Regime chinês visa subjugar capitalismo com socialismo. O que está em jogo?

Por Peter Zhang

Em 1º de abril, em meio a intensas negociações comerciais entre Pequim e Washington, o discurso do secretário-geral, Xi Jinping, foi publicado, em 2013, aos novos membros do Comitê Central do Partido Comunista Chinês.

Foi um discurso importante, como evidenciado por sua aparição em QiuShi (“Buscando a Verdade”, em chinês), um jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC). E logo depois, o discurso de Xi foi publicado simultaneamente pelo People’s Daily e pela Xinhua News Agency, que são outros dois importantes porta-vozes do Partido.

As publicações simultâneas do discurso de Xi indicaram algo – uma profunda preocupação do PCC em relação ao atual impasse entre a China e os Estados Unidos. O discurso foi notável, especialmente por uma profecia de Xi. Citando as doutrinas de Marx e Engel, Xi afirmava que o socialismo venceria inevitavelmente o capitalismo, apesar do fato de que a queda do capitalismo é uma perspectiva muito distante.

De fato, o momento desta publicação parece não ser acidental. Múltiplas fontes da mídia informaram que Xi convocou uma reunião urgente em 21 de janeiro, convocando os principais líderes provinciais a Pequim para ouvir seus avisos severos sobre os riscos crescentes que o PCC enfrenta neste Ano do Porco.

Além da desaceleração econômica provocada pela disputa comercial com a América, bem como pelas crescentes dívidas da China, o PCC está seriamente preocupado com os rumores de base decorrentes de ameaças sociais e políticas agudas.

Líderes do PCC demostram ansiedade e preocupação

O tom do governo nos níveis mais altos é o de maior alerta. Há um medo palpável de que o fundamento sobre o qual o Partido confia possa estar desmoronando.

Na reunião de janeiro, Xi levantou “sete riscos”: 1) política; 2) ideologia; 3) economia; 4) tecnologia; 5) sociedade; 6) o ambiente externo; e 7) construção do partido. Xi exortou seus subordinados a recorrer a medidas duras para evitar esses riscos, que, segundo ele, são reais e urgentes.

Em seu Relatório do Governo, em 5 de março, no Congresso do Povo, o Premier Li Keqiang estava visivelmente nervoso diante das câmeras,  mencionando a palavra “risco” 24 vezes; a palavra “dificuldade”, 13 vezes; e a palavra “estabilidade”, mais de 70 vezes.

Em termos de economia, Li antecipa que as dívidas locais em 2019 crescerão para 2,15 trilhões de yuans (US$ 320 bilhões) – 800 bilhões de yuans a mais do que no ano passado – o que superará o novo valor de redução de impostos. Este ano, o gasto total do governo de cerca de 23 trilhões de yuans será um aumento de cerca de 6,5% em relação ao ano passado.

Economistas questionaram a validade da alegação de Li de que a redução do imposto corporativo de 2018 foi de 1,3 trilhão de yuans, enquanto a receita anual de impostos aumentou 8,3%, atingindo cerca de 15,6 trilhões de yuans. Com o plano de redução de impostos do governo, a receita fiscal de 2018 deveria estar diminuindo, não aumentando.

Com base nos dados do Fundo Monetário Internacional (2018), os Estados Unidos ocupam o oitavo lugar em termos de PIB per capita (US$ 62.606), enquanto a China é o número 67 (US$ 9.608). Então, a economia da China não está onde precisa estar para montar um sério desafio para os Estados Unidos.

Seguindo os passos do Google, da Microsoft e da ARM, sediada no Reino Unido, a japonesa Panasonic anunciou que suspenderia seus negócios com a Huawei em 23 de maio.

Instituições acadêmicas proeminentes, como o Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Stanford, a Universidade da Califórnia em Berkeley e a Oxford, também deixaram de cooperar com a Huawei.

A proibição do governo Trump à Huawei, juntamente com a tarifa de 25% sobre as importações chinesas anuais de US$ 200 bilhões, causaram grandes dificuldades com um enorme potencial para afetar a economia chinesa.

Confrontando a China Vermelha 

O principal negociador comercial de Trump, Robert Lighthizer, que foi membro da equipe do presidente Reagan nos anos 80,  abordou o déficit comercial dos Estados Unidos com o Japão. O Acordo Plaza, assinado pela Alemanha Ocidental, Reino Unido, França, Japão e Estados Unidos, juntamente com uma tarifa de 100% sobre importações japonesas de US$ 300 milhões em 1987, desempenhou um papel crítico para evitar a inundação de produtos japoneses no mercado dos Estados Unidos.

No entanto, embora um acordo comercial com um país democrático como o Japão provavelmente funcione, já que esses países tendem a honrar o Estado de direito e as normas e acordos internacionais, qualquer acordo (comercial ou não) com o regime comunista enganoso na China não irá, com base em seu histórico passado, levar a qualquer lugar.

Em resposta à retaliação tarifária de Pequim, em 23 de maio, Washington deveria oferecer US$ 16 bilhões em um esforço para ajudar os agricultores dos Estados Unidos atingidos pelo conflito comercial com Pequim. O declínio nas importações para a China foi realmente compensado pelo aumento das importações para o México e outros países.

Apesar das dificuldades temporárias que podem ocorrer, a administração Trump está preparada para trazer mudanças estruturais ao fazer negócios com a China, além de acabar, de uma vez por todas, com o roubo do know-how tecnológico dos Estados Unidos por parte de Pequim.

O que realmente está em jogo

A atual disputa comercial entre a China e os Estados Unidos, afinal, não é apenas sobre o déficit comercial. Mais significativamente, trata-se de saber se os Estados Unidos e o resto do mundo podem conceber uma superpotência comunista em ascensão que é uma reminiscência da antiga URSS em termos de ameaças militares e ideológicas.

O Dragão Vermelho está definido para perturbar a ordem mundial e minar todo código de moralidade ou lei em todo o mundo que ajude a formar nossa humanidade. Como afirmou abertamente no discurso de Xi, seu socialismo totalitário visa, em última análise, vencer o capitalismo e as instituições democráticas.

Há muito tempo os observadores da China esperam enfraquecer, se não vencer, o regime comunista em Pequim durante a guerra comercial, provocando assim mudanças sociais fundamentais há muito esperadas no interior do Estado orwelliano, substituindo-o por uma sociedade aberta governada pelo Estado de direito.

Como apontado por Winston Churchill, em seu discurso na Câmara dos Comuns em 22 de outubro de 1945, “O vício inerente do capitalismo é a partilha desigual de bênçãos. A virtude inerente do socialismo é a partilha igual das misérias”.

O mundo moderno simplesmente não pode conceber uma China comunista no século XXI.

Peter Zhang é pesquisador de economia política na China e no leste da Ásia. Ele é graduado pela Universidade de Estudos Internacionais de Beijing, pela Escola de Direito e Diplomacia de Fletcher e pela Harvard Kennedy School como Mason Fellow.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
 
 

Vítimas silenciosas: um mundo oculto onde meninos são traficados

Vítimas silenciosas: um mundo oculto onde meninos são traficados
Meninos e homens constituem uma “porção significativa” de vítimas de tráfico humano, tanto nos Estados Unidos quanto internacionalmente.
Leia Mais >
 

Especialistas ensinam como aumentar chances de sobrevivência contra atirador ativo (Vídeo)

Especialistas ensinam como aumentar chances de sobrevivência contra atirador ativo (Vídeo)
Depois de três tiroteios em massa no intervalo de uma semana, especialistas deram um passo à frente e ...
Leia Mais >
 

Malta, novo aliado de Maduro, que o ajuda a evitar sanções

Malta, novo aliado de Maduro, que o ajuda a evitar sanções
Malta, um arquipélago localizado no Mediterrâneo que fica entre a Sicília e a costa do norte da África, ...
Leia Mais >
 

Clientes acusam corretora de bitcoin de sumir com dinheiro

Clientes acusam corretora de bitcoin de sumir com dinheiro
Um grupo especialista no comércio de Bitcoins, considerado por usuários como o maior do Brasil no ramo, tem ...
Leia Mais >