Países europeus se opõem ao uso de bloqueadores de puberdade em crianças

Por Owen Evans 

Cada vez mais, as intervenções físicas para tratar crianças diagnosticadas com disforia de gênero estão sendo freadas no Reino Unido, Suécia, Finlândia e França.

“O gênio está fora da garrafa, eu não acho que haja algum encobrimento, a evidência saiu”, disse a escritora e ativista pelos direitos de mulheres e meninas, Jo Bartosch, ao Epoch Times.

Bartosch destacou a evidência do caso amplamente divulgado de Keira Bell, de 23 anos, que quando adolescente fez a transição para o sexo masculino, mas acabou se arrependendo. O caso colocou em foco os bloqueadores de puberdade, que agora está influenciando outros países a reformular radicalmente o tratamento de crianças com disforia de gênero.

Preocupações graves

Nos últimos dois anos, autoridades médicas na Suécia, Finlândia e França começaram a dar as costas aos bloqueadores de puberdade, também chamados de análogos do GnRH, ou drogas que são usadas para adiar a puberdade em crianças, enquanto expressam sérias preocupações sobre como a ideologia de gênero está influenciando as crianças a questionarem seu gênero.

Bell recebeu bloqueadores de puberdade quando adolescente, após apenas três horas de consulta na Clínica Tavistock, em Londres, que administra o único serviço de desenvolvimento de identidade de gênero (GIDS) do Serviço Nacional de Saúde (NHS) da Inglaterra. Inicialmente, seu caso ganhou um julgamento de que crianças menores de 16 anos considerando a mudança de sexo provavelmente não seriam consideradas maduras o suficiente para dar consentimento informado para receber medicamentos bloqueadores de puberdade.

No entanto, o Tribunal de Recurso anulou a sentença.

Na época, Bell respondeu dizendo que ela está “iluminando os cantos escuros de um escândalo médico”.

Bell havia pedido permissão para apelar, mas em 5 de maio seu recurso foi negado pela Suprema Corte do Reino Unido.

Em resposta, Bell disse que estava desapontada com a decisão, mas “encantada com o que foi alcançado como resultado deste caso”, acrescentando que foi “um dos maiores escândalos médicos da era moderna”.

Bartosch criticou a abordagem de afirmação de gênero, que pode resultar em crianças submetidas a procedimentos médicos.

“Eu acho maluco que o primeiro método a ser tentado é afirmar uma criança em vez de esperar”, disse ela. “Ao invés de distribuir remédios, você descobre qual é o problema, ou seja, por que a criança se sente desconfortável. Mas acho que se tornou tão politizado, há uma percepção de que questionar essa forma de tratamento é preconceituoso. É uma solução inteiramente ideológica para um problema psicológico”.

No Reino Unido, organizações como a caridade para crianças trans Mermaids e o grupo de lobby LGBT Stonewall defenderam a intervenção médica precoce para crianças com disforia de gênero. Stonewall disse que “os bloqueadores da puberdade são uma intervenção reversível” e que “desempenham um papel vital em ajudar a aliviar a angústia que muitos jovens trans experimentam e oferecem o tempo necessário para que os jovens questionem e explorem sua identidade”.

As organizações de direitos humanos Liberty e Anistia Internacional divulgaram no passado uma declaração conjunta dizendo que permitir que as crianças tenham acesso ao tratamento é “afirmação da vida e um direito humano”. Eles também alertaram que, sem acesso ao tratamento, o risco de danos graves e de longo prazo para as crianças aumenta seriamente.

No entanto, Bartosch disse que “não há evidências de crianças trans como categoria”.

“Há crianças com disforia de gênero que precisam de ajuda com sua disforia de gênero”, disse ela.

O caso original foi trazido por Keira Bell, que recebeu bloqueadores de puberdade quando tinha 16 anos, fotografada do lado de fora dos Royal Courts of Justice no centro de Londres em 2020 (Sam Tobin/PA)
O caso original foi trazido por Keira Bell, que recebeu bloqueadores de puberdade quando tinha 16 anos, fotografada do lado de fora dos Royal Courts of Justice no centro de Londres em 2020 (Sam Tobin/PA)

Consequências adversas irreversíveis

Na Europa, o efeito indireto do processo judicial de Bell fez com que as organizações médicas reavaliassem a questão.

“Esses tratamentos são potencialmente repletos de consequências adversas extensas e irreversíveis, como doenças cardiovasculares, osteoporose, infertilidade, aumento do risco de câncer e trombose”, escreveu o Hospital Infantil Astrid Lindgren da Suécia, em 2021 (pdf).

“Um caso judicial altamente divulgado da Grã-Bretanha esclareceu essa questão e em um julgamento em 1º de dezembro de 2020, o tribunal estabeleceu a abrangência do problema do tratamento com bloqueadores de puberdade”, acrescentou.

O principal hospital de Estocolmo acrescentou que, com base no “princípio da precaução”, os tratamentos hormonais (ou seja, hormônios de bloqueio da puberdade e sexo cruzado) não serão iniciados em pacientes disfóricos de gênero menores de 16 anos.

A recomendação atualizada do Conselho Nacional de Saúde e Bem-Estar da Suécia disse que os bloqueadores de puberdade e os hormônios do sexo cruzado só devem ser administrados em casos “excepcionais” fora dos estudos de pesquisa.

Isso marca uma grande mudança, segundo um documentário sueco recente que descreveu os casos de várias crianças que foram diagnosticadas com vários problemas de saúde importantes após tomarem a medicação.

A Academia Nacional de Medicina da França publicou em março deste ano (pdf) que “deve-se ter muita cautela médica em crianças e adolescentes, dada a vulnerabilidade, particularmente psicológica, desta população e os muitos efeitos indesejáveis ​​e até complicações graves que podem ser causadas por algumas das terapias disponíveis”.

A França citou a decisão da Suécia de proibir o uso de bloqueadores da puberdade como uma influência.

“A esse respeito, é importante lembrar a recente decisão (maio de 2021) do Hospital Universitário Karolinska, em Estocolmo, de proibir o uso de bloqueadores de puberdade”, acrescentou a Academia.

A Finlândia também anunciou em 2020 uma mudança de política para o tratamento da disforia de gênero, com a Autoridade de Saúde da Finlândia emitindo novas diretrizes apoiando a psicoterapia em vez de bloqueadores de puberdade e hormônios cruzados para crianças. No entanto, não citou nenhum país em particular como influenciador de sua decisão.

O secretário de Saúde da Grã-Bretanha, Sajid Javid, chega para uma reunião de gabinete no número 10 da Downing Street, em Londres, em 25 de janeiro de 2022 (Daniel Leal/AFP via Getty Images)
O secretário de Saúde da Grã-Bretanha, Sajid Javid, chega para uma reunião de gabinete no número 10 da Downing Street, em Londres, em 25 de janeiro de 2022 (Daniel Leal/AFP via Getty Images)

‘Falhando com as crianças’

Enquanto o caso de Bell pode ter terminado nos tribunais britânicos, politicamente o debate sobre bloqueadores de puberdade está muito vivo.

Recentemente, o secretário de Saúde britânico, Sajid Javid, comparou as sensibilidades políticas sobre a disforia em crianças às gangues asiáticas de aliciamento em Rotherham, que não foram devidamente investigadas devido ao “politicamente correto” e ao medo da acusação ​​de racismo.

Javid posteriormente ordenou que as autoridades investigassem formalmente a abordagem adotada pelas clínicas do NHS em meio a avisos de práticas nocivas, afirmando que o sistema está “falhando com as crianças”.

Isto seguiu-se ao lançamento do Cass Review provisório sobre Tavistock GID, a maior e mais antiga clínica de gênero no Reino Unido, pelo renomado pediatra britânico Dr. Hilary Cass.

Cass expressou profunda preocupação com o modelo afirmativo, concluindo que a equipe de atenção primária e secundária teve que adotar uma “abordagem afirmativa inquestionável”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
 
 

Putin está aberto à adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN

Putin está aberto à adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN
Enquanto a Suécia e a Finlândia avançam com seus planos de ingressar na OTAN, o presidente russo, Vladimir ...
Leia Mais >
 

DESTRUIÇÃO CULTURAL DO OCIDENTE: ENTREVISTA

DESTRUIÇÃO CULTURAL DO OCIDENTE: ENTREVISTA
Douglas Murray é o autor do livro “A Guerra Contra o Ocidente”. Ele descreve como, nas suas palavras, ...
Leia Mais >
 

MÉDICO SOBREVIVENTE DE GENOCÍDIO COMUNISTA NO CAMBOJA EXPÕE ATROCIDADES – PARTE 2

MÉDICO SOBREVIVENTE DE GENOCÍDIO COMUNISTA NO CAMBOJA EXPÕE ATROCIDADES – PARTE 2
Na terça-feira você conheceu a história de Nal Oum, um sobrevivente do genocídio comunista no Camboja. Em 1975, ...
Leia Mais >
 

“NÓS SOMOS TODOS COMUNISTAS”: EMPREGADO DO TWITTER; ELON MUSK RESPONDE A VÍDEO VAZADO

“NÓS SOMOS TODOS COMUNISTAS”: EMPREGADO DO TWITTER; ELON MUSK RESPONDE A VÍDEO VAZADO
Vazam mais vídeos de funcionários do twitter afirmando um viés esquerdista na plataforma. Um funcionário fala da Síndrome ...
Leia Mais >