O romance corrupto entre as grandes empresas e o socialismo

Por Joshua Philipp, Epoch Times

Análise de Notícias

Há um romance estranho e irônico entre as grandes empresas e o socialismo.

Em outros tipos de sociedades livres, as corporações tornaram-se os corpos de aplicação extralegal das leis culturais – capazes de disparar, envergonhar e arruinar a vida das pessoas que desafiam os sistemas não oficiais de correção política.

A Suprema Corte, por unanimidade, reafirmou em junho de 2017 que o chamado “discurso do ódio” não é ilegal nos Estados Unidos e é protegido como liberdade de expressão na Constituição dos Estados Unidos.

É claro que o “discurso do ódio” é em grande parte indefinido e seus significados mudam com base nas necessidades políticas da esquerda socialista. Há um fluxo constante de casos, mas recentemente um usuário do Google revelou ao Projeto Veritas que o Google está censurando conservadores para evitar a futura presidência do Trump. Até mesmo a comunidade de tricô Ravelry anunciou que proibirá os usuários de apoiarem Trump sob o pretexto de que Trump se tornou um símbolo de ideias que eles consideram odiosas.

Em todos os casos, as pessoas que violam essas leis não oficiais correm o risco de serem publicamente expostas pelas agências noticiosas – como vimos em junho, quando o Daily Beast expôs e envergonhou publicamente um motorista de empilhadeira, no Bronx, por supostamente criar um vídeo engraçado que retratava a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, fazendo barulho, como se estivesse bêbada.

Vimos uma situação semelhante em fevereiro de 2018, quando a CNN enviou um repórter para a casa de uma mulher idosa para acusá-la de compartilhar um suposto artigo russo no Facebook. Nós vimos isso novamente quando o estudante de 16 anos de idade, Nick Sandmann, foi falsamente acusado pela grande mídia corporativa de assediar um homem idoso nativo americano. Em resposta, as celebridades brincaram no Twitter sobre agredir ou assassinar ele e seus colegas de classe.

As agências de notícias e as grandes empresas tornaram-se os órgãos de fiscalização de leis não oficiais. Elas identificam as pessoas, envergonham-nas, entram em contato com seus empregadores e tentam arruinar suas vidas. Elas enviam a mensagem de que qualquer pessoa, independentemente de idade ou raça, está aberta a ataques se ela violar as leis socialistas de correção política impostas pelas corporações.

Grandes empresas, em conluio com facções políticas socialistas, encontraram uma maneira de reforçar as leis socialistas que não são criminosas sob as leis normais. E através do terrorismo político, elas enviam uma mensagem de que falar contra as narrativas politicamente corretas pode arruinar sua vida. As pessoas ficam então aterrorizadas em um silêncio coagido.

O politicamente correto se origina com o Partido Comunista Chinês de Mao Zedong, quando ele estabeleceu em 1967 que aqueles que apoiam as políticas socialistas são “politicamente corretos”, e aqueles que se opõem a eles podem ser publicamente envergonhados, presos ou mortos.

Nos Estados Unidos, onde o socialismo não dominou os órgãos do governo, as coalizões de grandes empresas nos meios de comunicação e no Vale do Silício se tornaram os defensores do socialismo em uma outra forma de sociedade livre.

Em outras palavras, você é livre perante o Estado para ter suas próprias opiniões e divergências, mas se você expressar publicamente essas opiniões e discordâncias, que são totalmente legais, você corre o risco de ser punido por grandes empresas que tomaram para si mesmas o discurso policial de acordo com seus preconceitos políticos.

“Monopólio do Estado capitalista”

Ao contrário da crença popular, o socialismo não se livra do capitalismo – pelo menos não das partes do capitalismo que a maioria das pessoas se opõe. Livra-se dos verdadeiros princípios do livre comércio e coloca os sistemas capitalistas sob controle estatal. Depois de colocar as grandes empresas sob controle estatal, ele as subsidiam através de altos impostos e as gerenciam por meio de leis rigorosas. As novas empresas estatais tornam-se imunes à concorrência independente, as pessoas podem ser indicadas para trabalhar para elas conforme o Estado julgar adequado, e os impostos sustentam negócios que, de outra forma, fracassariam.

Não acredita em mim? Cite um país ou regime socialista que tenha acabado com as fábricas, as grandes empresas ou regimes sociais crivados por dívidas que muitas pessoas se opõem nos sistemas capitalistas. Muitos países sob o “modelo nórdico” são possivelmente mais capitalistas que os Estados Unidos – na Dinamarca, é mais fácil iniciar um negócio do que na maioria dos estados dos Estados Unidos, e não há nem mesmo leis de salário mínimo. E sob a União Soviética e até hoje com o Partido Comunista Chinês – eles mantiveram os elementos abusivos do capitalismo, apenas sob controle estatal.

Mesmo nas chamadas sociedades “agrárias”, como a Rússia czarista e o Camboja sob o Khmer Vermelho, onde não havia sistemas “capitalistas” para destruir, os tiranos socialistas “tomaram os meios de produção” de pessoas comuns, que incluíam sementes, equipamento agrícola e terra. E em ambos os casos, isso levou ao genocídio pela “causa socialista”.

Lênin explicou essa intenção ao povo russo desde o começo, referindo-se ao socialismo em 1917 como um sistema de “Monopólio capitalista de Estado”, que era um passo necessário para o fim dos objetivos da desolação social e moral comunista.

O socialismo se livra do verdadeiro capitalismo no sentido de livre comércio e negócios independentes, mas mantém os elementos tirânicos dos grandes negócios. Embora o socialismo critique o capitalismo como sua reivindicação de legitimidade, o socialismo pelo design nunca foi concebido para se livrar dos traços mais obscuros do capitalismo – ele simplesmente nega a liberdade de comércio para o homem comum, e afirma que apenas o governo “coletivo” tem o direito produção e comércio.

O resultado é que negócios independentes são destruídos, meios de produção e recursos são apreendidos, e o Estado tenta microgerenciar a economia da nação através de negócios e burocracia estatais massivas.

Enquanto isso, os gatos gordos no grande negócio corporativo às vezes estão todos lá para isso. Afinal de contas, o socialismo não se livra da corrupção ou da ganância – ele o subsidia. O socialismo é monopólio, apenas o monopólio do “Estado”.

Essa é uma das razões pelas quais os anti-socialistas no início dos anos 1900 se opunham não apenas ao socialismo, mas também às formas emergentes de corporativismo coletivista que vieram a definir o capitalismo moderno.

Podemos citar o famoso escritor G.K. Chesterton como um exemplo. Como muitos anti-socialistas de seu tempo, ele reconheceu que os problemas do socialismo não estavam limitados aos sistemas socialistas oficiais que reconhecemos hoje. Os problemas se estendiam até mesmo à direção que o livre mercado estava tomando sob o monopólio das empresas, a questão mais ampla das economias socialistas planejadas e da escravidão por dívidas.

Muitos escritores, incluindo Chesterton, continuaram a estruturar suas críticas de forma mais ampla, em oposição à “tirania” e ao “monopólio”, que incluíam todo o espectro do socialismo e as partes mais sombrias dos grandes negócios.

Chesterton escreveu em “GK’s Weekly” em 1925: “Não há nada na frente a não ser um deserto plano de padronização, seja pelo bolchevismo ou pelo grande negócio. E é estranho que pelo menos tenhamos visto a sanidade, mesmo que apenas em uma visão, enquanto eles vão para frente acorrentados eternamente ao crescimento sem liberdade e progresso sem esperança ”.

A tirania do socialismo de grandes empresas

O socialismo é um sistema de tirania e corrupção subsidiada. Ele adota todos os piores traços do capitalismo e políticas corruptas, e os solidifica na sociedade através de altos impostos e controle estatal burocrático.

O economista liberal clássico, Ludwig von Mises, escreveu em seu livro de 1947, “Planned Chaos”, que enquanto “nada é mais impopular hoje do que a economia de mercado livre”, e enquanto muitas facções políticas impõem diferentes acusações contra o capitalismo – na medida em que elas contradizem a si mesmas – muitas de suas críticas são, na verdade, contra conceitos socialistas adotados no livre mercado.

Mises escreveu: “Embora o capitalismo seja o sistema econômico da moderna civilização ocidental, as políticas de todas as nações ocidentais são guiadas por ideias totalmente anticapitalistas. O objetivo dessas políticas intervencionistas não é preservar o capitalismo, mas substituí-lo por uma economia mista”.

A realidade é que muitas grandes empresas apoiam a política socialista, já que se beneficiariam dos sistemas de monopólio e subsídios estatais oferecidos pelo socialismo.

Por que a indústria farmacêutica – um dos maiores refúgios “capitalistas” dos Estados Unidos – está apoiando políticos que querem assistência socialista? É porque os serviços de saúde socialistas financiariam suas operações e imunizariam os problemas do negócio da medicina.

Em vez de forçar a medicina das grandes empresas a cortar custos e melhorar os serviços, os serviços de saúde socialistas tornariam essas questões inegociáveis. Os serviços de saúde socialistas financiariam grandes empresas farmacêuticas com altos impostos, em vez de forçar essas empresas a firmar as raízes das queixas públicas, reduzindo os custos da medicina e melhorando a qualidade dos cuidados.

O socialismo também significaria que o grande governo poderia regular a saúde pública e poderia forçar as pessoas a receber cuidados médicos, limitando as opções externas de assistência.

O mesmo princípio se aplica às faculdades e à praga da dívida estudantil. Em vez de baixar os custos da educação e reformar o currículo para ajudar a assegurar que os graduados possam conseguir empregos depois da faculdade para que possam pagar suas dívidas, eles querem que as políticas socialistas subsidiem sua indústria.

Isso permitiria que eles usassem o dinheiro dos contribuintes para solidificar os altos custos de ensino e que as universidades continuassem oferecendo graus de pouca utilidade no mundo real – já que não importaria se os estudantes pudessem encontrar empregos para pagar seus empréstimos.

A realidade é que os tiranos socialistas na política trabalham de mãos dadas com os interesses das grandes empresas.

Os políticos financiados por essas grandes empresas se tornam fantoches trabalhando em seu nome. Nessa troca, esses políticos criam narrativas para convencer o público a votar em políticas socialistas que subsidiem os grandes negócios. E através desses laços corruptos, os tiranos socialistas passam a representar os interesses das grandes empresas sobre o bem-estar das pessoas que eles deveriam representar.

Essa rede corrupta entre socialismo, grandes empresas e políticas corruptas sempre existiu. É uma fundação do sistema socialista. Sob a União Soviética, Wall Street nos Estados Unidos estava bombeando dinheiro para o regime russo na época da Guerra Fria, e quando esse canal de finanças foi cortado o regime comunista entrou em colapso. Vemos os mesmos laços entre a Wall Street de hoje e o Partido Comunista Chinês.

Se uma empresa estiver corrompida, ela não poderá durar muito caso se torne muito grande. As empresas que não conseguem fornecer preços competitivos e bons serviços só podem durar se tiverem um monopólio – e as sociedades livres devem acabar com monopólios como este. O socialismo também elimina a concorrência de pequenas e médias empresas.

Então, por que tantas grandes empresas estão pressionando pelo socialismo, se o socialismo se livrar do sistema “capitalista” do qual elas dependem?

A base do socialismo é o monopólio. Sob o socialismo, as grandes empresas podem persistir – ainda que sob controle estatal – através de dinheiro dos impostos, o que significa que elas não precisam ser competitivas em preços e serviços. O socialismo é o modelo preferido para grandes empresas corruptas, uma vez que elimina os riscos e obrigações que acompanham as grandes empresas. E é provável que, por esse motivo, tantos milionários e bilionários o apoiem.

Siga Joshua no Twitter: @JoshJPhilipp

 
 
 

Jornal Epoch Times é removido de cadeia de lojas em Hong Kong, gerando preocupação sobre a pressão de Pequim

Jornal Epoch Times é removido de cadeia de lojas em Hong Kong, gerando preocupação sobre a pressão de Pequim
Os moradores de Hong Kong estão expressando suas preocupações depois que uma franquia local da popular cadeia de ...
Leia Mais >
 

Governo e empresários planejam campanha para estimular economia

Governo e empresários planejam campanha para estimular economia
Com o objetivo de movimentar a economia e estimular o turismo interno e o varejo, o governo brasileiro ...
Leia Mais >
 

EUA: Comitê Nacional Republicano aprova resolução contra extração forçada de órgãos na China

EUA: Comitê Nacional Republicano aprova resolução contra extração forçada de órgãos na China
O Comitê Nacional Republicano (RNC) dos Estados Unidos aprovou por unanimidade uma resolução em 2 de agosto de ...
Leia Mais >
 

Câmara aprova urgência para projeto que autoriza porte de arma para novas categorias profissionais

Câmara aprova urgência para projeto que autoriza porte de arma para novas categorias profissionais
O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta quarta-feira (14) o regime de urgência para o ...
Leia Mais >