Os perigos da solidão

Por Gillian Leithman, Universidade Concordia

A independência é glorificada na cultura norte-americana como um símbolo de força. Como sociedade, valorizamos a realização individual e exaltamos a auto-suficiência.

Como especialista em envelhecimento e aposentadoria, ajudo a transição de funcionários do trabalho para a aposentadoria, facilitando seminários e oficinas no Canadá corporativo. Neste trabalho, muitas vezes me perguntei se a nossa atitude de “viver sozinho” nos levou a um caminho solitário e isolado.

Aqui estão algumas estatísticas recentes:

– O número de norte-americanos solitários duplicou desde a década de 1980, e 40% dos americanos não se sentem próximos aos outros em nenhum momento.

– 16% dos canadenses disseram faltar-lhes companheirismo em uma recente reunião da Associação Canadense de Aposentados (ACA).

– 15% dos entrevistados na pesquisa da ACA disseram que não tinham ninguém a quem se dirigir ou conversar.

– 15% dos entrevistados disseram que estavam infelizes fazendo coisas sozinhos.

De acordo com a pesquisa, a solidão reduz o tempo de vida duas vezes mais do que a obesidade. Sim, você leu certo.

O Dr. John Cacioppo, a autoridade mais importante do mundo no tema da solidão, sustenta que ter pessoas em sua vida não previne o sentimento de solidão. Pelo contrário, é o sentimento de ser solitário que coloca o cérebro e o corpo em risco.

Cacioppo relaciona o sentir-se solitário e a sensação de estar faminto. Nós comprometemos nossa sobrevivência e bem-estar quando um desses dois é ignorado.

Nós somos biologicamente programados para responder ao nosso ambiente. Quando experimentamos níveis baixos de açúcar no sangue, ansiamos por alimentos. A sensação de que nossos estômagos estão vazios é um sinal de alerta para comer, e é essencial para nossa própria sobrevivência. Da mesma forma, quando nos sentimos solitários, é um sinal de que precisamos de conexão com os outros.

Um cérebro solitário é inquieto

A solidão desencadeia a “hiper-vigilância”. Ou seja, seu cérebro está atento às ameaças sociais, o que, por conseguinte, nos coloca na defensiva. Nós nos tornamos mais reativos aos eventos negativos e percebemos os aborrecimentos diários como mais estressantes.

Um cérebro solitário desperta frequentemente, sofre de um sono fragmentado e não pode se recuperar dos eventos estressantes do dia. Também está sujeito a um aumento nos sintomas depressivos e tem dificuldade em se auto-regular. É por isso que você pode se sentir irritável e impulsivo. Um cérebro solitário também está em risco de declínio cognitivo e físico.

Um estudo holandês de três anos foi realizado com mais de 2 mil participantes de 65 a 86 anos. Embora nenhum dos participantes tivesse sinais de demência no início do estudo, os resultados revelaram que aqueles que relataram o sentimento de solidão tiveram um risco aumentado de 64% de desenvolver demência.

As pessoas também experimentam um aumento na solidão quando se aposentam do trabalho. É por isso que você quer se certificar de que você está se aposentando com um plano e que você tem amigos fora do seu local de trabalho.

Um corpo solitário

A solidão também afeta o corpo. A pesquisa do psicólogo Stephen Suomi indica que a solidão distorce a expressão de certos genes. Um experimento que separa os primatas recém-nascidos de suas mães durante seus primeiros quatro meses de vida resultou no desenvolvimento alterado de genes relacionados à imunidade que ajudam o corpo a combater vírus.

A pesquisa da psicóloga social Lisa Jaremka indica que as pessoas solitárias têm níveis mais altos de vírus ativados em seu sistema e correm maior risco de sofrer de inflamação crônica, que foi associada ao diabetes tipo 2,a artrite,  à doença cardíaca e até mesmo ao suicídio.

Enquanto a obesidade aumenta suas chances de morte precoce em 20%, a solidão aumenta suas chances em 45%, de acordo com pesquisas publicadas no Archives of Internal Medicine.

Então, o que devemos fazer com um estado emocional tão poderoso que pode alterar nossos cérebros, comprometer nossa fisiologia e encurtar nossa longevidade?

O antídoto para a solidão

Procure a conexão. Todos nós precisamos de uma tribo.

Se você se sente solitário, não negue e não aceite como inevitável.

Reconheça as consequências de uma solidão prolongada. Se você ignora a fome, você morre de fome. O mesmo se aplica à nossa necessidade de pertencer. Se você se sentir sozinho, conecte-se aos outros.

Reconheça que os relacionamentos de qualidade são os mais eficazes para alimentar esse vazio.

Estamos fisiologica e psicologicamente preparados para a conexão. Na próxima vez que você se sentir solitário, reconheça-o como um sinal de que precisa de conexão e busca de companheirismo. Seu corpo e seu cérebro agradecerão que você faça isso, e você pode até aumentar sua longevidade.

Gillian Leithman é professora assistente de habilidades profissionais para negócios e pesquisadora de envelhecimento e aposentadoria na Universidade Concordia, em Montreal. Este artigo foi publicado originalmente em The Conversation.

 
 
 

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong

Autoridades dos EUA e da UE se pronunciam contra prisões de ativistas de Hong Kong
Os Estados Unidos e as autoridades europeias manifestaram alarme ao saber das detenções de vários ativistas pró-democracia de ...
Leia Mais >
 

Esconderijos na fronteira: um fenômeno oculto e deplorável

Esconderijos na fronteira: um fenômeno oculto e deplorável
As casas esconderijo são usadas há décadas para manter humanos e contrabando nos dois lados da fronteira sudoeste, ...
Leia Mais >
 

EUA anunciam medida para manter imigrantes ilegais detidos por mais tempo

EUA anunciam medida para manter imigrantes ilegais detidos por mais tempo
O governo dos Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira (21) um plano destinado a permitir a detenção das famílias ...
Leia Mais >
 

“Polônia deve resistir ao ‘teatro viajante’ das marchas do orgulho gay”, diz partido governista do país

“Polônia deve resistir ao ‘teatro viajante’ das marchas do orgulho gay”, diz partido governista do país
A Polônia deve resistir ao “teatro viajante” das marchas do orgulho gay, disse neste domingo (18) o líder ...
Leia Mais >