Países da América Latina estão divididos após invasão russa da Ucrânia

Por Autumn Spredeman 

Uma vez que a invasão russa da Ucrânia começou, no dia 24 de fevereiro, muitos países latino-americanos se sentiram compelidos a mostrar seu apoio à nação europeia sob ataque. No entanto, aliados russos na região também se manifestaram contra as sanções ocidentais a Moscou ou mostraram passivamente uma falta de apoio à Ucrânia à medida que o conflito entra em sua terceira semana.

Em um discurso no dia 7 de março, o líder venezuelano Nicolás Maduro culpou diretamente as nações ocidentais pelo ataque da Rússia à Ucrânia.

“Aqueles que provocaram este conflito com décadas de descumprimento de acordos, com décadas de ameaças contra a Rússia, com décadas de preparação de planos para a extensão da OTAN são os primeiros que têm a responsabilidade de desescalar este conflito.”

Os comentários de Maduro vieram apenas dois dias após uma delegação de alto nível dos EUA se reunir com o regime do presidente socialista para discutir um possível relaxamento das sanções e buscar recursos alternativos de petróleo para os Estados Unidos.

O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, foi rápido em apoiar a Rússia no início da invasão, mas adotou uma abordagem mais cautelosa nos dias que se seguiram. Isso incluiu a abstenção da Nicarágua na votação das Nações Unidas no dia 2 de março para condenar o ataque do presidente Vladimir Putin à Ucrânia.

O presidente da Nicarágua Daniel Ortega (D) e sua esposa, a vice-presidente Rosario Murillo, gesticulam para a multidão durante a inauguração do viaduto Nejapa, em Manágua, na Nicarágua, no dia 21 de março de 2019 (Maynor Valenzuela/AFP/Getty Images)
O presidente da Nicarágua Daniel Ortega (D) e sua esposa, a vice-presidente Rosario Murillo, gesticulam para a multidão durante a inauguração do viaduto Nejapa, em Manágua, na Nicarágua, no dia 21 de março de 2019 (Maynor Valenzuela/AFP/Getty Images)

Na verdade, todos os aliados de Putin na região, com exceção da Venezuela, optaram por se abster na votação da Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU) para repreender as ações da Rússia na Ucrânia. Isso inclui apoiadores historicamente fortes, como Cuba, El Salvador e Bolívia.

Embora quando se trata da decisão patrocinada pela Assembleia Geral das Nações Unidas sobre a resolução na Ucrânia, Nicarágua, Cuba, El Salvador e Bolívia votaram contra.

O voto da Venezuela não foi registrado devido à suspensão do país por falta de pagamento das taxas de adesão.

O Dr. Orlando Gutierrez-Boronat, analista e coordenador da coalizão da Assembleia da Resistência Cubana, disse ao Epoch Times que os aliados da Rússia na região agem como “apologistas”.

Ele observou que alguns países estão adotando uma abordagem menos aberta para apoiar Putin em meio a temores de perder o financiamento ocidental.

“Cuba é especialmente dependente do financiamento da Europa Ocidental, então eles precisam ter cuidado”, disse Boronat.

Ele também observou que a falta de unidade da América Latina em relação aos Estados Unidos deixa a porta aberta para enfraquecer ainda mais os interesses dos EUA.

Questionado se os países da região poderiam ter um papel mais direto na guerra de Putin contra a Ucrânia, Boronat respondeu: “Duvido, mas Cuba enviou 5.000 soldados para o Afeganistão quando os soviéticos o ocuparam, então tudo é possível”.

O regime comunista cubano também culpou diretamente os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) pelas ações da Rússia na Ucrânia.

Na outra ponta do espectro de apoio, os chanceleres do Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, Guatemala, Jamaica, México, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Trinidad e Tobago e Uruguai enviaram uma carta conjunta ao ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, no dia 27 de fevereiro, expressando solidariedade contra o país europeu sitiado.

“Nossos governos estão acompanhando permanentemente os acontecimentos recentes com grande preocupação e confiamos que muito em breve o diálogo e a negociação diplomática permitirão alcançar uma solução duradoura para o restabelecimento da normalidade em sua nação, bem como para a estabilidade regional e mundial”, lê-se no comunicado.

Além disso, os ministros pediram às autoridades ucranianas que permitissem que cidadãos estrangeiros deixassem seus respectivos países.

Boronat argumentou que os Estados Unidos devem permanecer atentos ao relacionamento de Moscou com os países latino-americanos, especialmente após o conflito na Ucrânia.

Historicamente, a Rússia fez manobras ousadas na região durante outros conflitos euroasiáticos, como a guerra com a Geórgia em 2008 e a crise da Ucrânia em 2014. Os militares russos participaram de exercícios com a Marinha venezuelana em 2008 e enviaram bombardeiros Tu-160 para o sul da nação americana.

Putin também abriu um centro de treinamento da polícia antinarcóticos na Nicarágua em 2017 e anunciou a reabertura de um centro de comunicações de Cuba em 2019.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 

 
 
 

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha

Regime chinês matou adepto do Falun Gong para extrair seu fígado, afirma testemunha
Um ex-membro de uma gangue criminosa japonesa disse que testemunhou o comércio de órgãos na China, tendo visto ...
Leia Mais >
 

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva

Ex-general dos EUA fala sobre atuação do Partido Comunista Chinês: Entrevista exclusiva
David Stillwell, é um general de brigada americano reformado. De 2011 a 2013 ele foi diplomata na embaixada ...
Leia Mais >
 

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA

BOLSONARO: “TOMAREMOS AS AÇÕES QUE DEVEM SER TOMADAS”; COREIA DO SUL AMPLIA DEFESA
O presidente Jair Bolsonaro discursou a uma multidão em Santa Catarina no sábado. Ele falou em “luta do ...
Leia Mais >
 

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL

GUERRA “NÃO-CONVENCIONAL” DA CHINA; COLÔMBIA: GIRO À ESQUERDA; BRICS: IMPASSE DO BRASIL
Um impasse para o Brasil? Ocorreu a cúpula do BRICS. China e Rússia falam em uma expansão do ...
Leia Mais >