Os Navios de filósofos usados para silenciar os primeiros intelectuais soviéticos

Por Jack Phillips

Em 1922, cinco anos após a Revolução Bolchevique comunista na Rússia, vários acadêmicos, jornalistas, professores, estudantes, filósofos e outros intelectuais foram exilados por Vladimir Lenin, líder dos Bolcheviques.

Antes de Lenin estabelecer a União Soviética em dezembro daquele ano, ele ordenou a deportação de um número significativo de intelectuais por meio de dois navios alemães que ele chamou de “Navios de Filósofos”—Oberbürgermeister Haken e Preussen—para o que hoje é a Polônia. Se eles voltassem, Lênin ordenou, seriam fuzilados.

Em maio de 1922, Lenin enviou uma carta ao chefe da polícia secreta russa (GPU), Felix Dzerzhinsky, para organizar a investigação de escritores e acadêmicos. Na noite de 16 de agosto de 1922, esses acadêmicos foram presos. A deportação ocorreu no outono sob a acusação de envolvimento em “atividade anti-soviética”. Não eram contra-revolucionários ou lutadores, mas intelectuais que discordavam do plano do governo soviético.

Dezenas de escritores e suas famílias foram exilados. Lênin aparentemente manteve uma cópia de tudo que eles escreveram.

Descontente com a demora, Lenin, em junho de 1922, escreveu a Joseph Stalin sobre a remoção dos escritores: “Vamos limpar a Rússia de uma vez por todas”. Mais tarde, ele acrescentou: “Todos eles devem ser expulsos da Rússia. Deve ser feito de uma vez. Quando o julgamento [dos Socialistas Revolucionários] terminar, não mais tarde, e sem nenhuma explicação dos motivos—partam, senhores!”

De um ângulo, os intelectuais e suas famílias que foram expulsos poderiam ser considerados sortudos, já que milhões foram assassinados nos expurgos comunistas que se seguiram. Mas, como Lesley Chamberlain, autor de “Lenin’s Private War”, observou, foi significativo.

“Embora eles nunca pudessem ter se identificado dessa forma, os expulsos em 1922 foram os primeiros dissidentes do totalitarismo soviético”, escreve Chamberlain. Além disso, ela explica que seu único crime foi ter uma opinião diferente. “Esses pensadores entraram em confronto com Lenin e em um instante perderam sua pátria”.

Por meio do exílio, Lenin e seus companheiros eliminaram uma ameaça ideológica ao regime soviético que oferecia uma “terceira via”, uma alternativa à monarquia czarista ou comunismo.

A União Soviética anunciou suas deportações no jornal Pravda, retratando a ação como uma forma humana de lidar com a dissidência.

O professor de ética da Universidade de Moscou, Alexander Razin, observou que a noção de que Lenin deportou os homens “para o bem das próprias vítimas” circulou pela União Soviética durante anos.

Na realidade, era um indicador de que o totalitarismo estava em ascensão no nascente Estado soviético, sinalizando um antiintelectualismo forçado.

“De uma perspectiva contemporânea, foi uma violação grosseira de um direito humano fundamental: viver onde quiser, ou pelo menos o direito de viver no seu próprio país. Em segundo lugar, por trás do discurso de Trotsky sobre a humanidade estava o desejo oculto de se libertar da oposição poderosa (em suas capacidades intelectuais). Em terceiro lugar, essa ação não foi humanitária no sentido de responsabilidade histórica. Ninguém tem o direito de proclamar a ‘verdade única’ e afirmar esta ‘verdade’ como a única possibilidade para o desenvolvimento histórico de toda uma nação”.

Os expulsos incluíam escritores que defendiam a liberdade pessoal, o desenvolvimento espiritual ou as crenças cristãs.

O filósofo religioso e político Nikolai Berdyaev estava entre eles. Depois de se tornar professor de filosofia na Universidade de Moscou, ele foi acusado de estar envolvido em uma conspiração antigovernamental e preso. De acordo com alguns relatos, ele foi interrogado pessoalmente por Dzerzhinsky, que era mais conhecido por desenvolver a polícia secreta soviética.

O escritor Aleksandr Solzhenitsyn em “Arquipélago Gulag” escreveu sobre ele:

[Berdyaev] foi preso duas vezes; ele foi levado em 1922 para um interrogatório noturno com Dzerjinsky; [Lev] Kamenev também estava lá…. Mas Berdiaev não se humilhou, não implorou, professou firmemente os princípios morais e religiosos em virtude dos quais não aderiu ao partido no poder; e não apenas julgaram que não adiantava colocá-lo a julgamento, mas ele foi libertado. Agora, há um homem que tinha um “ponto de vista”.

As opiniões expressas neste artigo são pontos de vista do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 
 
 

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América

Da saúde a Hollywood: como o regime chinês tenta controlar a América
Hoje, as "plataformas de entretenimento" dos EUA estão tão "desesperadas pelo mercado chinês" que agora estão dispostas a ...
Leia Mais >
 

Autoridades chinesas destroem barragem

Autoridades chinesas destroem barragem
Por NTD Notícias Chineses, passaram dias e noites fortificando as margens de rios para evitar inundações, apenas para ...
Leia Mais >
 

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.

Embaixadas chinesas publicaram notas criticando os Jogos Olímpicos no Japão, mas por um motivo incomum que gerou furor entre internautas.
Por NTD Notícias Evidências apontam que a catástrofe das enchentes na China vem das autoridades do Partido Comunista. ...
Leia Mais >
 

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição

Epoch Times lança iniciativa ‘Defendendo America’ com painel sobre a constituição
O Epoch Times realizou um painel de discussão em 19 de julho entre os principais especialistas na Constituição ...
Leia Mais >