociologia e Estudos Populacionais da Universidade Renmin da China, projetou em 2015 que o planejamento familiar havia reduzido a população chinesa em 400 milhões de pessoas.

Os nascimentos caem após a política de dois filhos

De acordo com o relatório de Ren Zeping, a implementação da política abrangente de dois filhos do PCC em 2016 não só falhou em aumentar os nascimentos, mas resultou em um declínio na taxa de natalidade. Embora o número de nascimentos tenha inicialmente aumentado para 17,86 milhões em 2016, desde então caiu drasticamente em anos sucessivos, para 17,25 milhões em 2017, 15,23 milhões em 2018 e 14,65 milhões em 2019.

O número de nascimentos em 2020 ainda não foi divulgado, mas dados do Ministério da Segurança Pública mostram que apenas 1.035.000 recém-nascidos foram cadastrados em 2020, o que representa uma diminuição de cerca de 15% em relação a 2019. O número de recém-nascidos cadastrados pelo Ministério da A Segurança Pública em 2019 foi responsável por 80,5 por cento dos nascimentos do ano do Bureau of Statistics, o que significa que o número de nascimentos em 2020 pode cair em mais de 2 milhões em comparação com 2019.

Dong Yuzheng, um especialista em população e diretor do Instituto de Desenvolvimento Populacional de Guangdong, disse em uma entrevista ao China Business News em 18 de abril que, com base nas tendências atuais, os nascimentos anuais durante o período do 14º Plano Quinquenal podem cair abaixo da marca de 10 milhões . Assim, dentro de alguns anos, a população total da China pode experimentar um crescimento negativo.

O atraso da China em publicar os resultados do sétimo censo populacional do ano passado levantou dúvidas. O PCC estava programado para divulgar os resultados do censo no início de abril, mas o National Bureau of Statistics disse em 16 de abril que o atraso era devido à necessidade de “publicar informações cada vez mais detalhadas”, mas nenhuma data específica foi fornecida. Um usuário do Twitter disse sarcasticamente: “Os dados são realmente feios e leva muito tempo para mudá-los!”

Para aumentar o número de nascimentos, alguns deputados do Congresso Nacional do Povo propuseram implementar uma liberalização total da política de três filhos em 2018. Ren Zeping postou recentemente no Weibo que não apenas a política de três filhos será aberta no futuro, mas que uma política de recompensa poderia chegar a famílias com quatro ou cinco filhos. Ele espera que a política de fertilidade seja ajustada durante o 14º Plano Quinquenal, e seria melhor suspender completamente as restrições à natalidade e, se não, liberalizar primeiro a política dos três filhos.

Analistas: aliviam as restrições para se preparar para a guerra

De acordo com Li Yanming, um comentarista de assuntos atuais baseado nos EUA e especialista em China, o dividendo demográfico da China está desaparecendo, e a última posição oficial do PCC indica que uma crise demográfica é iminente, com grandes implicações para a competitividade social. Econômica e internacional.

Por outro lado, a ambição do PCC por expansão global e hegemonia militar está cada vez mais evidente, e está retornando à linha de Mao Zedong internamente. Portanto, é provável que o PCC siga a prática de Mao nos primeiros anos de seu regime e implemente uma política de encorajar e até mesmo forçar nascimentos para a preparação de guerras em larga escala e dominação global.

Antes de o PCC  assumir o poder, o ex-secretário de Estado dos EUA Acheson disse que a população da China dobrou nos séculos 18 e 19 e que nenhum governo chinês foi capaz de resolver o problema alimentar. Em setembro de 1949, Mao Zedong, o primeiro líder do PCC, argumentou em seu artigo “A Falência do Materialismo Histórico” que “a grande população da China é uma coisa muito boa. Existe um jeito [para nós] até o número ser multiplicado algumas vezes, e o jeito é a produção ”.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Autoridades chinesas destroem barragem

Autoridades chinesas destroem barragem
Por NTD Notícias Chineses, passaram dias e noites fortificando as margens de rios para evitar inundações, apenas para ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >